Coluna
Escuchar
Pause
Play
Stop

Na busca da tranquilidade perdida

Por : Elias Forero Illera
Internista reumatólogo 



22 Dezembro, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.22.e056

"Por um pouco mais de 50 anos, aprendi a superar problemas de saúde, econômicos e de trabalho com sucesso, mas esta corona crise parece estar além das minhas forças."

Visualizações 201Visualizações

São as quatro da manhã, os primeiros raios do astro rei ainda não aparecem pela minha janela. Percebo que uma consequência insuspeitada particular da pandemia, o proverbial sonho Forero diminuiu. Felizmente, ele continua a ser restaurador, apesar da menor quantidade de horas continuo desfrutando de um descanso total. Vou colocar em prática um conselho dado aos meus pacientes com insônia de há um tempo: use as horas que a insônia deixa em atividades produtivas. Aproveito para ler alguns artigos.

 

O silêncio da madrugada e a temperatura amena facilitam a concentração. A conferência em preparação precisa da minha total atenção. Pensando bem, outra consequência da pandemia foi o aumento das reuniões acadêmicas. Este ano participei de mais atividades acadêmicas do que em muitos anos de prática profissional juntos.

 

De repente, dois episódios de tosse seca me trouxeram de volta à realidade. A tosse me lembra a presença do vírus de outrora e como somos vulneráveis ao seu ataque. O confronto distópico da nossa sociedade com o COVID-19 desperta em mim tanta incerteza e um sentimento de desamparo que fico apreensivo, não sei o que fazer.

 

1/3

 

É muito difícil para mim ser pessimista, a vida me ensinou que com algumas ferramentas intrínsecas como esforço e disciplina podemos superar muitas dificuldades. Por pouco mais de 50 anos, aprendi a superar com sucesso os problemas de saúde, financeiros e de trabalho, mas a pandemia parece estar além das minhas forças. Mais uma consequência da chegada do tão nomeado vírus, aprendi a reconhecer os meus medos mais íntimos.

 

Em momentos como este, apelar para a ciência é uma das minhas alternativas mais úteis. O problema é que a ciência sempre eficaz leva tempo para oferecer soluções, como deveria ser entre outras coisas. Até hoje, tudo permanece no campo do experimental e nada é concreto. Hidroxicloroquina, azitromicina, ivermectina e outras drogas "promissoras" atingiram o chaveiro na primeira tentativa. Os seus benefícios teóricos não resistiram às primeiras análises metodológicas.

 

O Remdesivir, inicialmente exaltado, aos poucos foi perdendo credibilidade. O conhecido e lapidar refrão, mais estudos são necessários para comprovar a sua eficácia, com os quais muitos trabalhos fracassados são encerrados, já é lido nas guias mais recentes (1).

 

A dexametasona é reservada para casos graves de envolvimento pulmonar, mas nos casos usuais não tem lugar. O Tocilizumabe e baricitinibe, trazidos de outros cenários conhecidos pelos reumatologistas, também parecem ter algum efeito terapêutico em casos graves, mas um esquema de tratamento com eficácia razoável ainda não foi finalizado. Em suma, a esperança está nas vacinas, medicamentos que ainda requerem algum tempo e dinheiro para o seu uso massivo. Ainda estou preocupado, a ciência está atrasada.

 

Quase sem pensar fechei a magnífica resenha sobre o papel do complemento na etiopatogenia das doenças reumáticas e fui buscar águas calmas para o meu barco. Eu me distraí lendo dados científicos "leves", ocorrências de um e do outro, videoclipes, memes bons e ruins. Merecem destaque as colunas escritas pelo Alberto Palacios e pelo Fernando Neubarth na Global Rheumatology, são fantásticas, combinam muito bem a experiência pessoal com mensagens profundas. Enfim, lendo e ouvindo música demorou cerca de duas horas, os meus medos foram diluídos pelo Palacios, Neubarth, Lavoe e outros.

 

Um levou-me ao outro, se as leituras produziram algumas horas de tranquilidade, esquecendo por um momento os efeitos da pandemia, pois colaboramos com aqueles amigos que encontram na leitura uma fonte de calma. Então eu decidi no Google Drive (2) postar "Las trampas de la nostalgia" a minha primeira editorial. No blog (3) você também encontrará vários tópicos que espero que sejam úteis para alguma coisa.

 

Nestes dias dedicarei as minhas horas de insônia a escrever algumas crônicas de vida que talvez me relaxem mais por escrevê-las, do que a você por lê-las. Mas nada a ver, estamos em tempos da corona crise, onde tudo que serve para buscar a tranquilidade perdida, vale …



 

1. BMJ 2020; 370: m2924 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.m2924 (Published 30 July 2020)

2. Las Trampas de la Nostalgia 

https://drive.google.com/file/d/1_e7WvrygVO46biO47p4BmXNd-5QC-4W9/view? usp=sharing 

3. Blog de Elìas Forero http://eforerocuenta.blogspot.com/

enviar Envía un artículo