O caminho para o novo planejamento estratégico do PANLAR

Por :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

19 Abril, 2023
https://doi.org/10.46856/grp.233.e168
views 379views

 

E- ISSN: 2709-5533
Vol 4 / Jan - Jun [2023]
globalrheumpanlar.org

Videoblog

O caminho para o novo planejamento estratégico do PANLAR

Autores: 
Estefanía Fajardo: Periodista científica. Correo: estefaniafajardod@gmail.com 
Dr Miguel Albanese: Presidente PANLAR. Correo: mao57@hotmail.com
 

DOI: https://doi.org/10.46856/grp.233.e168  

Cita: Fajardo E, Albanese M. El camino hacia la nueva planeación estratégica de PANLAR. Global Rheumatology.  Vol 4 / Ene - Jun [2023]. Available from: https://doi.org/10.46856/grp.233.e168

Data de recebimento: Março 24, 2023
Data aceita: Abril 14, 2023
Data de Publicação: Abril 19, 2023


Neste videoblog o Miguel Albanese, presidente da PANLAR, menciona a linha de trabalho proposta e os desafios para o futuro da sociedade e da pesquisa na PANLAR, tendo como principal objetivo o trabalho conjunto entre pesquisadores, médicos e pacientes.


Estefanía Fajardo: Olá a todos e bem-vindos a um novo videoblog da Global Rheumatology, onde abordaremos todos os temas que serão discutidos no PANLAR 2023. Hoje estamos com o Dr. Miguel Albanese, presidente da PANLAR, quem falará sobre todos os desafios que existem, de tudo o que foi construído, o que temos neste momento e para onde vamos, tanto no Rio quanto no futuro, que será Barranquilla. Doutor, seja bem-vindo.

Miguel Albanese: É um prazer estar com vocês, discutir as informações e divulgar mais sobre o que é esta bela tarefa da comunidade onde todos trabalhamos para uma reumatologia melhor nas Américas. Assim é a PANLAR, uma história que navega há 80 anos por mais e uma melhor reumatologia, cada vez com maiores desafios, cada vez com novos atores, onde o culto mais importante é devolver uma reumatologia mais digna para todos na qual o reumatologista seja um executor digno e acima de tudo o paciente seja um destinatário digno do conhecimento estratégico e de tudo que a reumatologia está trazendo para o século XXI. Obrigado por me permitir estar com você, e vamos começar.

Estefanía Fajardo: Inicialmente, vamos falar sobre o que foi construído e o que está planejado para ser feito a partir disto em termos de quem faz parte da PANLAR.

Miguel Albanese: Linda pergunta por que às vezes, quando você assume posições como esta, você se pergunta por que estou aqui? e o que procuro, a minha pessoa e o que eu posso dar à organização. A PANLAR há 8 décadas foi sonhada e acredito que o essencial tem se mantido desde o primeiro dia, unidos pela ciência e pelo coração porque não há nada mais importante do que o amor que temos por aquilo que cultivamos: a reumatologia. Olhe para mim como um reumatologista prático há muitos anos, você, como jornalista especializada com um foco na reumatologia, existe um certo amor por esta especialidade que ambos cultivamos, você com os seus projetos globais e o que você tem feito pelo jornalismo na reumatologia nas Américas é muito importante, assim como eu com o meu exercício.

Então, quando alguém herda ou recebe a gestão de uma administração de uma conquista de mais de oito décadas ou que chega a oito décadas, ele realmente tem desafios de zelar, respeitar, honrar aquela história. Cada um fez o melhor que pôde nas oito décadas anteriores e hoje temos que rearmar um pouco a estrutura para continuar navegando rumo ao futuro. Obviamente, desde 2016 a PANLAR montou uma estrutura que permitiria gerar mais e melhor conhecimento da reumatologia na América, especialmente na América Latina.

Para isto, foi gerado um plano de desenvolvimento que durou de 2016 a 2022 que foi trabalhado para reorganizar a estrutura, que baseou os conhecimentos de reumatologia, grupos de estudo, grupos de estudo poderosos, inovadores, grupos de estudo PANLAR jovem, onde a juventude foi injetando e amalgamando com pessoas comuns, mas também tentando mudar a inércia com que viemos. Passando de um latino-americano contemplativo para um latino-americano proativo, o que queremos dizer com isto? tentando gerar conhecimento na nossa realidade, tentando organizar e comunicar o conhecimento da forma mais acadêmica e perfeita possível.

Portanto, rearmando a cultura da reumatologia com orientações muito precisos, uma reumatologia que mostra evidências na América Latina, uma reumatologia que mostra a experiência dos latino-americanos combinada com as evidências da PANLAR.

Normas de regras claras de tratamento, como posturas ou guias de tratamento, elementos de ajuda, assistência às diferentes sociedades para alcançar um maior desenvolvimento e equilibrar as diferenças que possam existir entre umas e outras.

Todo este grande mundo é PANLAR, e temos que tentar nivelá-lo para tornar a reumatologia, como disse no início, mais digna com dignitários reumatologistas e pacientes para uma melhor qualidade de vida de todos os nossos amigos panamericanos.

Estefanía Fajardo: Anteriormente estávamos falando de uma árvore de desenvolvimento que levanta algumas raízes e a partir daí os ramos nos quais você deseja trabalhar estão vinculados. Conte-nos sobre isso.

Miguel Albanese: A abordagem estratégica foi uma reunião muito importante onde se trabalhou proativamente para três presidências, que foram a do Carlo Vinicio Caballero Uribe, seguida do Enrique Soriano e posteriormente a do Carlos Lozada, com quem puderam basear-se na história da reumatologia nestes 70 anos, 75 anos que se aconteceram, como elemento de ancoragem ao passado.

Algo que vive 70 anos vale a pena continuar vivendo, mas não podemos viver com o DNA dos 70 anos, devemos agregar inovação, esta é a ideia da árvore. A árvore é uma estrutura firme, com raízes profundas baseadas no conhecimento, é isso que herdamos. Tem um tronco que vem crescendo, embalado em uma liderança poderosa em diferentes reumatologistas que motivam, geram e estimulam ao resto a alcançar ramos e frutos poderosos.

Ou seja, a imagem da árvore ou a imagem de uma estrutura de renovação permanente com uma alimentação através dos produtos de todas as oportunidades que a ciência tem para avançar, e como toda a natureza cultivar. As árvores terão elementos favoráveis ​​no clima e elementos desfavoráveis, mas as raízes nos permitirão sustentar as tempestades que vierem e aproveitá-las para continuar crescendo.

Essa é a figura da árvore, que me parece muito prática e que vamos manter porque a árvore vai evoluir no futuro e os frutos da árvore, os que devemos tentar que sejam mais e melhores.

Estefanía Fajardo: Quais considera então seriam os principais desafios em questões como os doentes e a integração dos países?

Miguel Albanese: Hoje, a ciência e a cultura da medicina mudaram. Antigamente era quase gravitacional, eram hospitais assistenciais, hoje estamos falando de uma dupla médico-paciente, para isso temos que trabalhar o empoderamento do paciente, um paciente que sabe da doença que tem, um paciente que sabe o que está acontecendo, um paciente que sabe, na medida em que um paciente tem que saber, qual caminho seguir é um paciente que vai se  aderir melhor ao tratamento, que vai nos entender melhor e que vai ter uma evolução melhor. Convencido disto, a PANLAR está trabalhando na decisão compartilhada, capacitando ao paciente com a escola do paciente, ajudando aos médicos a trabalhar em centros de excelência, onde se faz um diagnóstico correto e precoce, um acompanhamento adequado com uma medição adequada da evolução da doença e com as mudanças na estratégia medicamentosa acordada para o paciente, chamada de decisão compartilhada, para alcançar os melhores benefícios.

Hoje consideramos ao paciente um grande parceiro, um aliado, e não um súdito. Esta é a diferença neste momento da medicina, onde falamos de evidências e falamos de um paciente que orientamos sobre o que é melhor para a sua evolução de acordo com o que é real, sabemos e entendemos, e novamente, também trabalhamos como uma equipe, equipe de médicos, grupos de excelência, equipes de doentes, escola para doentes, escola para familiares.

Há poucos dias acabamos de passar o Dia da Artrite Idiopática Juvenil, onde os pacientes foram empoderados. Reparem que hoje é difícil ter um filho de poucos anos com uma doença totalmente incapacitante, e como é difícil, mas também como é bom ter pais que sofrem igualmente e outros médicos idôneos que aconselhem segundo isto, o que é menos mau e é também a melhor evolução para os nossos filhos.

Olha, tudo isso é muito evolutivo, mas é esta seiva que a gente quer colocar na árvore, mais e melhores iniciativas, estratégias. E isso também visa a advocacia que é para ter acesso às diferentes tecnologias e diferentes novas moléculas, para que primeiro os reumatologistas conheçam melhor da sua origem, sua evolução, do como vêm, para onde vão e quando são aplicadas; que os governos saibam da importância de não ser um gasto, mas um investimento em saúde; e como atingir à sociedade toda de forma equitativa e igualitária. Este é o trabalho da advocacia, aí você tem que pedir de forma fundamentada, mas sustentada e firme para alcançar o benefício de todos.

Estefanía Fajardo: Antes você falava de algo muito importante que é a cultura da ciência e da pesquisa, que planos existem para que a PANLAR seja diferente de outras organizações do mundo?

Miguel Albanese: Obviamente, em primeiro lugar, acho que a América Latina tem muito a oferecer, sendo muito próxima ao American College of Rheumatology, mesmo sendo os irmãos do norte, os latinos do México e do sul temos também a mistura de raças e culturas que também nos torna originais. E então a primeira coisa que temos é que também somos europeus, alguns de nós vêm da Europa, transplantados para cá, e temos então aquela cultura dos emigrantes da Europa, do American College, e a nossa relação mestiça na América que temos que amalgamar para alcançar o melhor. Acreditem que é uma joia poderosa em termos de iniciativas em termos de inventividade. A PANLAR está fortemente associada e alinhada com os pacientes, o que nos torna uma sociedade muito competitiva e muito diferente do resto da América. A ACR faz parte da PANLAR, a ACR tem a tecnologia e a inovação, a PANLAR também vai inovar no acesso ao paciente, inovar na escola do paciente, vai inovar em ter pacientes solidários, vai inovar na comunicação, vai inovar na revista para os pacientes, ou seja, o paciente é nosso parceiro e o paciente é a nossa real razão de existir dentro da ciência reumatológica. Somos médicos que estudam a reumatologia com um importante senso de solidariedade para com o paciente que sofre, a PANLAR tentará tudo isso. A joia está chegando para tentar continuar promovendo a partir desta administração e as que vierem.

Estefanía Fajardo: Sabemos que o PANLAR 2023 está chegando no Rio.

Miguel Albanese: Obviamente para Rio de Janeiro, já tínhamos vindo de um congresso 100% presencial em Miami onde quebramos a inércia de dois anos de distanciamento, obviamente o covid passou. Nos trouxe muita dor pelas perdas que tivemos, nos deixou muito, mas toda essa grande perda também trouxe tecnologia, trouxe inovação, trouxe telemedicina, temos que continuar trabalhando na telemedicina como um elemento de acessibilidade onde podemos levar ao reumatologista onde não temos, com o trabalho remoto estamos chegando a muitos lugares e bem-vindo seja. Temos as escolas PANLAR, temos o webinar PANLAR, temos a revista PANLAR. Temos que continuar incorporando toda essa tecnologia, gerenciando e socializando, como também é um desafio no Rio de Janeiro aprendermos a usar mais essas grandes ferramentas que temos para disseminar conhecimento, tanto para quem tem que publicar quanto para quem que tem que se alimentar.

Uma das primeiras mudanças que almejo é que a Global Rheumatology seja uma referência para todos aqueles que estão se formando em reumatologia, que seja o nosso primeiro diário de conhecimento evolutivo na reumatologia, é uma ambição suprema e temos que começar a trabalhar nisso agora no Rio. Um congresso muito equilibrado, um congresso muito forte em tecnologia, em conhecimento, uma contribuição forte do Brasil, que é o nosso anfitrião, onde vamos mostrar muitos dos colegas brasileiros que têm um valor acadêmico muito bom, onde estão outros colegas do continente que nos ajudará também.

É um PANLAR bem diferente que começa a mostrar os pontos fortes dos nossos pacientes amalgamados com o American College of Rheumatology que dá a sua contribuição e, claro, EULAR com as suas contribuições. Somos apenas uma parte do mundo, mas para nós o mundo inteiro é nossa parte, então o Rio de Janeiro também vai ter uma reunião de planejamento estratégico onde vamos tentar formar essa árvore que herdamos com os seus frutos, veja como continuamos a cultivar a nossa árvore, onde vamos alimentá-la mais, o que temos que melhorar, vamos fazer um balanço dos últimos seis anos, três períodos.

Vamos ver o que de bom nos deixou, vamos ver onde podemos modificar para continuar crescendo, obviamente nos deixa com um importante mecanismo de divulgação como a Global Rheumatology, nos deixa com 23 grupos de estudo funcionando em alguma forma, deixa-nos mecanismos de posicionamento e deixa-nos com uma unidade de investigação e desenvolvimento que pensamos devemos aperfeiçoar para conseguir a escola de reumatologia e fazer medicina baseada na evidência, a ter projetos que possam ser mensuráveis, repetíveis e que derem ao nosso trabalho uma qualidade superior e fazer um trabalho de qualidade cada vez maior. Obrigado

Estefanía Fajardo: Doutor, muito obrigado e muito obrigado a todos. Continuaremos aqui com a cobertura do PANLAR 2023

enviar Envía un artículo