Artigos e reportagens especiais
Escuchar
Pause
Play
Stop

William Heberden: um legado histórico para a reumatologia

Para : Antonio Iglesias
Historiador/investigador. Profesor titular de Medicina. Universidad Nacional. Bogotá, Colombia


Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.


Carlo V Caballero Uribe MD
Editor en Jefe Global Rheumatology by PANLAR



21 Janeiro, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.26.e059

"“As entrevistas com a história são peças biográficas de personagens que se tornaram a espinha dorsal da especialidade que conhecemos como a Reumatologia. Baseiam-se nos textos do Dr. Antônio Iglesias, preparados pela nossa jornalista Estefânia Fajardo de la Espriella em forma de entrevistas fictícias que podem dar-nos uma visão contemporânea das pessoas e contribuições, e são editados pelo Dr. Carlo Vinício Caballero. Em uma nova Entrevista com a História, chegamos no século XVIII e nas contribuições do Heberden, que são ainda hoje peças indispensáveis ​​no estudo da Medicina e principalmente da Reumatologia.” "

Visualizações 604Visualizações

No início do século XVIII, o Herman Boerhave, um médico holandês, usou os seus 10 leitos no hospital de Leiden para dar aulas. Estudantes de toda a Europa, Grã-Bretanha e colônias americanas se reuniram ali para receber seus ensinamentos aos pés dos enfermos.

Foi assim que começou a prática clínica. Além da escola de Leiden; Edimburgo e Paris foram os mais importantes do mundo ocidental, seguidos por Oxford e Cambridge. O Monroprimus, o Monrosecundus, o Thomas Pervical, o James Gregory se destacam da época.

Poucos médicos do século XVIII se destacaram nas escolas de Oxford e Cambridge. Mas na segunda metade do século destacou o William Heberden, um graduado de Cambridge; cujos alunos possuíam uma formação médica clássica, nacionalista e com mentalidade de “poltrona”, uma vez que ficaram atrás com os poucos avanços da medicina da época, como fisiologia, patologia, semiologia, higiene e terapêutica.

É precisamente o William Heberden de quem iremos falar desta vez. Já fizemos isso com o Thomas Sydenham no século XVII e agora passamos para o século XVIII para descobrir mais sobre os começos da reumatologia.

Foto 1 William Heberden . Mezzotint by J Ward Sir W. BeecheyFoto 1 William Heberden . Mezzotint by J Ward Sir W. Beechey

 

Como o William Heberden se apresentaria?

Nasci em Londres em 1710. Os meus primeiros estudos foram na St Savior's Parish School of Grammar em Southwark, uma instituição da Rainha Elizabeth que oferecia educação gratuita. Fui no St John's College, Cambridge (1724), lá obtive o grau de Mestre em Artes e com 29 anos o título de Doutor em Medicina (1739).

A minha estadia em Cambridge foi de 10 anos e lá estive praticando, aprendendo e ensinando Medicina. Naquela época, fui responsável pelo curso anual de assuntos médicos e terapêuticos. Depois de praticar lá, voltei para Londres, onde me tornei membro do Royal College of Physicians em 1746; e então, em 1749, me ofereceram a prestigiosa palestra Goulstoniana, além de ser o palestrante haverniano, em 1750. Além disso, em 1763 fui um dos fundadores do Medical Transaction of the Royal College, o fórum onde os seus membros se reuniam e relataram as suas observações na forma de apresentação de casos clínicos.

Eu gostava dos clássicos e isso era conhecido porque durante os cursos eu frequentemente citava esses autores em latim para ilustrar os comentários. (Figura 1)

No prefácio de 1782 aos Comentários sobre a história e a cura das doenças, escrevi em latim: “Plutarco diz que a vida de uma Virgem vestal foi dividida em três partes; na primeira delas aprendeu os deveres da sua profissão, na segunda os exerceu e na terceira os ensinou aos outros ”e acrescentei:“ Este não é um mau modelo para a vida de um médico: já passei pelos dois primeiros, estou disposto a passar o resto dos meus dias ensinando" (1)

 

Dizem que uma das suas principais virtudes era a disciplina...

Certamente. Fiz anotações sobre os meus pacientes e organizei suas histórias em inglês ou latim. A partir disso, em 1766, propus ao Colégio Médico publicar periodicamente as contribuições de cada um dos seus membros sob o título de Registros Médicos, desta forma foram publicados três volumes.

 

Como foi o processo de descrição dos nódulos?

Sei que agora sou conhecido por descrever as inflamações nodulares na osteoartrite, os "nódulos de Heberden" dos quais se fala diariamente, especialmente pelos reumatologistas.

A descrição clássica foi feita com a denominação latina digitorum nodi, (Figuras 2 e 3) que os detalha como “nódulos duros na articulação interfalangeana distal que não se relacionam com a gota e persistem ao longo da vida dos pacientes. Ele os definiu como nódulos duros, do tamanho de uma ervilha, que muitas vezes podem ser vistos acima dos dedos, especialmente a uma curta distância da extremidade e perto da articulação. Eles não estão relacionados à gota, podem ser vistos em pessoas que nunca tiveram; e persistem ao longo da vida, dificilmente sendo acompanhados de dor, ou podendo transformar-se em feridas, são bastante feios, o que incomoda, embora devam ser algum pequeno obstáculo para o livre uso dos dedos ”.

 

Fotos 2 y 3 Descripción y foto  en latín de los nódulos de Heberden 

 

Mas nem tudo para aí...As suas observações chegaram também à cardiologia

Sim. Descrevi a angina de peito. Foi inicialmente no London Medical Act que falei de uma doença com o nome de angina de peito, uma comunicação que despertou muito entusiasmo e que chamou a atenção dos médicos. Pouco depois, postei mais observações sobre este tópico, com um histórico de caso e achados de dissecção (autópsia).

Com as suas observações e tudo o que escreveu, você acha que alcançou marcar a medicina?

O livro de comentários “Comentários sobre a história e o cerne das doenças”, editado pelo meu filho William (William Heberden, o mais jovem), é um dos livros clássicos de medicina mais lidos do mundo. Lá os digitorum nodi são descritos; que, como eu disse, hoje são conhecidos pelo meu nome.

Mas acho que não devo ser lembrado apenas pelos nódulos, também descrevi diferenças como a gota, da qual descrevi algumas características. “É preciso saber que há casos em que os critérios de ambos estão tão misturados que não é fácil determinar se a dor é gota ou reumatismo.”

Fiz uma descrição do que hoje é chamado de vasculite de hipersensibilidade. “Algumas crianças, sem nenhuma alteração de saúde naquela época, nem antes nem depois, desenvolveram manchas roxas por todas partes, exatamente as mesmas das febres roxas. Em alguns lugares não eram mais largas do que uma semente, em outras eram tão largas quanto a palma da mão, depois de alguns dias desapareciam sem ajuda de nenhum remédio. Era notável que em uma delas a menor pressão bastasse para extravasar o sangue, e fazer esta parte parecesse geralmente com o que acontece por causa de um hematoma. Às vezes, apresentavam dores de estômago com vômitos e, naquele momento, havia algumas manchas de sangue nas suas fezes e a urina estava manchada de sangue. Quando a dor atingia as suas pernas, não conseguiam andar" (2). Além disso, escrevi algo sobre dor lombar, reumatismo indefinido (fibromialgia?) E descrições convincentes de artrite tuberculosa do quadril e reumatismo agudo (febre reumática).

Fui fiel seguidor dos conceitos hipocráticos, por isso escrevia e todas as minhas observações foram compiladas em comentários sobre a história e cura das doenças; escrito em latim e traduzido pelo meu filho para o inglês.

 

Mas sua pesquisa foi além...

Em 1767 descrevi a cegueira noturna e os aspectos clínicos da varicela, além da minha luta contra a farmacopeia dos remédios mágicos e o uso de alguns remédios populares como a solução de Fowler e as frutas.

Desta forma, a medicina inglesa do século XVIII recebeu duas orientações relacionadas: empirismo semiográfico e nosográfico da minha parte, que era herança do Sydenham, e a pesquisa anatomoclínica.

Eu também teve muito interesse na medicina preventiva. Podemos ver que em “Remarks on the pump-water of London”, lá detalho os riscos de contaminação e recomendo filtrar a água antes do consumo. Também, como dado curioso, existe uma planta com o meu nome (Hebernia) (2).

 

Quais outras coisas ele fez?

Consegui diferenciar a varíola da varicela; Também me envolvi com a medicina preventiva em que havia a necessidade de filtrar a água antes de consumi-la.

Eu colaborei com o Benjamin Franklin na preparação de um panfleto aconselhando aos pais sobre como vacinar aos seus filhos contra a varíola nas colônias inglesas. E em vista da grande cultura da época, o Samuel Johnson me chamou de "o último dos romanos" como ele chama à minha extraordinária cultura.

Eu entendia a medicina do ponto de vista holístico, esse era outro aspecto importante. Quando sabia que um sintoma não tinha tratamento definido, então procurava que estivesse em um ambiente tranquilo, com ar puro, banhos e recomendou, em determinados horários, uma mudança da rotina.

As minhas distinções e sociedades científicas:

 

Fellow of the Royal Society

Croonian Lecture (1760)

Fellow of the Royal College of Physicians 1746

Goulstonian Lecture (1749)

Harveian Oration en 1750

 

O seu maior legado?

Sou considerado o pai da observação clínica do século XVIII e o fundador da reumatologia. Alguém mencionou: “Seu distinto saber, a sua doçura de maneiras e a sua ativa benevolência o elevaram a uma altura incomum na estima pública”.

Em 1936, meia dúzia de médicos que trabalhavam na Clínica de Reumatismo da Cruz Vermelha Britânica decidiu fundar a Heberden Society to Advance Rheumatology, que depois de 46 anos foi honrosamente absorvida pela British Society of Rheumatology.

Heberden morreu aos 91 anos, o seu legado inclui os ingredientes essenciais da medicina: a arte da observação, avaliações críticas das observações e, o mais importante, a compaixão pelos seus pacientes.

Na verdade, o William Heberden é corretamente considerado um dos médicos mais ilustres do século XVIII (3)

 

Referências bibliográficas

 

  1. Talha Khan Burki. William Heberden.The Lancet ( 2, 4, E20, April 2020). DOI: https://doi.org/10.1016/S2665-9913(20)30062-X
  2. Buchanan, W.W., Kean, W.F. William Heberden the elder (1710–1801): the complete physician and sometime rheumatologist. Clin Rheumatol 6, 251–263 (1987). https://doi.org/10.1007/BF02201032
  3. T. Y. Lian, K. K. T. Lim, The legacy of William Heberden the Elder (1710–1801), Rheumatology, Volume 43, Issue 5, May 2004, Pages 664–665, https://doi.org/10.1093/rheumatology/keg00

 

Leitura recomendada

 

 

enviar Envía un artículo