Acompanhamento dos pacientes com doenças reumáticas tratados por médio da telemedicina síncrona

Para :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

13 Agosto, 2021
views 90views

Este trabalho, que será apresentado no PANLAR 2021, busca analisar a utilidade desse método de monitoramento de pacientes no contexto da pandemia covid-19 e o que será a pós-pandemia.


Transcrição

 

EF: Olá a todos, bem-vindos a um novo videoblog da Global Rheumatology, onde faremos uma série de entrevistas do que serão as palestras do PANLAR 2021. Estamos com o Dr. Javier Cajas. Doutor, seja bem-vindo.

 

LC: Muito obrigado, muito gentil.

 

EF: Doutor, sobre o que será a sua apresentação, as pesquisas que mostrará no PANLAR 2021?

 

LC: Bem, esta pesquisa é a continuação de uma observação de uma coorte anterior de pacientes que publicamos no jornal colombiano de Reumatologia, na qual acompanhamos um grupo de pacientes por três anos, tratados exclusivamente pelo método de telemedicina síncrona. E a ideia desta nova pesquisa é ver a utilidade desse método de monitoramento de pacientes após o advento da pandemia, a era pós-pandêmica.

 

Sabemos que estas ferramentas são importantes neste momento em que a chegada do vírus dificulta o atendimento nos centros de saúde, que os serviços de saúde entram em colapso. Portanto, queríamos investigar a utilidade desta estratégia de cuidado em pacientes, especificamente com artrite reumatoide. Esta é a ideia, acompanhar aos pacientes que entraram nesta coorte durante o ano após a declaração da emergência de saúde na Colômbia e, além disso, analisar os pacientes que foram incluídos após essa data, porque continuavam sendo adicionados pacientes ao programa de telemedicina que temos em Bogotá, e trabalha com cerca de 5 a 6 cidades na Colômbia.

 

EF: Com quantos pacientes esta análise foi feita?

 

LC: A coorte anterior tinha mais ou menos 2.000 pacientes, e esta nova, que é a análise que fazemos da artrite reumatoide especificamente, é feita com 190-195 pacientes que já estavam em acompanhamento e um número aproximado de 50 pacientes que são o novo grupo controle, ou seja, não é o grupo controle, são os pacientes que foram adicionados após a declaração da emergência de saúde.

 

EF: E quais foram os principais resultados, os principais achados que você teve após esta análise?

 

LC: Bem, os resultados foram semelhantes aos que encontramos no acompanhamento de três anos, que é um acompanhamento muito mais longo do que fizemos anteriormente, e que este método de telemedicina síncrona de cuidados de saúde foi útil na redução dos desfechos que há na artrite reumatoide, porque a conhecemos, levar os pacientes à remissão ou pelo menos à baixa atividade, então descobrimos que na era pós-pandêmica, alcançamos o mesmo objetivo, que é reduzir o número de pacientes com alta atividade e atividade moderada, aumentando significativamente o número de pacientes em remissão e baixa atividade, tanto em pacientes que já haviam sido tratados como em pacientes que entraram no programa novamente.

EF: A telemedicina é um tema que tem sido constante durante a pandemia, como foi este processo também e quais foram os principais fatores a levar em conta para que tudo funcionasse corretamente?

 

LC: Talvez para outros grupos médicos, outras instituições, a pandemia tenha sido um desafio, para o nosso grupo de telemedicina, talvez nem tanto porque era um grupo que já estava muito estabelecido, muito capacitado, então os protocolos de como era feito o atendimento na televisão já estavam implantados há anos, o programa funciona há cinco ou seis anos, então talvez o que houvesse fosse uma necessidade maior de aumentar o número de consultas para acessar ao serviço após a pandemia. Claro que gerou dificuldades porque se deslocar dificultava este tipo de atendimento mesmo, lembre-se que a telemedicina síncrona requer atendimento ao vivo, preferencialmente por videoconferência e neste caso, que é um serviço totalmente habilitado, exigia a presença do médico no local de emissão onde o exame físico é realizado.

 

Então, digamos que o desafio não foi tão grande para nós. Concluindo, o que vimos foi um aumento da necessidade do serviço.

 

EF: E qual é o convite que você faz a quem vê esta entrevista neste momento para assistirem às sessões destas apresentações, conhecerem estas investigações, estas análises e acompanhamentos que estão no marco do PANLAR 2021.

 

LC: O convite é para que vejamos que pesquisas também são feitas na nossa região, que na nossa região também estamos na vanguarda usando novas tecnologias de informação e telecomunicações como em outras regiões do mundo, como a Europa, os Estados Unidos e que pudemos demonstrar que estes tipos de serviços são úteis mesmo em países com dificuldades como os da América Latina e que podem ser uma fonte de cuidados alternativos para os nossos pacientes em tempos de pandemia ou mesmo depois dela acontecer.

 

EF: Doutor, muito obrigada por nos atender, muito obrigada por fazer parte desta cobertura da Global Rheumatology.

 

LC: Muito obrigado pela entrevista e muito obrigado à PANLAR pela oportunidade.

enviar Envía un artículo