Gabo e Medicina, o que a literatura tem a nos oferecer no PANLAR 2024

Por :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

10 Abril, 2024
views 143views

E - ISSN: 2709-5533
Vol 5 / Ene - Jun [2024]
globalrheumpanlar.org

Cobertura PANLAR 2024

Gabo e Medicina, o que a literatura tem a nos oferecer no PANLAR 2024

Autor: Estefanía Fajardo: Jornalista de ciência para Reumatologia Global por PANLAR, estefaniafajardod@gmail.com

DOI: https://doi.org/10.46856/grp.233.ept190

Citar como: Fajardo E. Gabo e Medicina, o que a literatura tem a nos oferecer no PANLAR 2024. Global Rheumatology. Vol 5/ Ene - Jun [2024] Available from: https://doi.org/10.46856/grp.233.ept190

Data de recebimento: 27 de Março / 2024
Data aceita: 26 de Março / 2024 
Data de Publicação: 10 de Abril / 2024


Juan Valentín Fernández de la Gala falará sobre Os Médicos de Macondo, uma pesquisa que aborda a Medicina na obra do Nobel colombiano. Além disso, ele liderará uma oficina de narrativa direcionada aos participantes do Congresso Pan-Americano.


EF: Olá a todos e bem-vindos a um novo videoblog da Global Rheumatology, onde estaremos abordando tudo o que o Congresso Pan-Americano PANLAR 2024 nos traz, que acontecerá em Barranquilla.

Estamos com o doutor Juan Valentín Fernández de la Gala. Doutor, bem-vindo, e conte-nos sobre sua presença no PANLAR 2024, como será?

JF: Muito bem, então bom dia, boa tarde, boa noite, dependendo de como os espectadores nos ouvem. O que tenho a dizer é que estou aqui por convite expresso do Comitê Científico, que sei que valoriza não apenas a presença no Congresso das mais recentes pesquisas reunidas. Não apenas na pesquisa reumatológica e na prática clínica, mas também valorizaram a importância das raízes humanísticas de nossa profissão, que desde os tempos de Hipócrates, o próprio Hipócrates não sabia muito bem se definir como uma ciência e tendia a defini-la mais como uma arte.

Minha participação consistirá na conferência de abertura e em uma oficina de estratégias narrativas. Ambos terão uma linha transversal em comum, que é tentar extrair das humanidades tudo o que nos ensinaram, continuam a nos ensinar e podem continuar a nos ensinar. E, é claro, o objetivo fundamental de participar deste Congresso da PANLAR é aprender reumatologia, porque, de alguma forma, os problemas reumatológicos, com os problemas respiratórios, são os mais solicitados na atenção médica primária. E, como se isso não bastasse, também me serviria para lembrar minha época de estudante universitário, onde as aulas de reumatologia eram particularmente reveladoras, porque nos davam uma visão sistêmica do organismo. Ou seja, não se tratava apenas de patologias dos ossos e articulações, mas também era fundamentalmente um estudo que envolvia o metabolismo do cálcio e do fósforo, a autoimunidade e os complexos processos envolvidos. E até mesmo a psicologia, o mundo, a esfera psicológica do paciente, que muitas vezes pode ser a causa do agravamento dos sintomas.

EF: Doutor, teremos a conferência inaugural sobre a medicina e os médicos na hora de Gabriel García Márquez... Gabo, Caribe, medicina, uma mistura que certamente será maravilhosa e encantadora no contexto de estar ao lado do rio Magdalena e em Barranquilla.

JF: Certamente, uma cidade tremendamente ligada a Gabo. O que proponho nesta conferência inaugural é uma ponte, mais uma vez, uma ponte entre as ciências e as humanidades. Uma das coisas que lembro muito é que quando comecei este trabalho, que é minha tese de doutorado, uma coisa que me chamou muito a atenção foi o rigor extraordinário com que Gabriel García Márquez abordava os problemas médicos. Há descrições toxicológicas, por exemplo, que são brilhantes, como as que abrem o Amor nos Tempos do Cólera, a intoxicação por cianureto, e então uma vez tive a oportunidade de encontrar Gonzalo, o filho mais novo de Gabo, e aproveitei e perguntei a ele, Gonzalo, que médicos consultavam? Quem era o médico que assessorava seu pai? Porque, obviamente, ele, como jornalista, não precisava ter esse conhecimento exaustivo da matéria. E então ele me decepcionou totalmente porque disse, “meu pai não tinha um médico consultor”. O que realmente me preocupou porque sustentava todo o trabalho de pesquisa da minha tese de doutorado. “Meu pai”, ele disse, “não tinha um médico consultor". Ele tinha uma equipe médica completa de ginecologistas, psiquiatras, clínicos gerais, pediatras, a quem dava trabalho de dia e de noite e ligava em horas inconvenientes para perguntar, como poderia eu matar esse personagem, mas que ele dure três capítulos? Ou, como poderia matá-lo, mas que ele morra rapidamente como uma nota de rodapé?

JF: E é basicamente isso que mostramos em Os Médicos de Macondo e reservamos algumas surpresas que talvez interessem aos ouvintes.

EF: Além disso, estaremos juntos em uma oficina sobre estratégias narrativas na ciência, redação de artigos científicos impactantes, onde exploraremos como a narrativa melhora a comunicação científica. Eu, como comunicadora, tenho muitas expectativas, mas gostaria de saber de você, como médico, o que espera apresentar aos seus colegas sobre esse tema?

JF: Bem, como em qualquer oficina, onde o importante não é a comunicação de conhecimentos teóricos, mas sim fazer coisas juntos na prática, eu vou com toda humildade do mundo. Ou seja, eu vou aprender, aprender com você, que é uma profissional da comunicação e, portanto, tem muito a contribuir nesse sentido, e aprender com todos os meus colegas médicos, porque de certa forma os médicos também são especialistas em arte narrativa.

Havia um médico espanhol, o Dr. Gregorio Marañón, criador do campo da endocrinologia na Espanha, que sempre dizia, "a maior invenção da medicina não são nem os antibióticos, nem a radiografia, a maior invenção da medicina é a cadeira". A cadeira, Dr. Gregorio? Como pode ser a cadeira a maior invenção da medicina? Sim, ele dizia. E também dizia, "porque é o lugar onde o médico e o paciente se encontram e estabelecem o diálogo entre eles".

O ambiente onde isso acontece é chamado de consulta, que também é uma palavra que alude a um diálogo. Um diálogo quase socrático. Os médicos, embora pareça mentira, também contam histórias. Nossas histórias se chamam histórias clínicas. E, além disso, com uma particularidade. E é que eu acredito que provavelmente são das histórias mais famosas e sinceras no mundo de mentiras em que vivemos hoje, ainda podem ser contadas porque é um lugar onde você se sincera e expressa sua máxima confiança entre o médico e o paciente, e talvez contamos ao médico coisas que nem mesmo aos familiares mais próximos podemos contar em algumas ocasiões. Eu considero importante extrair todas essas ferramentas que trazemos da literatura da comunicação, mas o exercício da medicina como está sendo proposto neste momento e em diferentes áreas.

EF: Quais ferramentas você acha, como prelúdio de tudo o que nos trará para o PANLAR 2024 e também para atrair muitos para esta oficina que vamos propor, e para a conferência inaugural, quais são as três ferramentas-chave que um médico deveria ter em mente?

JF: São muitas as ferramentas que podemos colocar em jogo, mas se me pedir três, Estefanía, eu diria que fundamentalmente são: em primeiro lugar, a habilidade para a medicina é fundamental para captar a atenção de quem nos ouve. Em segundo lugar, a clareza, e em terceiro lugar, a simplicidade captar a atenção, é algo que podemos aprender até mesmo dos grandes oradores da antiguidade clássica como Cícero, por exemplo, que se preocupava muito com o que ele chamava de captatio, ou seja, dedicava uma grande parte do discurso a chamar a atenção dos ouvintes para o que ia dizer. Na verdade, até os latinos têm um caso especial em suas declinações chamado vocatio, chamar a atenção do outro, e García Márquez em sua arte magnífica e tremendamente sedutora no manejo das palavras é muito o que nos pode ensinar. Retiramos algumas lições sobre a arte narrativa de Gabo e como podemos aplicá-la ao nosso mundo da pesquisa e da divulgação científica sobre a clareza, lembrar um pouco do que dizia Ortega y Gasset, a clareza é a cortesia do filósofo. E sobre a simplicidade, bem, algo muito simples, e é que acho que é algo que os médicos devem aprender muito. Com frequência, somos acusados de não ser suficientemente claros ao explicar suas patologias aos pacientes. Devemos evitar, tanto na comunicação com o paciente quanto em nossa comunicação científica, os escritos científicos de pesquisa, as revistas científicas, devemos evitar os circunlóquios, devemos evitar os barroquismos sintáticos e buscar um exercício muito mais simples. Na Medicina, isso é fundamental não apenas para escrever um artigo científico, mas também para divulgar, como você faz, em qualquer meio de comunicação, ou mesmo para falar com nossos pacientes, ou falar com nossos alunos.

EF: Doutor, muito obrigado e estaremos muito atentos a tudo o que será esta conferência inaugural e tudo o que nos trará com esta oficina. E então só nos resta dizer, nos vemos em Barranquilla.

JF: Exatamente, nos vemos em Barranquilla de 10 a 13 de abril

enviar Envía un artículo