Introdução às diretrizes PANLAR: a arterite de Takayasu

Por :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

23 Agosto, 2022
https://doi.org/10.46856/grp.27.ept136
views 350views

A Dra. Emilia Sato relata o processo para alcançar estas diretrizes e os benefícios e impactos que se espera nos sistemas de saúde e atenção da região.


EF: Olá a todos. Bem-vindos a um novo vídeoblog da Global Rheumatology. Nesta ocasião falaremos sobre o que será o PANLAR 2022 e estamos com a Dra. Emilia Sato, quem apresentará as diretrizes pan-americanas da arterite de Takayasu. Doutora, bem-vinda.

ES: Olá. O meu nome é Emília Inoue Sato. Sou professora titular de reumatologia da Universidade Federal de São Paulo, Brasil. É um grande prazer estar aqui para falar um pouco sobre o que será o PANLAR 2022 após a pandemia, serão apresentados o primeiro encontro presencial e as guias da vasculite da América Latina, as primeiras guias.

EF: Qual a importância de termos guias pan-americanas?

ES: É muito importante. Já que as doenças, incluindo a vasculite, têm frequências diferentes em populações diferentes, a frequência de algumas vasculites é diferente na Europa, América do Norte, América do Sul e até na América Latina, a frequência de algumas doenças é diferente em diferentes países, por exemplo, a arterite de Takayasu é muito frequente no Brasil, mas não é frequente no Peru, por exemplo.

E os tratamentos das guias internacionais que são basicamente europeus ou americanos, falam de doenças sobre tratamentos que ainda não existem na América Latina. Então as orientações têm que ser adaptadas às doenças, às manifestações da doença como também às condições socioeconômicas daquele país e à acessibilidade dos tratamentos.

EF: Como foi o processo de construção destas novas guias?

ES: O processo de construção desta diretriz foi semelhante a todas as diretrizes do grupo de vasculites. Seguiu-se o método Grade, e foram feitas as perguntas PICO (population, intervention, comparation, outcome) porque as perguntas levam em consideração a população, a intervenção que é realizada, o comparador e o que chamamos de desfecho, que são os resultados, por isso são chamados de PICO.

Há um grupo de metodólogos, que pesquisou o que havia na literatura a partir das questões formuladas.

Os especialistas em questões de vasculite são pessoas que atuam na área de diversos países da América Latina e se uniram para construir estas guias, e os metodologistas foram coletar a literatura para responder a estas questões do PICO. Em seguida, novas reuniões, várias reuniões que foram realizadas entre os especialistas, para decidir se concordam ou não com alguma das orientações, das recomendações daquele grupo. Infelizmente, nem todos os aspectos que levantamos possuem dados na literatura. Portanto, também temos algumas recomendações baseadas nas opiniões dos especialistas e não na bibliografia devido à falta de documentos que abordem esse tema ou esse aspecto específico.

EF: Quem envolveu aos seus pesquisadores no processo, todo este trabalho?

ES: Para nós, foi a primeira guia latino-americana na área de vasculite, e acho que foi uma experiência muito rica, muito boa, porque reunimos grupos que trabalham na mesma área. Tentamos nos entender e entender as diferenças e semelhanças que existem entre os diversos países que compõem a América Latina e a própria PANLAR, que também seria na América do Norte, tivemos várias pessoas que moram aqui nos Estados Unidos também participando deste grupo e acho que temos visões diferentes ou condições de tratamento diferentes para as mesmas doenças. E temos que levar tudo isso em consideração para fazer recomendações ou guias. Isto foi muito enriquecedor para todos nós.

EF: Como região, com estas guias, como nos posicionamos em termos de pesquisa e avanços?

ES: A verdade é que temos que nos esforçar para ter uma maior participação nos palcos internacionais. Em primeiro lugar, temos que ter mais participação, porque há um número maior de pacientes latino-americanos com sua herança genética e condições de vida que é importante estudar na avaliação de um novo medicamento. Então isto é o primeiro. Em segundo lugar, devemos ter mais estudos, principalmente epidemiológicos, para saber quais são as diferenças nas doenças, aqui estamos falando de vasculites em diferentes países que compõem esse grande grupo que é a América Latina, e acho que também deveríamos ter alguns estudos específicos para nossa população. Este é um sonho a realizar no futuro.

Esta experiência de fazer as guias e recomendações é proporcionar conhecimento entre nós e também reconhecimento entre os grupos para que possamos trabalhar juntos no futuro.

EF: Isso mudará e permitirá melhorias no diagnóstico e tratamento na nossa população?

ES: Esta guia abordou principalmente o tratamento, não fizemos uma avaliação profunda do diagnóstico, técnicas e métodos diagnósticos, este será um trabalho posterior. Mas acho que sim, o tratamento vai permitir que os diferentes especialistas saibam o mínimo sobre essas doenças e tenham onde se basear para iniciar o tratamento e, também, sem dúvida, vai despertar a curiosidade das pessoas que utilizarão a guia para estudar um pouco mais sobre essas doenças. Esperamos que traga grandes benefícios para os nossos pacientes, e também podemos falar sobre os novos medicamentos que foram aprovados para tratar esta doença pelo que os nossos Ministérios da Saúde de diferentes países também podem estar interessados ​​em entregar estes medicamentos que geralmente têm um alto custo para a população ser tratada nos seus países, para os pacientes serem tratados no seus países.

EF: Doutora, muito obrigada por este espaço e por esta explicação.

ES: Foi um prazer estar com vocês.

Equipe das guias de vasculite:

  • Babini, Alejandra
  • Flores Suarez, Luis Felipe
  • Inoue Sato, Emilia
  • Magri, Sebastián J.
  • Saldarriaga-Rivera, Lina M.
  • Scolnik, Marina
  • Silva de Souza, Alexandre W.
  • Ugarte-Gil, Manuel F.
  • Unizony, Sebastián

Equipe de meteorologistas:

  • Acosta Felquer, M. Laura
  • Carlevaris, Leandro
  • Scarafia, Santiago
  • Vergara, Facundo
  • Zamora, Natalia

Unidade de pesquisa PANLAR:

  • Brance, M. Lorena
  • Fernández Ávila, Daniel G.
  • Soriano Guppy, Enrique R.

 

enviar Envía un artículo