Cobertura PANLAR 2024
Escuchar
Pause
Play
Stop

Antonio Iglesias, um reconhecimento para alguém que nunca para de aprender

Por : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



30 Abril, 2024

Cite as:
Fajardo E. Antonio Iglesias, um reconhecimento para alguém que nunca para de aprender. Global Rheumatology. Vol 5/ Ene - Jun [2024] Available from: https://doi.org/10.46856/grp.27.ept193

"A Medalha Aníbal Ruiz Moreno leva seu nome este ano como reconhecimento por sua trajetória e impacto na reumatologia pan-americana."

Visualizações 147Visualizações

E- ISSN: 2709-5533
Vol 5 / Ene - Jun [2024]
globalrheumpanlar.org

Cobertura PANLAR 2024

Antonio Iglesias, um reconhecimento para alguém que nunca para de aprender

Autor: Estefanía Fajardo: Jornalista de ciência para Reumatologia Global por PANLAR, estefaniafajardod@gmail.com

DOI: https://doi.org/10.46856/grp.27.ept193

Citar como: Fajardo E. Antonio Iglesias, um reconhecimento para alguém que nunca para de aprender. Global Rheumatology. Vol 5/ Ene - Jun [2024] Available from: https://doi.org/10.46856/grp.27.ept193

Data de recebimento: 14 de Abril / 2024
Data aceita: 24 de Abril / 2024
Data de Publicação: 30 de Abril / 2024


Ele fala sobre o livro que está lendo, assim como sobre suas amizades e sua casa, que está mais perto do mar do que da cidade agitada. Algumas risadas aparecem quando ele menciona seus netos, e outras quando ele lembra que a jornada profissional foi longa e agora, com dinâmicas um pouco mais tranquilas, ele sabe que um ser humano é mais do que a carreira que decide estudar e seguir; é um compêndio de conhecimentos, histórias e conversas.

Antonio Iglesias nasceu em Zambrano, no departamento de Bolívar, na Colômbia. E ele avisa imediatamente: "criado em Santa Marta, Magdalena" porque seus pais tiveram que se mudar por motivos de negócios, e lá ele passou sua educação primária e secundária. Ele então morou em Bogotá por 43 anos e, desde 2020, em Barranquilla.

"Em anatomia, tirei 5, e eu gostava realmente de biologia. Nunca pensei em nada além de estudar medicina, inclinei-me para isso desde jovem," ele confessa sem hesitação por um segundo. Estava claro o que ele queria, e então, como um ponto de virada para quem escolhe esse caminho, veio a decisão de se especializar.

Quanto à reumatologia, ele diz: "Fiz após terminar medicina interna. E fiz porque é uma especialidade que abrange tudo, desde o crânio até os pés, tem tantos aspectos interessantes. Analisar pacientes com complexidades, revisar casos clínicos. Tive a oportunidade de aprender radiologia, me formei no Hospital San Juan de Dios, e fui autodidata em doenças ósseas," ele relata.

"Tive excelentes professores no Hospital San Juan de Dios, Peña, Lizarazo, Sánchez, eles foram meus mestres. Mas a pessoa que me influenciou muito depois foi o Dr. Donato Alarcón Segovia, no México, e depois o Dr. Edmund Yunes em Boston, quando estudei imunologia celular," ele recorda.

A reumatologia, ele afirma, "é algo muito importante para mim. Doenças ósseas raras e vasculites primárias são as áreas em que dediquei tempo e pesquisa." Mas isso não é tudo em sua vida. Livros, ou como ele prefere resumir, "tudo o que eu puder pegar, eu leio," fazem parte de sua vida diária, não figurativamente, mas literalmente, porque um espaço em seus dias é dedicado a eles. "Gosto de séries e gosto de assisti-las, eu fico acordado até tarde assistindo. Também gosto de escrever," ele acrescenta.

Ele vai para o consultório às quintas, sextas e sábados. Ele mora com sua esposa, Janneth Rodríguez, há 55 anos. E ele menciona sua filha mais velha, Melissa, que é imunologista; Tania, é psicóloga; Antonio, é neurologista. Também seus cinco netos, e aqui está um sorriso que só de ouvir sua voz, você sabe que seus olhos brilham e seu coração floresce, "eu adoro meus netos. Eu estrago meus netos muito." Por esse motivo, ele é claro em dizer: "Valorizo o conceito de família, assim como a amizade. "Precisamente nesse conceito de amizade, entram os colegas, incluindo aqueles que passaram por seus conhecimentos na academia. "Eu treinei muitos reumatologistas, não me lembro quantos. Tenho muitos amigos, especialmente aqueles que foram meus alunos," ele confessa, enquanto dita qual será sua agenda para os dias do Congresso PANLAR 2024, porque há compromissos que vão além do programa acadêmico; eles são sobre fraternidade. No entanto, ele esclarece que "continuo pendente das atividades reumatológicas, não me desliguei de nada."

Agora que o PANLAR entrou em cena, ele mantém que "o PANLAR é algo muito importante." E é essa importância que vai nos dois sentidos, porque este ano a Medalha Aníbal Ruiz Moreno leva seu nome gravado.

"Eu conheci a história do Dr. Aníbal Ruiz Moreno, eu escrevi a história dele. Ele era uma pessoa idealista, com visão. Receber a medalha é muito estimulante," ele confessa sobre a primeira força motriz da reumatologia pan-americana.

Ele diz que hoje "há um grande entusiasmo no PANLAR. Isso já mudou, é algo muito importante, o PANLAR cresceu," enquanto lembra como as intenções desse reconhecimento dos países transcenderam na história e, além disso, a liderança e trabalho do Dr. Carlo Vinicio Caballero no processo.

"O PANLAR está indo muito bem. O presidente que vier tem que seguir o legado do anterior. Há entusiasmo e impulso," ele afirma.

O Dr. Iglesias não educa médicos, mas pessoas; esse tem sido e será seu trabalho. "Eu tento treinar a pessoa de forma holística. Não é apenas uma coisa. Há literatura, filmes, novelas, a pessoa deve ser completa. Ter conhecimento completo," ele explica.

"Gosto de conversar com as pessoas, explicar tudo. Eu tento educá-las o máximo possível para entenderem sua doença. Eu converso, eu falo. Essas doenças são complicadas, mas se você não ensinar como usar os medicamentos, é um problema. Você tem que dedicar tempo para conversar," ele diz.

Ele não vê mais muitos pacientes. "Gosto de ver aqueles que eu posso ajudar a resolver," e ele afirma que vai "com a paciência de Jó."

Finalmente, ele lembra que "o conselho mais importante da minha vida é o exemplo de meus padres. Meu pai, Antonio, um intelectual, minha mãe, Alicia, uma mulher simples, gentil, bonita com as pessoas, sensível, ajudava a todos."

enviar Envía un artículo