Cobertura PANLAR 2021
Escuchar
Pause
Play
Stop

Covid-19 e Reumatologia, o desafio tem para os colegas e pacientes

Por : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



10 Agosto, 2021

"O secretário-geral da PANLAR, o Carlos Toro, terá participações no congresso de pacientes e no PANLAR 2021 com o mesmo tema, o covid-19 e as doenças reumáticas, e buscará fornecer informações precisas com evidências científicas sobre medicamentos, vacinas e tratamentos."

Visualizações 221Visualizações

O Dr. Carlos Toro é interno e reumatologista, mestre em Autoimunidade, secretário geral da PANLAR e diretor geral do Centro de Referência em Osteoporose, Reumatologia e Dermatologia, Cali, Colômbia. Ele, como muitos representantes da medicina, terá um espaço no Congresso PANLAR 2021.

No caso dele, ele abordará um tema que é novo para todos, mas o qual temo, há cerca de um ano e meio, no nosso dia a dia: o covid-19. Ele fará parte da sessão Covid e Reumatologia nas Américas.

“Lá teremos uma palestra sobre o que fazer quando um paciente com doença reumática pega o vírus, e não se trata do tratamento do covid realmente, mas do que devemos fazer com os medicamentos que o paciente costuma receber no controle da sua doença reumática”, afirma o Dr. Toro.

Nessa sessão, eles também vão falar sobre vacinas e abordar quais são as recomendações em relação aos medicamentos e à vacinação, bem como quais são as características de tudo o que tem a ver com o pós-covid, inclusive a síndrome inflamatória aguda.

A outra participação, explica o doutor, é no Congresso de Pacientes, também com Covid e doenças reumáticas. E, adicionalmente, na cerimônia de abertura como membro do Comitê Executivo do PANLAR e na Copa América com a PANLAR Jovem.

Respeito ao covid-19 e às informações que são geradas diariamente, o membro da PANLAR afirma que teve que abordar e analisar diferentes fontes, “mas é preciso ir, digamos, onde estão as informações mais claras e robustas. Este tem sido o tema quente há mais de um ano, então muitas informações saem todos os dias e o que temos que fazer é avaliar o que é refinado, na forma de uma guia, recomendações de sociedades ou painéis de especialistas”, e é assim que construiu o que será exposto no PANLAR 2021.

As informações para os pacientes e os seus colegas são as mesmas, mas, ele salienta “a forma de explicar e a linguagem deve ser mais acessível aos pacientes e com mensagens-chave como continuar com o tratamento da doença de base. Outra vai de mãos dadas para os casos que já tiveram covid-19 e da suspensão da medicação dependendo da gravidade e analisando cada caso. No entanto, em nenhum dos casos o tratamento deve ser suspenso preventivamente”.

Embora não seja uma doença de origem reumatológica, sabe-se que este vírus, o SARS-CoV-2 que causa o covid-19 “mudou a nossa vida e temos que estar bem informados, no dia a dia tornou-se a questão mais constante desde há um ano”.

Nesse ponto, ele também aborda as mudanças que a sua vida profissional teve com a pandemia. “Mudou drasticamente no ano passado porque tive que passar de consultas presenciais para teleconsultas”, diz ele, acrescentando que, às vezes, o cansaço está presente.

A princípio, ele indica, “havia muito medo”, porém a atividade médica foi valorizada positivamente, “mas depois de alguns meses já havia cansaço, tanto por parte dos profissionais como dos próprios pacientes que já não querem tanto a teleconsulta”, pelo que trabalha atualmente em um 70% presencial e 30% teleconsulta.

“É necessário atender alguns pacientes pessoalmente porque, por mais que se tenha desenvolvido habilidades na teleconsulta, há coisas que só podem ser ministradas pessoalmente”, confessa.

Para ele essa pandemia, em meio a tudo, implicou uma ligação com a sua família. Isso, levando em consideração que o domicílio passou a ser clínica, escola, local de encontro, descanso e outros. “Tem sido muito gratificante para mim estar em casa com a minha esposa e filhos, embora eu tenha me afastado de outros membros da família. Tem sido muito valioso dividir mais tempo com eles”, isso deixando claro que evidentemente os papéis mudam e algumas coisas mudam, mas também se ganham outras.

Como membro da PANLAR, reconhece que a virtualidade este ano implica uma certa complexidade no desenvolvimento do congresso. “O programa acadêmico deve ser muito atrativo, entender que por parte da comunidade médica já existe um esgotamento da virtualidade, das conexões, da grande quantidade de informações que chegam diariamente. Por isso é sempre um desafio organizar um congresso com essas características para despertar o interesse da comunidade científica, porém, tenho certeza de que este congresso será um sucesso porque o programa acadêmico é completo e bastante interessante”, completa.

enviar Envía un artículo