Fatores preditivos em pacientes com AR para alcançar a remissão por meio das pesquisas online no cenário da pandemia

Para :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

13 Agosto, 2021
views 114views

Este será um dos trabalhos orais apresentados no PANLAR 2021 que visa analisar os cuidados de saúde através da virtualidade no quadro da pandemia covid-19.


 

Transcrição

 

EF: Olá a todos e bem-vindos ao novo videoblog da Global Rheumatology. Começaremos fazendo uma série de entrevistas sobre o que serão as palestras no Congresso PANLAR 2021. Estamos com o Dr. Wilson Bautista. Doutor, seja bem-vindo.

 

WB: Estefanía, bom dia, é um prazer cumprimentá-la hoje e também a todo o público da Global Rheumatology.

 

EF: Doutor, diga-nos o que apresentará no PANLAR 2021?

 

WB: Bem, em primeiro lugar, queremos agradecer ao Comitê Científico do PANLAR por aceitar este trabalho de pesquisa que preparamos no serviço de Reumatologia junto com todos os colegas do grupo de pesquisa durante o cenário pandêmico. É um estudo muito interessante onde avaliamos os fatores preditivos em pacientes com artrite reumatoide para alcançar a remissão da atividade da doença por meio da avaliação de questionários online, por meio de uma plataforma, nestes pacientes levando em consideração a situação que tivemos que viver durante o coronavírus, onde as consultas presenciais foram canceladas e tivemos que fazer uma avaliação remota ou virtual destes pacientes que devemos fazer rotineiramente no acompanhamento da doença.

 

EF: Doutor, com quantos pacientes foi feito e por quanto tempo foi este acompanhamento?

 

WB: Fazemos isto desde o ano passado, começamos mais ou menos em abril até o final de 2020 e incluímos mais de 600 pacientes que foram esses pacientes que responderam aos questionários. Enviamos a eles um link de resposta por meio de uma plataforma chamada Recap e os pacientes que responderam a estes três questionários foram o insumo que utilizamos para realizar este projeto de pesquisa.

 

Utilizamos principalmente três questionários, o primeiro é o Rapid 3, que nos permite avaliar a atividade da doença em pacientes com artrite reumatoide, avaliamos o questionário HAQ HQ, que também nos permite avaliar o estado funcional do paciente e, no componente emocional, utilizamos o questionário que nos permite avaliar a presença ou ausência de sintomas emocionais, principalmente ansiedade ou depressão.

 

EF: Levando em consideração que estávamos em uma pandemia e que a questão da saúde mental era importante nesta questão emocional, quais foram os principais achados ou respostas que você também levou em consideração?

WB: Sim, Estefanía, foram, digamos, resultados muito interessantes que tínhamos hipotetizado que sairiam com o resultado deste trabalho de pesquisa e que, finalmente, o verificamos.

 

Observamos uma alta frequência de sintomas emocionais nestes pacientes medidos pelo questionário, onde encontramos scores muito altos nestes pacientes e presumimos claramente que estes resultados não se deviam apenas à doença de base, mas também ao contexto epidemiológico que tínhamos e estavam experimentando no ano passado, em 2020, então pudemos concluir que esta carga do impacto emocional em pacientes com artrite reumatoide foi muito significativa e que provavelmente aumentou no contexto da pandemia e isso também foi associado como um preditor de atividade da doença. Em outras palavras, os pacientes que apresentaram maior distúrbio emocional devido a sintomas de ansiedade ou depressão foram os que menos conseguiram controlar a atividade da doença.

 

EF: O tema virtual tem sido uma constante e podemos perceber isso até nos congressos, como foi esse processo de passar de receber pacientes e vê-los fisicamente para esse tema da virtualidade? tanto que gerou este tópico para vocês apresentarem.

 

WB: Sim, Estefanía. Digamos que a situação biológica do ano passado nos fez modificar tudo o que estávamos fazendo no ambiente clínico, no acompanhamento destes pacientes de forma muito abrupta. Tivemos que modificar essa forma de avaliar aos pacientes e passar daquela presença do 100% como fazíamos tradicionalmente, para cenários onde a virtualidade ganhou maior importância, então do ponto de vista do grupo de trabalho de nós reumatologistas mudou, ainda neste ano persiste e, provavelmente, pensamos que isto persistirá também por muitos anos de forma híbrida, tanto presencial como virtual, e esse impacto não tem se refletido apenas na área da saúde, mas também do ponto de vista dos pacientes, se levarmos em conta que muitos deles não estavam acostumados a usar rotineiramente dispositivos eletrônicos ou responder pesquisas ou questionários online.

 

Para eles também significou uma mudança abrupta à qual tiveram que se acomodar e adotar dentro daquele processo do novo normal, ali a parte educacional foi essencial na qual nós, como um grupo, também fazíamos pílulas educacionais e enviamos informações continuamente para apoiar aos pacientes nesta transição abrupta que esta situação nos deixou.

 

EF: Doutor, o que vem a seguir? Vocês vão continuar fazendo este estudo levando em consideração que agora continuamos com a questão do covid, com a vacinação e, justamente, com o pós-covid, ou que segue?

 

WB: Há um caminho muito interessante pela frente, Estefanía. E, neste cenário, temos também várias linhas de pesquisa com o objetivo de gerar dados que nos permitam avaliar, a implementação desta estratégia virtual, a primeira delas, é para aumentar o tamanho da amostra incluindo mais pacientes que respondem a estas pesquisas de forma virtual e, portanto, fazer uma análise muito mais robusta do ponto de vista estatístico com um tamanho de amostra mais representativo.

 

O segundo passo que também queremos fazer é uma comparação entre dois grupos, um grupo de pacientes avaliados virtualmente, como é o objetivo deste trabalho, e o segundo, compará-lo com pacientes avaliados presencialmente. Queremos fazer uma comparação entre estes dois cenários, virtualidade e presencial, e observar ou estudar se há algum tipo de diferença em relação ao alcance dos objetivos terapêuticos nestes pacientes e, sobretudo, avaliar o que podemos melhorar. no cenário da virtualidade para nos aproximarmos um pouco mais do que é aquele cenário presencial.

 

E a terceira linha também é otimizar mais questionários ou validar outros questionários em espanhol que também são usados ​​para acompanhar esses pacientes com artrite reumatoide, de repente procurando por formulários muito mais curtos ou questionários mais curtos que demoram menos para os pacientes preencherem, pois é diferente responder a um questionário, na frente do médico e outra bem diferente responder agora, por exemplo a partir de um tablet ou telemóvel, especialmente se o número de perguntas for muito longo e caro.

 

EF: Por fim, o convite a todos os que estão assistindo a esta entrevista para participarem das sessões do PANLAR 2021.

 

WB: Claro, Estefanía, um convite a todo este público virtual e leitores da Global Rheumatology para participarem de forma muito ativa em todas as sessões acadêmicas deste congresso PANLAR 2021, que portanto terá um conteúdo muito interessante e de alto nível científico, e também para convidá-los a participar da apresentação de trabalhos orais e pôsteres que, é claro, nos oferecerão informações muito importantes e de aplicação na prática clínica para todos os membros da comunidade.

 

EF: Muito obrigada por este tempo para a Global Rheumatology.

 

WB: Para você, Estefanía. Muito obrigado e, mais uma vez, uma saudação muito especial a toda a equipe Global.

enviar Envía un artículo