Coluna
Escuchar
Pause
Play
Stop

O século de Bernard Lown

Para : Fernando Neubarth
Médico y escritor. Especialista en Clínica Médica y Reumatología, Presidente de la Sociedad Brasileña de Reumatología/SBR 2006-2008. Presidente del Consejo Consultivo de la SBR.



12 Maio, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.22.e082

"Em meio à pandemia, que subverte preceitos e convicções e reafirma valores, Bernard Lown se despede. Faleceu em sua casa, em Chestnut Hill, Massachusetts, no dia 16 de fevereiro de 2021, aos 99 anos."

Visualizações 156Visualizações

No final do século 20, Bernard Lown alertou que, apesar de todo o avanço tecnólogico no diagnóstico e no tratamento de muitas e variadas doenças, o doente tornara-se ainda mais negligenciado. A prática médica presa a uma engrenagem complexa, empresarial, sobretudo no modelo norte-americano, a atenção não necessariamente à promoção da saúde e do bem estar. Médicos e, principalmente, pacientes premidos por oferta crescente de exames, às vezes excessiva e inadequada. Sob pressões da indústria farmacêutica, de equipamentos e recursos diagnósticos, seguros e planos de assistência, resultando em paradoxal insegurança, dúbias opções "alternativas" e inescrupulosa "judicialização". Algo se perdera.

Bernard Lown nasceu em Utena, Lituânia, em 7de junho de 1921, tendo a família emigrado para os Estados Unidos em 1935, ameaçada pelo nazismo. Formou-se em Zoologia na Universidade do Maine em 1942 e em Medicina na Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, em 1945. Após estágios em Connecticut e na cidade de New York, mudou-se para Boston em 1950 e na década seguinte ensinou e conduziu pesquisas cardiovasculares no Hospital Peter Bent Brigham e na Harvard Medical Scholl até que, devido ao macarthismo, passou a atuar em saúde pública e no seu próprio Instituto.

Em 1962, Lown desenvolveu, com ajuda do engenheiro médico Barouh Berkovits, um novo método para corrigir ritmos cardiacos perigosamente anormais. Considerada, na época, causa de 40% de meio milhão de ataques cardíacos fatais por ano, somente nos Estados Unidos, as fibrilações passaram a ser tratadas por esse novo modelo de desfibrilador, que usava corrente elétrica contínua ao invés da corrente alternada, sem lesar o coração. Surgiam aí, também, as unidades de cuidado cardíaco intensivo e é incalculável quantas mortes precoces, desde então, foram evitadas. Lown também estimulava que o paciente "saísse" do leito precocemente após um ataque cardíaco, prática que é hoje natural; e seu nome designa, apropriadamente, uma escala que gradua a severidade de arritmias.

Fundou a SatelLife USA, organização sem fins  lucrativos que possui até um  satélite para auxiliar no treinamento clínico profissional na África e na Ásia e a ProCor, rede global de comunicação pela web, que promove assistência e ensino para países em desenvolvimento.

Instigado por uma palestra sobre medicina e guerra nuclear, em 1961 ele fundou a Physicians for Social Responsability.  No ano seguinte publicou um estudo especulando as consequencias na saúde pública de um hipótetico atentado nuclear em Boston, concluíndo - que o ataque a uma cidade esgotaria todos os recursos médicos do país apenas para tratar as vítimas de queimaduras. Ajudou a fundar a organização Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear, parceria entre médicos norte-americanos e soviéticos. O grupo somava 135 mil membros em 41 países em 1985, ano que recebeu o Prêmio Nobel da Paz.  A participação soviética, no entanto, fez a crítica conservadora minar o movimento, imputando aos seus líderes um viés ingênuo e logo a suspeita que serviria à propaganda "comunista". Em um livro de memórias de 2008, Prescrição para a Sobrevivência: uma Jornada do Médico para Acabar com a Loucura Nuclear, Bernard Lown conta essa história e adverte: "É um desafio histórico questionar se nós, humanos, temos um futuro no planeta Terra”.

Antes, em 1996 publicou o livro A Arte Perdida de Curar, um libelo ao resgate do humanismo na medicina, encantando e dando ânimo  a todos que acreditam que uma boa relação médico-paciente é não só o instrumento principal da prática, mas o antídoto pragmático para as muitas mazelas que desvirtuam a confiança e os melhores desfechos.

Lembra Hipócrates, 2,5 mil anos atrás: “Onde quer que haja amor humano também existe o amor à arte. Alguns pacientes, embora cientes de sua perigosa situação, recuperam a saúde simplesmente por causa de sua satisfação com o médico”. Bernard Lown segue a senda de outros pensadores da arte médica. Assim como Paracelso, no século 16, que incluiu entre as qualificações básicas do médico “a intuição necessária à compreensão do paciente, de seu corpo e de sua doença... Devendo possuir o sentimento e o tato que lhe possibilitem entrar em comunicação solidária com o espírito do paciente”, e, no mesmo caminho de William Osler que,  nas últimas décadas  do século 19 e início do século 20, entendia a medicina não somente como ciência, mas como “a arte da medicina à luz da ciência” e afirmava que “o bom médico trata a doença, o grande médico trata o paciente que tem uma doença”.

Em meio à pandemia, que subverte preceitos e convicções e reafirma valores, Bernard Lown se despede. Faleceu em sua casa, em Chestnut Hill, Massachusetts, no dia 16 de fevereiro de 2021, aos 99 anos. Médico cardiologista inovador, ativista social e antiguerra nuclear e, sobretudo, um gigantesco humanista. Seu legado está garantido: “O médico deve confiar na arte da compreensão humana para ampliar a visão que a ciência lhe outorga”. Essa afirmação é ampla e serve à toda sociedade.

enviar Envía un artículo