Global Rheumatology: o balanço do primeiro aniversário e os desafios que virão no mundo das publicações científicas

Para :
    Carlo V Caballero Uribe MD
    Editor en Jefe Global Rheumatology by PANLAR

    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

20 Setembro, 2021
https://doi.org/10.46856/grp.233.e097
views 308views

Neste videoblog falamos sobre os desafios e a importância das publicações científicas, bem como da identidade pan-americana da GR pela PANLAR para trazer a pesquisa do nosso continente ao mundo.

 

Transcrição

 

EF: Olá a todos e bem-vindos ao novo videoblog da Global Rheumatology, onde falaremos sobre diversos tópicos. Hoje, justamente, falaremos do primeiro aniversário desta revista Global Rheumatology, estamos com o Dr. Carlo Vinicio Caballero, editor-chefe da revista. Doutor, seja bem-vindo.

 

CVC: Olá, Estefanía. Tudo bem? Saudações a você e a todo o público da Global Rheumatology.

 

EF: Conte-nos, como surgiu a ideia da Global?

 

A Global Rheumatology é uma ideia que tem sido pensada há muitos anos pela PANLAR, como ter um medio de difusão contemporâneo e que aportasse alguma coisa dentro do universo das revistas de puclicações científicas, que existia não apenas na região como também no mundo. Por meio desse processo, pensamos no que deveria ser feito.

 

E é sabido, que nós temos um periódico oficial da PANLAR, que é o Journal of Clinical Rheumatology, não se tratava de competir com aquele periódico, mas sim de fazer uma proposta diferente para responder às questões que foram geradas no anos recentes neste campo das publicações em revistas científicas.

 

EF: Como foi todo o processo e desenvolvimento desta revista?

 

CVC: Eu diria que o mais importante é responder a muitas perguntas antes de ousar fazer a nossa proposta, que tipo de perguntas? Por exemplo, hoje em dia você vê que o acesso aberto é muito discutido, então se o acesso aberto seria feito ou não, os idiomas, você sabe que é algo importante para a região pan-americana, se a gente fizesse só em inglês ou a gente fosse trilingue, tendo em conta à população que a PANLAR atende principalmente, a liga e a revista; Também tivemos que levar em consideração outros fatores se for escrito ou não, se seria apenas online ou não ... foram muitas perguntas que tivemos que responder a nós mesmos como sociedade, como associação, como liga, para poder produzir um produto que tivesse um diferencial do que havia no mundo das publicações no nosso continente.

 

EF: De tudo isso, então, o que a revista Global Rheumatology aponta?

 

CVC: Acho que o que decidimos foi fazer um novo produto, algo diferente, um novo tipo de revista. Definimos mesmo no editorial há um ano como a primeira de uma nova geração de revistas que, claro, tinha uma plataforma muito adaptada aos tempos modernos, também claramente que procurava combinar o que era tradicional da publicação científica e dos trabalhos de pesquisa, mas com uma parte que chamamos de Revista Notícias, de novidade, onde permanentemente as coisas que estão acontecendo são registradas quase em tempo direto. Estamos em um mundo muito mais, muito mais moderno que passa muito pelas redes e tudo isso, e isso parecia muito importante para nós.

 

E, por fim, uma revista pensada e focada nas novas gerações, não queríamos uma revista para as velhas gerações, embora todos possam lê-la, mas uma revista que seja acolhida e tomada pelas novas gerações como um produto próprio e diferencial que pode continuar a ser desenvolvido no futuro.

 

EF: Se te perguntassem qual é o diferencial desta revista, em uma frase, o que você diria?

 

CVC: Em uma frase é muito difícil, mas acho que a plataforma, digamos, é interessante o suficiente, porque uma plataforma online não é uma publicação tradicional e essa combinação que tem entre a parte de pesquisa, onde aparecem os trabalhos científicos relatados por todos os grupos do continente, e a parte atual onde estamos permanentemente registrando o que está acontecendo no mundo da Reumatologia.

 

Parece-me que isso, junto com os componentes multimídia como este videoblog, o podcast e outras coisas que desenvolvemos, e a linguagem, já que é uma revista que assumiu a tarefa titânica, eu acho, de publicar uma publicação em três idiomas espanhol, inglês e português, que será lançada em breve, acho que é um diferencial muito claro em relação a outras propostas que estão na revista no nível global, eu diria.

 

EF: Como vão as postagens?

 

CVC: Estamos muito felizes. Estamos no primeiro ano e você sabe que para, por exemplo, os periódicos começarem a ser indexados, eles têm que levar no mínimo dois anos de apoio, ou seja, que provem que conseguiram sustentar-se por dois anos. Estamos no primeiro, mas a plataforma tem um número de visitas bastante importante. Temos ao redor de 18.000 visitas por mês, o que é uma quantidade muito importante; Os artigos, que sempre são citados ou que estão com as suas métricas, temos permanentemente vários artigos acima de 1000, permanentemente vistos, e é uma revista que está apenas chegando e as métricas estão dizendo isso.

 

Como você sabe, também usamos uma combinação de métricas tradicionais com métricas alternativas porque pensamos a partir da filosofia com a qual a revista foi criada que elas são complementares e não inimigas.

 

EF: A pandemia significou algo novo para a Global?

 

CVC: Sim, claro. Acho que a pandemia foi uma oportunidade de ouro para lançar o projeto da Global Rheumatology. A pandemia realmente fez a transformação digital de que falamos muitos anos atrás se tornar uma realidade, e a Global foi projetada antes da pandemia para essa transformação digital.

 

Então chegou um veículo mais do que adequado para poder lançar e testar o conceito, e acho que é por isso que estamos obtendo os resultados. Observe também que, uma das coisas que não salientei na questão anterior é que a forma de navegação no site no início, o site da PANLAR é mais visualizado no computador do que no celular, a nossa revista é ágil pois, é adequada para todas as diferentes plataformas que você possui, é muito mais visitada no celular do que no desktop, ou seja, possui uma dinâmica bem diferente.

 

EF: Quais são as vantagens desta revista para a ciência que se faz no nosso país, nos nossos países, e qual o enfoque de investigação mais importante que aqui se apresenta?

 

CVC: Estamos claramente focados em aumentar a visibilidade da nossa produção científica. Na forma como a ciência é produzida existe realmente uma mecânica de produção científica e também alguns fatores econômicos, por exemplo, pesquisadores são pagos por publicações em periódicos dos diferentes sistemas nacionais de pesquisadores, etc. e por isso, procuram com frequência as revistas que já estão indexadas ou que possuem fator de impacto, porque isso afetará o que eles acabarão tendo na sua renda, salários ou como seu serviço se movimenta.

 

Mas essa não é a realidade da maioria dos latino-americanos, a realidade da maioria dos centros é que muitas pesquisas são próprias, não financiadas e são pesquisas sobre temas particulares da região de muito boa qualidade e não têm projeção internacional suficiente.

 

A revista é um excelente veículo para isso e, adicionalmente, a revista, por exemplo, decidimos torná-la de acesso aberto, ou seja, não há custo de publicação dos artigos porque, filosoficamente, também entendemos que o usuário final, principalmente quando se trata de publicações feitas com dinheiro público, todos têm o direito de conhecer as pesquisas que foram produzidas e não devem pagar, por isso decidimos torná-las gratuitas, para que o usuário não tenha que pagar, nem o autor. Também é uma vantagem para essa publicação ter uma visibilidade muito maior no campo científico.

 

EF: Como você acha que será a evolução da revista na sua área nos próximos anos?

 

CVC: Nunca se pode prever como vai acabar quando você introduz uma nova tecnologia ou uma nova maneira de fazer as coisas, os usuários são realmente aqueles que se apropriam da tecnologia e eles próprios definem quais são os usos e práticas que você deve fazer , você vai ver o que tem, mas sim, claro, é uma revista que está constantemente sendo publicada e estamos constantemente publicando artigos.

 

O tempo de produção editorial é menor para quem quer fazer, como falei antes, é nos três idiomas, não tem custo, e a plataforma permite chegar a muita gente, então acho que são coisas atrativas para as novas gerações, até, como eu disse, as gerações que estão um pouco mais velhas, pra falar bem, e se eu publicar na Global vou ter um alcance, estou fazendo também que a revista me alcance informações através dos boletins que são enviados, as informações estão chegando por meio da plataforma PANLAR, está cobrindo um nicho de comunicação muito importante do que a Liga Pan-Americana faz e qual é a sua produção científica.

 

EF: Quais são os desafios que você enfrenta atualmente?

 

CVC: Temos muitos desafios, como eu ia dizendo, é um processo de dois anos quando vamos começar a solicitar formalmente índices como o PubMed que muitos dos pesquisadores vão nos pedir, mesmo assim estamos já em todos os índices modernos que são de acesso imediato e existe um diário de acesso aberto. A revista tem todos os critérios que são necessários para que se possa falar que é uma revista séria, seu Comitê Editorial, tem o seu processo de publicação muito bem definido, é referendada, quase todos os seus artigos são, digamos, escritos por pares e sem cumprir aquele processo que é o tradicional utilizado em revistas científicas, nenhum artigo é publicado de forma que possamos garantir que o produto final é de boa qualidade.

 

Temos desafios na consolidação da nossa equipe de produção de revistas, a nossa equipe do Comitê Editorial está em constante renovação, aumentando os revisores, exigindo que cada um seja feito da melhor maneira, educando também ao nosso público. Agora recentemente no Congresso Pan-Americano tivemos dois simpósios importantes sobre o tema das publicações, para colocar na conversa todas as publicações científicas como veículo de expressão da ciência e, claro, para manter a publicação em inglês. Inicialmente começamos em espanhol, por ser a língua mais falada na região. Depois para o inglês, que nos permite aumentar o número de visitas, vai aumentando aos poucos e de 12 mil por mês passamos para 18 mil por mês e agora estamos aguardando o lançamento em português muito em breve, que vai abranger a área do Brasil, que é quase um subcontinente e que cada vez mais chega. Já está entre os 10 que mais visitaram a revista durante o Congresso Pan-Americano de Reumatologia e também estamos muito felizes com isso.

 

Todos estes desafios nos mantêm em movimento e nos mantêm com muita vontade de continuar fazendo as coisas certas por dentro e, finalmente,

 

EF: Que mensagens podemos enviar aos pesquisadores para acreditar nestas novas formas de publicar e vir para a Global Rheumatology também para publicar?

 

CVC: Sim, claro, você sabe que quando as coisas começam, as pessoas sempre se perguntam sim ou não, mas claramente estamos vendo isso com afirmações como a da Dora, que é uma afirmação de avaliação da pesquisa onde muitas das coisas que elas pedem ali, que haja uma investigação mais aberta, que o que se produz em todas as partes do mundo seja levado em consideração, que se dê importância ao que se gera em todas as partes do mundo, que haja uma globalização do conhecimento, e que as aplicações do que se produz se mostram úteis em cada uma das populações onde se encontram, o que lhe dá muitas oportunidades de crescimento.

 

Queremos revistas com artigos de excelente qualidade, que sejam desenvolvidos com todas as diretrizes que são solicitadas em qualquer outra revista que publique ciência na área da Reumatologia, mas que também tenha uma identidade e um enfoque pan-americano, que sejam úteis para os nossos pacientes, que são úteis para os nossos investigadores, que são úteis para as pessoas que lêem a revista, que não são necessariamente os investigadores. Portanto, este é um foco muito importante onde a identidade PANLAR está por trás do que estamos fazendo e onde a identidade da Global Rheumatology significa, e é por isso que colocamos o nome da revista, para colocar o Pan-Americano no contexto global, muito além das fronteiras.

 

EF: Bem, doutor, parabéns pelo primeiro aniversário da Global Rheumatology e muitos mais, que as publicações e todas as inovações que este tema de pesquisa e o continente precisam, é claro, continuem chegando.

 

CVC: Muito obrigado, Estefanía e muito obrigado aos que estão nos ouvindo. Vocês estão convidados a enviar o seu trabalho, a sua pesquisa. Continuaremos a fazer edições especiais, continuaremos a cobrir o Congresso Pan-Americano como fizemos na última oportunidade que tivemos no mês passado, e esperamos que muitas destas investigações que destacamos por meio da revista e que foram apresentadas nas sessões plenárias durante o congresso acabem sendo uma publicação da Global Rheumatology e, como eu disse, está na revista do presente para o futuro. Muito obrigado a todos.
 

enviar Envía un artículo