Cobertura PANLAR 2022
Escuchar
Pause
Play
Stop

Vacinas seguras e eficazes contra o covid-19 nos pacientes reumáticos

Por : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



11 Agosto, 2022

https://doi.org/10.46856/grp.27.ept132

"Qual é a segurança e eficácia das vacinas na América Latina e especificamente em pacientes reumáticos da região? Diferentes grupos de pesquisa se propõem a realizar estes diferentes estudos e análises que permitem ter uma maior segurança e suporte na tomada de decisões."

Visualizações 227Visualizações

Vacinas seguras e eficazes contra o covid-19 nos pacientes reumáticos

Estefanía Fajardo

 

A vacinação contra o covid-19 está avançando em diferentes países e permitiu que os picos do vírus SARS-CoV-2 tivessem um impacto menor na hospitalização e morte de pessoas, quando comparado com os primeiros picos sem a disponibilidade de vacinas.

No entanto, ainda há muitas perguntas sem resposta em relação à segurança, eficácia, efeitos adversos e outros aspectos em pacientes com doenças autoimunes, razão pela qual diferentes grupos de pesquisa se propuseram a realizar estes diferentes estudos e análises que permitem ter maior segurança e um apoio na tomada de decisões.

No Congresso PANLAR 2022, este assunto também será abordado, além dos efeitos da pandemia nos sistemas de saúde e na saúde mental dos pacientes. Qual é a segurança e eficácia das vacinas na América Latina e especificamente em pacientes reumáticos da região? Estes artigos nos orientam nessa linha e buscam, com evidências, identificar ferramentas para médicos e informações para pacientes na tomada de decisão.

Um dos trabalhos se concentra em uma coorte da Argentina (ABS-1293) para descrever a segurança das vacinas SARS-CoV-2 em pacientes com doenças reumáticas e identificar os fatores de risco para eventos adversos e surtos das doenças após a vacinação.

As conclusões afirmam que o sexo feminino, a menor idade, a maior escolaridade, as vacinas ChAdOx1 nCov-19 e mRAN-1273, o uso de metotrexato e antimaláricos foram relacionados a eventos adversos.

Outra pesquisa desta mesma linha de segurança e eficácia de vacinas contra SARS-CoV-2 em pacientes com doenças reumáticas e inflamatórias imunomediadas (ABS-1235) estabelece que, nesta coorte de pacientes com doenças reumáticas e imunomediadas vacinadas contra SARS - CoV-2, as vacinas mais utilizadas foram a Gam-COVID-Vac e a ChAdOx1 nCoV-19. Um quarto dos pacientes teve um evento adverso e 5,1% tiveram infecção por SARS-CoV-2 após a vacinação.

Entretanto, outro estudo faz a análise em pacientes reumáticos em tratamento biológico (ABS-1236) neste foram incluídos 70 pacientes e foi determinado que neles a vacina covid-19 produz imunidade na grande maioria dos casos (resposta inicial de 94,3%), independentemente da doença, do tratamento biológico e do tipo de vacina administrada.

Entre os pacientes com baixos níveis de anticorpos, a vacina de reforço produziu um aumento atingindo níveis elevados em 82,6% dos casos, e o tratamento prévio com rituximabe pode estar relacionado à ausência do desenvolvimento de anticorpos neutralizantes de SARS-CoV -2.

Nessa mesma direção, foi apresentado um trabalho comparando a resposta humoral entre pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES) e outras doenças autoimunes e analisando as variáveis ​​associadas (ABS-1332), estabelecendo que a vacinação com duas doses de SARS-CoV-2 em pacientes com doenças reumáticas autoimunes apresentaram uma taxa de soroconversão de 70,2%.

Além disso, não houve diferenças na resposta sorológica entre pacientes com LES e outras doenças reumáticas. Os níveis de soroconversão e títulos de anticorpos foram associados ao tipo de vacina aplicada, sendo a Sinopharm a que apresentou a menor resposta.

E continuando com o lúpus, foi apresentada a avaliação de segurança das vacinas Bnt162b2, Sinovac e Chadox1 (ABS-1525), estabelecendo que são seguras em pacientes com LES, sem efeitos adversos graves ou degradação da atividade da doença.

Além disso, nesta abordagem está a comparação da imunogenicidade das vacinas Pfizer/BioNTech, Sinovac e AstraZeneca em pacientes com LES (ABS-1520), concluindo que as três vacinas contra o covid-19 após duas doses induziram uma produção significativa de anticorpos contra a doença, o que pode melhorar a proteção contra a infecção. No entanto, o uso da terapia imunossupressora (ciclofosfamida e altas doses de GCS) pode reduzir significativamente esta resposta.

As respostas imunes às vacinas SARS-CoV-2 em pacientes com doenças reumáticas (ABS-1163) também foram revisadas para caracterizar completamente as respostas imunes das células B e T induzidas por vacinas de mRNA em pacientes com doenças reumáticas sob imunoterapias e identificar quais drogas reduzem a imunogenicidade da vacina.

Neste trabalho, foi estabelecido que pacientes com doenças inflamatórias e reumáticas imunomediadas apresentam uma imunogenicidade prejudicada da vacina SARS-CoV-2, que é variavelmente reduzida por imunossupressores. Entre as terapias comumente utilizadas, as terapias de depleção de células B e abatacept apresentam efeitos deletérios, enquanto as antitocinas preservam a imunogenicidade. Por outra parte, os efeitos de doses cumulativas de metotrexato e glicocorticóides sobre a imunogenicidade devem ser levados em consideração. As respostas humorais e celulares estão fracamente correlacionadas, mas as CD4 e CD8 estão fortemente correlacionadas. A soroconversão por si só pode não refletir a imunogenicidade da vacina.

Além da revisão mediante esquemas completos, outro artigo (ABS-1253) analisa a resposta imune humoral e celular à terceira vacina em pacientes com artrite reumatoide que não se soroconverteram após o esquema primário de duas doses com vacinas inativadas ou vetoriais.

Havia um total de 21 pacientes e nesta coorte, 90,5% tinham IgG anti-SARS-CoV-2 detectável após uma terceira dose. O uso de abatacept foi associado a uma menor frequência de resposta das células T.

Outro tema abordado nestes trabalhos foi 'Infecção por Sars-CoV-2 após vacinação em pacientes com doenças reumáticas na Argentina' (ABS-1303) no qual foram incluídos um total de 1.350 pacientes do registro SAR-COVID. Apenas 5% dos pacientes com DR vacinados contra SARS-CoV-2 tiveram covid-19, a maioria leve e 25% foram diagnosticados após completar o esquema.

Por fim, outro dos caminhos dos trabalhos apresentados está em consonância com o surgimento de doenças autoimunes associadas à vacinação. Uma delas foi o novo aparecimento de doenças autoimunes associadas às vacinas covid-19 (ABS-1535), indicando que muitos efeitos adversos devido às diferentes vacinas foram descritos; surtos de doenças autoimunes, e o novo aparecimento destas patologias (vasculites, LUPUS, encefalites autoimunes, entre outras).

Neste estudo transversal (havia 42 pacientes, 23 homens, 19 mulheres) e o tempo médio decorrido desde a vacinação até o aparecimento dos sintomas foi de 9 dias (1-63 dias) e a maioria dos pacientes (64%) iniciou com sintomas na segunda dose. Conclui que embora as vacinas sejam seguras e eficazes, podem ocorrer efeitos adversos como distúrbios neurológicos, doenças autoimunes endocrinológicas e hematológicas. As vacinas com tecnologia de adenovírus foram principalmente associadas.

Assim como uma revisão sistemática deste assunto (ABS-1548) realizando uma busca eletrônica e achando 264 publicações. Foram avaliados 150 artigos e incluídos 45 relatos com 62 pacientes, concluindo-se que, apesar do crescente número de casos documentados, a incidência permanece baixa em relação aos benefícios da vacinação. Ressaltando que há uma falta de informação na América Latina e que devem ser implementadas estratégias para promover a notificação destes casos nos países da América Latina.

 

IMPACTO NA SAÚDE E SISTEMAS DE SAÚDE MENTAL

Em 2020, a rápida evolução da pandemia de SARS-CoV-2 desencadeou uma emergência sanitária, aplicando medidas obrigatórias de isolamento social. Ao mesmo tempo, gerou uma grande reorganização do sistema de saúde em resposta à crescente demanda, o que levou à interrupção e posterior adaptação dos sistemas de formação.

Portanto, os efeitos do ambiente pandêmico da covid-19 na atividade da doença e no acesso aos serviços de saúde em pacientes com artrite reumatoide (ABS-1403) foram revisados, indicando que pacientes com baixa atividade da doença que puderam acessar aos cuidados de saúde durante a pandemia, além de observar uma redução no DAS28-ESR, possivelmente devido à menor exposição a estressores ambientais comuns em decorrência do isolamento domiciliar e distanciamento social.

Neste sentido, foi gerada uma análise do impacto da pandemia em um grupo de estagiários de reumatologia da Argentina (ABS-1357). Dos 114 alunos contactados, 79 responderam e determinou-se que a pandemia afetou os alunos de reumatologia, limitando as suas atividades práticas e académicas, e tendo que realizar tarefas alheias à sua formação em mais da metade deles. Por outro lado, puderam aprender novas estratégias para continuar prestando assistência médica aos pacientes.

Por outro lado, e na via da saúde mental, foi analisado o medo ao covid-19 e a sua correlação com perturbações mentais em pacientes com doenças reumáticas autoimunes (ABS-1370), estabelecendo que os fatores associados ao medo do covid-19 eram o sexo feminino, o tratamento para transtornos mentais e o diagnóstico, enquanto o fato de ser divorciado ou viúvo parecem ser protetores. Portanto, sugere-se que os reumatologistas identifiquem estas características para oferecer suporte adequado.

Lembre-se que o cronograma completo de atividades, com o detalhamento de todas as sessões do dia a dia, pode ser consultado aqui. Além disso, você pode consultar todos os trabalhos apresentados no livro de resumos do congresso (1).

 

REFERÊNCIAS

  1. JCR: Journal of Clinical Rheumatology: July 2022 - Volume 28 - Issue S1 - p S1-S95. Disponível em https://journals.lww.com/jclinrheum/Citation/2022/07001/PANLAR _Abstracts_2022.1.aspx
enviar Envía un artículo