Artigos e reportagens especiais
Escuchar
Pause
Play
Stop

Archibald Edward Garrod, a combinação da prática clínica com a pesquisa

Por : Antonio Iglesias
Historiador/investigador. Profesor titular de Medicina. Universidad Nacional. Bogotá, Colombia


Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.


Carlo V Caballero Uribe MD
Editor en Jefe Global Rheumatology by PANLAR



23 Novembro, 2022

https://doi.org/10.46856/grp.26.ept142

"Este médico, nascido em 1857, defendia que a artrite reumatoide era essencialmente uma doença das articulações e devia ser claramente distinguida do reumatismo. "

Visualizações 316Visualizações

E- ISSN: 2709-5533
Vol 3 / Jul - Dic [2022]
globalrheumpanlar.org 

Artigos e reportagens especiais

Archibald Edward Garrod, a combinação da prática clínica com a pesquisa

DOI: https://doi.org/10.46856/grp.26.ept142

Iglesias Gamarra A. Archibald Edward Garrod, a combinação da prática clínica com a pesquisa [Internet]. Global Rheumatology.  Vol 3 / Jul - Dic [2022].  Disponível: https://doi.org/10.46856/grp.26.ept142

Data recebida: 21/10/2021
Data aceita: 16/11/2022 
Data de publicação: 23/11/2022

Autores:

Antonio Iglesias Gamarra: Profesor Titular Universidad Nacional de Colombia Correo: Iglesias.antonio1@gmail.com
Estefanía Fajardo: Periodista científica Correo: estefaniafajardod@gmail.com ORCID: 0000-0003-2957-8271 
Carlo V Caballero-Uribe:  Profesor Asociado Universidad del Norte. Barranquilla Colombia Correo: carvica@gmail.com ORCID: 0000-0002-9845-8620


Nota do Editor: Com a nota sobre Archibald Edward Garrod, encerramos a série inicial da História da Reumatologia, com personagens abrangendo os séculos XVII (Sydenham), XVIII (Heberden), XIX (Osler e Garrod Sr.) e início do século XX (Garrod), que constituem o legado na reumatologia ocidental do que alguns chamaram de "proto-reumatologistas" ou precursores da especialidade.


Uma das suas frases ajuda a entender o legado deste personagem:

“...método científico não é o mesmo que espírito científico. O espírito científico não se contenta em aplicar o que já se sabe, mas é um espírito inquieto, sempre avançando rumo às regiões do desconhecido, ... e rejeitar o que é inútil, e restringir voos de imaginação muito ansiosos e conclusões muito precipitadas.”

— Archibald Garrod, “The Scientific Spirit in Medicine: Inaugural Sessional Address to the Abernethian Society”, St. Bartholomew's Hospital Journal, 20, 19 (1912)

Sir Archibald Edward Garrod (Foto) nasceu no dia 25 de novembro de 1857, em Marlborough (Londres). O seu pai era o também famoso Alfred Baring Garrod (1) e a sua mãe era Elizabeth Ann Colchester. O que as suas biografias indicam é que o seu pai inicialmente pretendia que Archibald estudasse administração. Mas os seus professores o reconheceram e o incentivaram a ingressar no campo das ciências e da medicina, sendo então o seu destino a Universidade de Oxford, onde se tornou médico. (2)

Archibald Edward Garrod

Foto: Archibald Edward Garrod from: "Archibald Edward Garrod", Obituary notices of Fellows of the Royal Society, 1936-1938, volume 2, pages 225-228; facing page 225 https://wellcomeimages.org/indexplus/image/M0018311.html

Como todo o seu legado começou?

Viajei para Christ Church (Oxford) onde recebi as primeiras aulas de ciências naturais, em 1880. Os meus estudos e treinamento em Medicina foram realizados no St. Bartholomew's Hospital, onde obtive a Brackenburg Medical Scholarship, em 1884, graduando-me ano com o M.R.C.S e M.B em Oxford.

Concluí a minha formação em Viena, no Allgemeines Krankenhaus, onde conheci e aprendi a usar o recém-inventado laringoscópio, instrumento sobre o qual escrevi um livro, sobre o seu uso em 1886 chamado Use of the laringoscope (2).

Tive que esperar por uma vaga no St Bartholomew's Hospital, mas ganhei muita experiência como médico honorário por vários anos em hospitais da época como o West London Hospital, o Alexandra Hospital For Children With Hip Disease e o Great Ormond Street Hospital. para crianças doentes (3). Em 1891, fui eleito membro do Royal College of Physicians. Além disso, fui finalmente nomeado assistente do St. Bartholomew's Hospital em 1903 e trabalhei com o Dr. Herbert Morley Fletcher até 1910. Mais tarde, fui nomeado médico titular em fevereiro de 1912, quando Sir Norman Moore se aposentou.

Sou conhecido por ser um grande observador na prática clínica e por colher histórias clínicas como Osler, organizadas e detalhadas. Como o meu pai, nos interessávamos por doenças articulares; na verdade, o meu pai conseguiu diferenciar a artrite reumatoide da gota.

 

E como a reumatologia entra nos seus achados?

O meu assunto sempre foi ser um grande observador na prática clínica e nas histórias clínicas, publicando mais de 26 comunicações, artigos e conferências que tratam de reumatismo, artrite reumatoide e doenças relacionadas. Conseguindo então combinar a prática clínica com a pesquisa (3).

A primeira descrição de artrite reumatoide é atribuída a Landre Beauvais, que na sua tese apresentada em Paris em 1800 descreveu 9 mulheres portadoras da doença que considerava uma variante da gota e a denominou Gota astênica primitiva, posteriormente Jean Martin Charcot (1825-1895), outro dos grandes observadores clínicos da época, não sabia diferenciar a gota da artrite reumatoide, febre reumática e osteoartrite e achava que eram a mesma coisa; no entanto, ele foi o primeiro a relatar que era mais frequente em mulheres.

Como eu disse, depois o meu pai conseguiu descrever muito bem o termo Artrite Reumatoide para diferenciar esta patologia das outras conhecidas, por isso fui incentivado a trabalhar para preservar e contribuir como o seu legado (1).

 

Conte-me mais sobre o tema da artrite...

Argumentei que a artrite reumatoide era essencialmente uma doença das articulações e que deveria ser claramente diferenciada do reumatismo, que, na época, considerava uma doença única e específica que poderia se manifestar como febre reumática, cardiopatia reumática ou coreia. Descrevi que os casos de artrite reumatoide apresentam quadros clínicos muito uniformes: assemelham-se no modo de aparecimento das lesões articulares e a sua distribuição, na persistência e propensão a remissões e recidivas, e nas deformidades que deixam (4).

Em relação ao tratamento da artrite reumatoide, comentei que era muito importante distinguir entre a fase ativa, que pode persistir por muitos meses ou anos, e a fase posterior em que vemos danos permanentes: a contratura dos músculos, a fixação das articulações e as estranhas deformidades que formam sequelas tão características desta doença (4). (Figuras 1 e 2).

Figura 1

Figura 1 Medical heritage library : This image is taken from Page 83 of A treatise on rheumatism and rheumatoid arthritis Available in https://www.flickr.com/photos/mhlimages/33223640238

 

Figura 2

Figura 2 Medical heritage libray: This image is taken from Page 251 of A treatise on rheumatism and rheumatoid arthritis Avalaible  in https://www.flickr.com/photos/mhlimages/32156980507

E onde foi isso postado?

A minhas publicações aparecem no St Bartholomew's Hospital Report e em Medical Chirurgical Transactions, onde escrevi sobre coréia, reumatismo e especialmente artrite reumatoide.

 

O que se seguiu?

Dediquei-me ao estudo das doenças infantis e fui médico do Hospital Great Ormond por muitos anos. Como resultado desta experiência, trabalhei no St Bartholomew's e juntei-me a F.E Batten e Hugh Thursfield para editar em 1913 um grande livro sobre doenças infantis do qual participaram vários autores. Neste livro, contribuí com dois artigos: Disease as it affects children e Disease of the Ductless Glands and of Metabolism. Além disso, colaborei no Royal College of Physicians de Londres.

 

Por que o seu trabalho é considerado fundamental?

Para responder a isso, devemos contextualizar o assunto. Comecemos porque o termo reumatismo pertence à teoria humoral sobre a origem da doença e está escrito pela primeira vez no fragmento da obra de Hipócrates sobre as localizações no corpo humano (século V aC), literalmente, significa fluir e Galeno Ele foi o encarregado de introduzir o termo reumatismo.

Mas depois, a partir do século V, começou a utilizar-se o termo artrite, razão pela qual se diz que o meu trabalho é fundamental, tendo o mérito de diferenciar a palavra reumatismo como conceito genérico, da artrite reumatoide, como afecção da articulação e específica condição de doença mórbida, com alterações crônicas (danos articulares e deformações).

É importante ressaltar que somente em 1922 o Ministério da Saúde inglês adotou oficialmente o termo artrite reumatoide para esta condição e os norte-americanos o aceitaram apenas em 1941(5). Assim começou uma melhor compreensão deste conceito e da doença que mais tarde, na segunda metade do século XX, se tornaria a principal doença reumática.

 

Mas há mais no seu legado...

Em 1900, na Bradshaw Lecture, falei do que foi descrito como Urinary payments in their pathological aspects, e em 1908 nas Croonian Lectures do Royal College of Physicians, usei o termo erros inatos do metabolismo. Um ano depois, essas conferências foram publicadas em texto com o mesmo título (6). Aqui também devemos recorrer ao contexto... Um dos grandes pesquisadores na área das vitaminas foi o britânico Frederick Gowland Hopkins, que também se dedicou ao estudo da nutrição e da bioquímica de alguns aminoácidos como o triptofano e a glutationa. Recebeu o Prêmio Nobel de Medicina e exerceu sobre mim uma grande influência no estudo dos pigmentos a nível químico.

Foi no final do século XIX que os médicos observaram um grande avanço da química, principalmente com novas técnicas como a espectroscopia, e na primeira década do século XX se deu o estudo da coloração da urina em pacientes com alcaptonúria. (6)

Diríamos que o meu trabalho representa uma convergência da medicina clínica e da química medicinal com a nova ciência da genética, que se desenvolveu tão rapidamente depois de 1900.

 

Como você avalia o seu trabalho?

Sabe-se que na Inglaterra, durante a década de 1890, os pressupostos tanto da química medicinal quanto da medicina clínica sofreram mudanças sutis, mas profundas, sob a influência da teoria da seleção natural de Charles Darwin, especialmente grande em Hopkins e em mim.

Há um parágrafo escrito que talvez descreva o meu legado e o que ele significou para a Medicina: “Com toda a sua predileção pela ciência experimental, Garrod permaneceu antes de tudo um médico com profundo senso da dignidade e importância desta vocação. Ao falar, como costumava fazer, da ajuda que a Medicina recebe da Ciência, sempre teve o cuidado de enfatizar a opinião de que isto não é mais do que o pagamento da dívida que a Ciência tem com a Medicina. A propósito, escrevi sobre esta dívida em 1924 em The Debt of Science to Medicine, no qual apontei inúmeras contribuições da observação clínica para o crescimento da ciência médica.

 

Em uma resposta anterior, você mencionou Osler. Que relação eles tinham?

Em 1920, substituí a Sir William Osler (8) como Professor Regius de Medicina na Universidade de Oxford. Em Oxford trabalhei para desenvolver a pesquisa clínica e lá enfatizei que, na doença, o clínico vê fenômenos únicos, experimentos da natureza, que só ele pode estudar. É por isso que o clínico precisava dos seus próprios laboratórios para o estudo científico dos problemas que surgiam no atendimento aos pacientes.

 

REFERÊNCIAS

  1. Iglesias A. Alfred Baring Garrod y los inicios de la reumatología moderna [Internet]. Global Rheumatology. Pan American League of Associations of Rheumatology (PANLAR) 2021. Available at: https://doi.org/10.46856/grp.26.e105  
  2. Fresquet L Archibal Edward Garrod (1857-1936) [Internet]. Available at: https://www.historiadelamedicina.org/garrod.html
  3. Archibald Edward Garrod, 1857-1936 [Internet]. Vol. 2, Obituary Notices of Fellows of the Royal Society. The Royal Society; 1938. p. 224–8. Available at: https://doi.org/10.1098/rsbm.1938.0002
  4. Garrod A. Discussion on 'the etiology and treatment of osteoarthritis and rheumatoid arthritis.' Proc R Soc Med 1923; XVII: 1-1
  5. Sir Archibald Edward Garrod | British physician | Britannica [Internet]. Available at: https://www.britannica.com/biography/Archibald-Edward-Garrod
  6. Garrod AE. The incidence of alkaptonuria: a study in chemical individuality. 1902. Mol Med. 1996 May;2(3):274-82. PMID: 8784780; PMCID: PMC2230159.
  7. Archibald Garrod. En Wikipedia https://en.wikipedia.org/wiki/Archibald_Garrod
  8. Iglesias, A., Fajardo, E., & Caballero Uribe, C. (2021, March 10). William Osler, the father of modern medicine. Global Rheumatology. Available at http://doi.org/10.46856/grp.26.e069

Fotos e figuras 

Foto : Archibald Edward Garrod from: "Archibald Edward Garrod", Obituary notices of Fellows of the Royal Society, 1936-1938, volume 2, pages 225-228; facing page 225 https://wellcomeimages.org/indexplus/image/M0018311.html

Figura 1 Medical heritage library : This image is taken from Page 83 of A treatise on rheumatism and rheumatoid arthritisAvailable in https://www.flickr.com/photos/mhlimages/33223640238

Figura 2

Medical heritage libray: This image is taken from Page 251 of A treatise on rheumatism and rheumatoid arthritisAvalaible  in https://www.flickr.com/photos/mhlimages/32156980507

enviar Envía un artículo