Remissão e baixa atividade observada em pacientes com LES

Para :
    Estefanía Fajardo
    Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.

13 Agosto, 2021
views 191views

No PANLAR 2021, um estudo de acompanhamento será apresentado a uma coorte de pacientes para levantar estes dois conceitos do mundo médico, mas também levando em consideração a participação e os sentimentos dos pacientes com LES.


 

Transcrição

 

EF: Olá a todos e bem-vindos a um novo videoblog da Global Rheumatology, onde faremos uma série de entrevistas sobre as palestras que faremos no Congresso PANLAR 2021. Estamos com o Dr. Manuel Ugarte. Doutor, seja bem-vindo.

 

MU: Muito obrigado pelo convite.

 

EF: Doutor, diga-nos, sobre o que é a sua apresentação no PANLAR 2021?

 

MU: Desta vez, vamos mostrar os dados da coorte que temos aqui, e o que vamos analisar é o impacto da remissão e da baixa atividade nos resultados relatados pelos pacientes com lúpus. Qual é a ideia aqui? remissão e baixa atividade como conceito têm sido levantados do ponto de vista médico, ou seja, é uma definição eminentemente médica, na opinião do médico o paciente está bem controlado e recebendo medicamentos seguros, mas não inclui o opinião do paciente e há uma série de explicações para que ele não tenha sido incluído.

 

O que queremos saber é se o que chamamos de remissão ou baixa atividade está associado ao fato do paciente realmente se sentir melhor, então procuramos alguns índices que já foram validados, que é o índice de atividade da Fundação Lúpus medido pelo paciente, que é para medir a fadiga e qual é o índice produtivo do trabalho para ver como estes estados impactam na produtividade do trabalho.

 

Basicamente, o que encontramos é que tanto a remissão quanto a baixa atividade estiveram associadas a uma melhor percepção do paciente, ou seja, o paciente sentiu que tinha menos atividade da doença. O paciente sentia que tinha menos cansaço e em termos de produtividade do trabalho basicamente era a remissão que estava associada à melhor produtividade do trabalho, há baixa atividade, não houve sucessão.

 

EF: Por quanto tempo esta medição e acompanhamento foram feitos?

 

MU: A coorte tem oito / nove anos até agora, mas esta análise é basicamente das visitas entre 2019 e 2020, digamos, porque com a pandemia já havia interferência em tudo o que acontecia.

 

EF: Exatamente, como fizeram durante a pandemia?

 

MU: Bem, na questão da pandemia, como os pacientes já conheciam estes índices, digamos, pudemos manter toda a parte dos desfechos relatados pelos pacientes, mas por exemplo, neste índice da Lupus Foundation, tínhamos comprovado anteriormente que este índice se correlaciona bem com o que o médico percebeu, então temos conseguido continuar tratando um pouco com base no que eles relataram e em alguns que são dados de laboratório, principalmente no primeiro ano da pandemia onde aqui em Lima quase nada foi presencial, então tínhamos que confiar nos nossos pacientes e, felizmente para nós, como eles já conheciam os instrumentos, era muito mais fácil saber que estávamos falando sobre a mesma coisa, que quando, por exemplo, dizíamos que se tinha dores nas articulações, eles já sabiam que tipo de dor ou que tipo de edema e sabiam se era da articulação ou se estavam retendo líquido.

 

EF: E o que segue depois desta investigação? Você planeja fazer outro estudo com esta coorte?

 

MU: Sim, de fato, com um destes índices da Fundação Lupus temos financiamento da PANLAR para ver o impacto nos danos, que idealmente deveriam ter sido realizados entre 2020 e 2021, mas devido à pandemia foi necessário reprogramar e que espero que termine até 2022 porque já o reiniciámos, por isso se tudo correr bem, devemos terminá-lo.

 

EF: Por fim, doutor, que convites o senhor faz a quem nos vê nesta entrevista para entrar nas sessões e conhecer todas estas pesquisas e outras que existem, e até mesmo todos os simpósios que existem dentro do programa científico.

 

MU: A PANLAR é um dos maiores congressos do mundo e tem a vantagem para nós, que falamos espanhol, de ser o maior congresso na língua espanhola.

 

Tive a oportunidade de revisar o programa, o programa é muito bom, é muito diverso, há apresentações de alto nível sobre vários tópicos, então acho que para a maioria de nós, todos deveríamos estar sentados assistindo às sessões, eu tive a oportunidade de revisar vários dos resumos já porque eles já estão na web, então há trabalhos muito interessantes para ver, palestras muito interessantes para ver, então espero encontrar vários de nós por aí.

 

EF: Doutor, muito obrigada por este espaço para nos contar sobre a sua apresentação no PANLAR 2021.

 

MU: Obrigado, até mais.

enviar Envía un artículo