Perfis
Escuchar
Pause
Play
Stop

Desafio de estender a educação permanente na PANLAR

Para : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



17 Setembro, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.25.e026

""O novo presidente da PANLAR, o Carlos Lozada, fala da sua história na medicina e da academia, assim como dos desafios e objetivos marcados para fortalecer a pesquisa na América." "

Visualizações 209Visualizações

Ele nasceu em San Juan, Porto Rico. Filho de pai contador que trabalhava para uma empresa multinacional de produtos médicos, o Carlos Manuel Lozada Serrano, e de mãe assistente social, a Marlene Milagros Rodríguez González. “Daí o compromisso com a comunidade e com o serviço”.

O seu avô materno era médico, ele foi uma das influências mais importantes na escolha da sua carreira. É sobre o José Rodríguez Pastor. “Foi de uma pequena cidade na cordilheira central de Puerto Rico, Cayey, para os Estados Unidos. Ele veio estudar Medicina trabalhando ao mesmo tempo em vários empregos, estudando ao mesmo tempo. Isso sem poder voltar a Porto Rico até terminar os estudos. Eu cresci ouvindo as histórias de trabalho como médico, tratando tuberculose porque era médico de medicina pulmonar. A sua história de médico hispânico formado nos Estados Unidos no início do século 20 foi minha inspiração ”.

Ele também se lembra que escreveu um diário dos seus dias de estudante. “Cresci com a história da pandemia de gripe que ele me contou quando era estudante. Foi uma inspiração para escolher uma carreira e dedicar-me ao serviço, principalmente a sociedades como a American College e a PANLAR”.

As palavras para trazer ao seu avô ao presente não são poucas. Nas suas memórias é também que ele foi um dos fundadores do Hospital del Niño de Porto Rico, “ele sempre me ensinou que se deve dar muito valor ao serviço. Além de ter a sua carreira, use-a para tentar ajudar à sociedade e à comunidade a melhorar”, afirma.

Do grupo de amigos que o acompanhou durante a infância, há quatro médicos com quem ainda mantém contato. "Cresci com um grupo de amigos em San Juan que também compartilhavam o interesse pela medicina." Ele resume como "uma infância muito feliz" a poucos metros da praia.

Mudou-se para a Universidade de Pensilvânia, depois foi para a Escola de Medicina da Universidade de Porto Rico, onde conheceu à sua esposa e quando terminou os estudos se casou. Ele então fez medicina interna na Cornell University em Nova York.

Seguindo o interesse pelo serviço, em 1994 veio trabalhar na Universidade de Miami, foi o seu primeiro emprego. Ele estava procurando um hospital público, e esse era o Jackson Memorial, lá ele combinou com a sua paixão de ser professor, de ensinar. Posteriormente, foi diretor do programa de reumatologia, de 1996 até hoje. “O meu interesse era clínico e também direcionar o programa de treinamento e educação em reumatologia”, diz.

“Desde os anos 90, dirijo o centro de treinamento e formamos dois reumatologistas todos os anos. com nacionalidades diferentes”, que, considera ele, tem sido outro dos prazeres, formar hispânicos que serviram ao continente.

Inicialmente o seu interesse foi direcionado pela osteoartrite. Ele tem continuado ao longo dos anos, foi no aspecto clínico e no seu manejo, que publicou muitos artigos nesta área e também capítulos sobre o diagnóstico e tratamento da doença. “Essa tem sido a minha área original de interesse, mas também ao longo dos anos tive interesse no tratamento da artrite inflamatória”, acrescenta.

 

INTERESSE NA REUMATOLOGIA

O Lozada explica que a reumatologia costuma se interessar por entender o funcionamento do sistema imunológico na saúde e na doença. Todo interesse em imunologia é fundamental. “Outro aspecto, também o meu caso, tem mentores que orientam, esse foi o Richard Furie”, destaca, reconhecendo o aprendizado por meio do relacionamento com os pacientes, da pesquisa e, por trás de tudo, a vocação de servir.

Neste campo, observa ele, você tem um relacionamento vitalício com o paciente. Não é uma especialidade na qual você vê ao paciente por uma semana ou por pouco tempo, a esperança é que você possa ajudá-lo a melhorar a vida dele e essa relação médico-paciente durará muito tempo. Isso foi precisamente o que atraiu.

Resumindo: o interesse pela ciência e o contato com alguém que é um exemplo e relação de longo prazo com o paciente se resume. "Nós ajudamo-los, e eles às vezes nos ajudam."

Construir esse relacionamento é um processo desafiador com o passar do tempo. Ele garante que há muitas décadas o médico tinha mais tempo. No mundo moderno tudo é mais rápido.

“O fundamental é tentar dedicar toda a atenção a esse paciente quando ele nos visita, que ele sinta que você está realmente ouvindo o que ele tem a dizer. Para eles é importante não apenas nos contar os sintomas, mas como se sentem, como afetaram a sua qualidade de vida e das suas famílias. A reumatologia é uma especialidade que exige tempo para fazer bem, tempo para se dedicar ao paciente, prestar atenção no que fala. Na maioria dos casos, só ouvindo o que eles falam, às vezes sem fazer exame físico, você tem uma ideia do que eles têm. O histórico médico e o que o paciente fala são essenciais”, afirma.

Em cada encontro há um ensinamento, em cada consulta uma lição aprendida. Bem como em cada aula ou aconselhando aos seus alunos. “Os pacientes me ensinaram a perseverança, otimismo. Surpreendem-no com a capacidade que o ser humano tem de ultrapassar obstáculos e viver uma vida de sucesso, dando-lhe o que pode, procuram ultrapassar obstáculos e dar o melhor aos outros. A capacidade humana de ser humano, de ajudar-se e enfrentar os desafios que a vida nos oferece”.

Os alunos, acrescenta ele, ensinam a lição de ser humilde. “Sempre aprendemos com eles, eles têm as perguntas certas, investigar além do que você pensava que já sabia. Isso é rejuvenescedor, ter contato com estudantes de medicina, residentes e os que estão cursando reumatologia”.

“O fato de que sempre na medicina as coisas estão mudando, estamos aprendendo mais, existem novas formas de olhar e investigar os problemas. Em parte, isso é fundamental para o que fazemos em associações como a PANLAR e o American College of Rheumatology. Tentando apoiar jovens pesquisadores a terem carreiras de sucesso, continuarem a fazer essas perguntas e nos desafiando. A medicina não pode ser estática, tem que continuar evoluindo e enfrentar novos desafios como neste ano”, detalha.

 

A PANLAR

A sua chegada à presidência da PANLAR implica desafios e, como ele mesmo afirma, alguns são esperados, outros não. “Na PANLAR temos o objetivo de tentar continuar melhorando em vários aspectos: um é ser um fornecedor cada vez mais importante de material educacional e de treinamento para reumatologistas em todas as fases das suas carreiras”.

Ele explica ainda que o congresso passou a ser realizado anualmente, “também teremos mais atividades educacionais virtuais no restante do ano”, acrescenta.

Mas há algo mais nessa lista. Ele, à frente da PANLAR, agora busca tentar chegar a todos os cantos do continente. “Nisso, quão inesperada foi a pandemia, houve um pequeno lado positivo, que a nossa capacidade de usar a tecnologia melhorou muito. Todo o fato de fazer visitas, reuniões e consultas virtuais existia, mas havia uma resistência em fazê-lo, o ser humano gosta de ver-se pessoalmente, compartilhar. Mas nesses meses avançamos anos em termos de realização de programas educacionais virtuais, encontros e na esperança de efetivamente disseminar o conhecimento ”, afirma.

Outra coisa que a PANLAR tem tentado fazer, também com sucesso e espera fazê-lo com mais firmeza, é apoiar a pesquisa nas Américas. “Temos a unidade de pesquisa que esperamos solidificar e ainda estamos em condições de apoiar iniciativas de apoio a pesquisadores, principalmente jovens”.

“Como educador, também tenho um objetivo adicional que é ver como poderíamos influenciar a formação dos residentes em reumatologia de todo o continente, ver como podemos oferecer recursos neste sentido em termos de reumatologia solidificada. Esse é um interesse meu há muitos anos com o objetivo de formar mais pessoas em reumatologia”, afirma.

 

A APROPRIAÇÃO DA TECNOLOGIA

Estamos em uma situação que ninguém queria em termos de que no mundo todos vivemos uma pandemia, porém, diz Lozada, em meio a tudo isso, um aspecto positivo pode ser destacado: o desenvolvimento da tecnologia de forma acelerada. Nas suas palavras “isso pode ser usado agora de uma forma que sem essa situação teria ocorrido em alguns anos”.

“Agora podemos usar isso para educar e atender aos nossos pacientes, houve meses em 2020 que no meu caso estávamos atendendo pacientes por telemedicina 100%, agora estamos voltando ao posto médico e com visitas pessoais. Isso é algo que vai ficar até certo ponto, tendo certas horas disponíveis em que os pacientes podem ser atendidos na telemedicina”, destaca.

Isto ajuda a educar ao paciente, mas também em termos de atendimento, “daqueles que moram longe dos centros urbanos onde os reumatologistas tendem a se concentrar, esses pacientes agora têm esperança de uma chance melhor de ver aos médicos sem ter que viajar horas e horas sempre que têm uma consulta”.

 

VIDA PESSOAL

“Sempre foi uma boa troca”, diz, reconhecendo que a medicina reina na sua casa. A sua esposa, a Janet Sariego Rivera, é fisiatra, pelo que, ele garante, atuam em especialidades afins.

“Ter conversas com ela certamente me fez apreciar o fato de que cuidar dos nossos pacientes é multidisciplinar. Podemos fazer um excelente trabalho como reumatologista, mas se não tivermos um bom relacionamento com a equipe de saúde, que inclui ortopedistas, fisiatras e profissionais afins, não estamos oferecendo ao paciente o que talvez poderíamos. Ter uma equipe multidisciplinar quando possível nos ajuda e ajuda aos nossos pacientes a terem o melhor de cada especialidade”, afirma.

Ele tem dois filhos, o Carlos Antonio Lozada e o José Manuel Lozada. O Carlos está cursando a área de psicologia, “não é medicina em si, mas está relacionada”. E o mais novo, o José Manuel, está a estudar biologia. Em seguida, acrescenta ele, rindo, "eles ainda estão começando".

Além da medicina e da sua vocação para servir e ensinar aos outros, ele tem um grande interesse pela história. Ele revela que o que lê extracurricular tem a ver com isso, americano, europeu, latino-americano, o livro que ele está sempre lendo é sobre esse assunto.

“Em termos de esportes, o que eu sempre joguei mais para me distrair foi o basquete, nunca foi a coisa principal que eu fazia, mas eu jogava tanto quanto um pouco de tênis. Em Porto Rico você tem que jogar beisebol, não tem como não, então quando eu era pequeno eu jogava. Adoro ser espectador, vamos aos jogos de basquete, futebol americano. Também desenvolvi o gosto pelo futebol, que em Porto Rico, quando cresci, você não via muito”, diz.

Tem objetivos claros. A nível pessoal, é ver aos filhos crescerem e estar ao seu lado para partilhá-lo, e no campo profissional tem um desafio com a PANLAR: “Vê-la crescer em termos do que podemos fazer na educação e apoio à investigação, são ambos no qual iremos nos concentrar. O crescimento da organização para que possamos ter mais recursos a oferecer ao continente”, garante.

Além disso, como diretor da divisão de reumatologia do University of Miami Medical Center, ele também busca promover o crescimento da pesquisa e da formação de reumatologistas e é justamente nesta posição que obteve há poucas semanas o reconhecimento “Distinguished Fellowship Program Director Award” pelo American College of Rheumatology ..

“Serão alguns anos com muitos desafios e muitos objetivos, tanto na divisão quanto na PANLAR”, afirma.

"Agora você tornou isso difícil para mim", ele responde rindo depois de ser questionado sobre qual é o seu mantra pessoal e a sua motivação quando se trata de começar novos desafios. “Eu tendo a perseverar em termos de que, embora as coisas pareçam difíceis e não funcionem, você examina, modifica e tenta novamente. Sou bastante persistente, se o objetivo valer a pena. E com certeza os objetivos da PANLAR são muito importantes”, garante.

Ele acrescenta que também procura ouvir a todos e tentar incorporar as noções importantes que eles propõem, buscando assim formar uma estratégia ou um plano que possa apoiar a todos no grupo.

É assim que começa um novo desafio. Desejo de que a PANLAR cresça e se eduque, seja o suporte dos pesquisadores e, mais do que isso, uma referência continental. Tudo sob o parâmetro de auto-exigência, trabalho em equipe e estratégias diferenciadas. Um desafio liderado por aquele neto que cresceu com as histórias de um avô dedicado ao serviço e que ao longo dos anos busca dar continuidade a esse legado.

enviar Envía un artículo