Os desafios da PANLAR diante de um congresso presencial

Por :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

24 Maio, 2022
https://doi.org/10.46856/grp.233.ept120
views 271views

Neste novo videoblog conversamos com o Carlos Lozada, presidente da PANLAR, quem menciona os desafios de liderar durante a pandemia do covid-19 e o que virá para o congresso presencial, bem como o futuro da liga.


EF: Olá a todos e bem-vindos ao novo vídeo blog da Global Rheumatology, onde abordaremos diferentes tópicos. Hoje estamos com o Dr. Carlos Lozada para falar sobre o que a PANLAR tem sido nestes anos e o que está por vir no PANLAR 2022.

CL: Muito obrigado, Estefânia. E obrigado pelo trabalho que todos fazem na Global Rheumatology para a nossa comunidade americana de reumatologia e PANLAR especificamente.

EF: Doutor, conte-nos sobre a sua experiência com a presidência da PANLAR e como você acha que tudo vai se desenvolver nestes 6 meses que ainda estão por vir.

CL: Bem, vamos lá, o mínimo que eu pensava há alguns anos era que haveria anos tão interessantes no meu futuro. Estes quase dois anos já foram únicos, os desafios foram substanciais, começando pela pandemia, continuando com o fato de que ao mesmo tempo também fui nomeado diretor da divisão de reumatologia da Universidade de Miami. Sempre fui diretor do programa de treinamento, mas além disso tenho comandado a divisão.

Ou seja, foram muitos desafios ao mesmo tempo, diria também ao ILAR. A liderança do ILAR é rotativa entre os organismos internacionais e a PANLAR foi designada no ano passado, por isso tem sido a liderança de várias entidades, todas ao mesmo tempo.

O que o tornou menos problemático é o fato de que na PANLAR temos uma direção e um plano de desenvolvimento que estamos seguindo há alguns anos, e temos enfatizado nas duas últimas presidências com a continuidade e direção consistente da PANLAR que é algo que espero que também faça parte do meu legado, pois faz parte do legado de pelo menos os dois ex-presidentes, ou seja, uma direção com um objetivo visível e consistente a ser alcançado.

EF: Doutor, você mencionou a pandemia, qual tem sido o maior desafio da PANLAR considerando que nos deparamos com esta situação?

CL: O desafio não só para a PANLAR, mas para todas as organizações médicas e reumatológicas tem sido o fato de que parte do nosso trabalho é construir, manter e fazer crescer uma comunidade, e ainda mais nas Américas, porque gostamos que seja presencial, ou cara a cara.

Todos temos aprendido muitíssimo. Eu acho que ao não ser necessariamente presencial, nos comunicar através dos blogs, videoblogs, reuniões virtuais, tendo múltiplas todos os dias, e ainda hoje quando estamos já voltando à normalidade, quatro dos meus cinco dias da semana já são presenciais.

Agora temos habilidades de comunicação extraordinárias, podemos realizar reuniões com todos no mundo todo, planejá-las em 10 minutos, se necessário. Ou seja, foi um período de crescimento apesar de todos esses desafios, mas acho que também é hora de todos nós reencontrarmos pessoalmente, e a minha visualização do que a presidência ia fazer, já que foram muitas reuniões, fazer comunidade em todas as nossas regiões da PANLAR, mas pessoalmente o que não tem acontecido, mas acho que estamos prestes a dar o primeiro passo para restaurar a normalidade, por dizer de alguma forma, através do nosso Congresso que está chegando em agosto.

EF: O roteiro que você traçou com a PANLAR mudou de alguma forma, levando em conta que a pandemia chegou?

CL: Eu acho que, por necessidade, os métodos que usamos para atingir aos nossos objetivos mudaram e as tecnologias já foram adaptadas, e talvez mais reuniões tenham sido adaptadas das que teríamos feito, porque ficou mais fácil. Mas tentamos manter os objetivos e acho que conseguimos fazer isso. Usamos métodos diferentes, métodos mais novos, mas o objetivo permaneceu e acho que estamos atingindo as metas que estabelecemos.

Certamente uma das grandes foi estabelecer um novo método de comunicação na PANLAR e na reumatologia e você faz parte disso, a Global Rheumatology. Outra meta que tínhamos era poder ajudar pesquisadores das áreas da reumatologia e acredito que com a Unidade de Pesquisa, que ainda está em crescimento, conseguimos atingir essa meta. Isso começou pouco antes do meu mandato como presidente, mas certamente continuou a crescer apesar da pandemia.

E também tivemos novos objetivos, por exemplo, um dos meus propósitos e uma das coisas que eu queria fazer era aumentar o apoio da PANLAR para programas de treinamento em reumatologia nas Américas, queremos melhorar o atendimento de pacientes reumáticos, o acesso, é essencial ter reumatologistas para isso e acho que todos concordamos que há realmente um déficit de reumatologistas em todo o mundo, e as Américas não são exceção a essa regra, e basicamente estamos por iniciar um programa este ano de apoio a programas de treinamento em todas as Américas, fornecendo recursos para poder criar novos cargos de treinamento e, novamente, vamos iniciá-lo, mas a ideia é que ele continue crescendo e crescendo, e que a PANLAR seja um fator importante para ser capaz de aumentar e melhorar o acesso à reumatologia não apenas por meio dos nossos cursos de educação, nossos esforços com os pacientes, mas literalmente ajudando a treinar reumatologistas.

EF: O que esperamos para este ano no Congresso?

CL: Não tem sido fácil, mas decidimos que vamos a um congresso presencial. Na realidade, será o primeiro dos grandes congressos, a nível regional, a nível mundial, que o fará, pelo menos no nosso continente, presencialmente. E isso requer uma série de variáveis, porque realmente ninguém tem feito isso nos últimos dois anos. Desde estimar a presença, estimar o espaço, estimar que tipo de atividade pode ser feita, que tipo de atividade não pode ser feita.

Tentar prever como vai ser a questão da pandemia, embora pelo menos aqui nos Estados Unidos e na Flórida já tenhamos algum tempo de melhora em termos de atividades que podem ser feitas, os eventos esportivos acontecem há muito tempo, feitos pessoalmente e sem restrições. Acho que estamos bem encaminhados para podermos nos aproximar da normalidade.

E eu acho que é para ser feito a EULAR a ACR não fizeram, então a PANLAR tem que fazer, e não há nada de errado em sermos os pioneiros nisso, e eu acho que nós seremos os pioneiros em termos de voltar a o congresso presencial. E, novamente, muito apropriado porque acho que os nossos membros e a nossa comunidade adoram estar pessoalmente ao invés de virtualmente.

EF: Quais são as abordagens que eles terão agora, considerando também as mudanças que tiveram que ser feitas de acordo com a biossegurança, por que ainda estamos nessa mudança do virtual para o presencial?

CL: Claro que vai ter viagens envolvidas, vai haver tudo isso, e estamos tentando seguir as recomendações, aqui nos Estados Unidos pelo menos eles estão permitindo que mais e mais destas coisas aconteçam pessoalmente. Aqui na Flórida não estamos mais usando máscaras em restaurantes ou eventos, mas não há nada de errado em fazê-lo. Quem quiser faça e tome as suas precauções extras e, claro, toda a higiene e todas as coisas que aprendemos tanto nestes últimos dois anos e que são coisas boas em qualquer momento, não só em tempos de pandemia.

Ontem eu peguei um voo e as máscaras ainda são necessárias aqui nos Estados Unidos para voos, mas pode não ser necessária por semanas, mas não me parece uma má ideia, visto que sempre há alguém ao seu redor tossindo em um plano. Talvez a qualquer momento seja uma boa ideia usar essa máscara por algumas horas, apesar do inconveniente.

EF: Qual foi esse fator diferencial e esse plus que a PANLAR teve nos últimos anos?

CL: Bem, não sei se entendi a pergunta especificamente. Você quer que eu adote uma abordagem específica?

EF: O que você considera mais importante para nos mostrar.

CL: Se queremos seguir o caminho do que mudou e do que nos esforçamos para mudar, acho que isso não tem muito a ver com a pandemia, acho que essas duas mudanças são mudanças que foram muito importantes em termos do futuro da nossa organização e seria importante para qualquer organização nos dias de hoje.

Então estamos procurando por mais voluntários, expandindo nosso número de voluntários na comunidade PANLAR e acho que conseguimos fazer isso; também criamos um comitê dedicado à organização de eventos dentro da PANLAR para que não seja o Comitê Executivo ou o Conselho de Administração que esteja fazendo isso. Temos um comitê organizador para eventos da PANLAR que se alternará a cada poucos anos, mas a cada ano terá alguns novos membros e manterá alguns dos seus antigos membros. Tentamos garantir que este comitê tenha membros que representem à PANLAR, não apenas em termos regionais, que a PANLAR sempre tem sido eficaz e bom nesta capacidade, mas em termos de diversidade de gênero.

E tivemos uma grande participação de pessoas que antes talvez não ocupassem cargos tão importantes dentro da PANAR, mas agora, de certa forma, acrescentamos o nosso grupo não só de voluntários, mas de lideranças. E nos últimos três congressos da PANLAR o nosso presidente do comitê organizador ou o presidente da organização do congresso foram mulheres, então eu acho que isso é um avanço muito, muito importante. Não só ter mais voluntários e ter diversidade de idades, que sempre tivemos, e diversidade de regiões, que sempre tivemos, mas também que exista essa diversidade de gênero.

A realidade é que a reumatologia está evoluindo para uma especialidade onde, pelo menos aqui nos Estados Unidos e em muitas partes das Américas, a maioria dos médicos são mulheres. Então temos que ser representativos disso, e se não formos, prejudicaremos a organização e as ideias e novas iniciativas que viriam daquele grupo e não teríamos de outra forma.

EF: Que desafios temos como região?

CL: Um desafio importante e que sempre esteve lá, e acho que continua nestes tempos de pandemia e de variáveis ​​econômicas, infelizmente ainda temos isso, no período pós-pandemia vamos dizer, é que nem sempre temos todos os recursos que gostaríamos de ter. E nem sempre temos o mesmo suporte em termos de atividades educacionais da indústria que você teria na Europa, por exemplo, ou na América do Norte, e assim por diante. Ou seja, esse é um desafio que acho que vai continuar e o próximo presidente terá que continuar o esforço para que o apoio à reumatologia latino-americana não venha necessariamente dos escritórios regionais, mas sim do escritório global da Pharma, por exemplo, que é onde há realmente um imenso número de recursos e onde as reuniões ACR ou EULAR encontram-se apoiadas.

Acho que realizar um congresso anual e fazê-lo em grande estilo e fazê-lo presencialmente como estamos fazendo nos ajuda a aumentar essa visibilidade e obter o maior apoio possível de onde existem os recursos para apoiar à educação, apoiar à ciência que na verdade, é claro, os médicos têm que nos apoiar, os pacientes têm que nos apoiar, mas na realidade precisamos que a indústria farmacêutica nos apoie cada vez mais.

EF: Doutor, muito obrigada por este tempo e por ter participado do videoblog Global Rheumatology.

CL: Muito obrigado, Estefania, e muito obrigado à Global Rheumatology. É sempre um prazer estar com vocês.

 

enviar Envía un artículo