Artigos e reportagens especiais
Escuchar
Pause
Play
Stop

A prática da reumatologia em tempos difíceis

Para : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



31 Maio, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.26.e087

"Muitos foram os desafios impostos pela pandemia COVID-19, e estes significaram desde a migração para novas tecnologias até o retorno a uma UTI ou enfermaria de cuidados intermediários. No âmbito do Dia Pan-Americano da Reumatologia, fazemos um tour pelos desafios assumidos e o que virá em relação ao atendimento aos pacientes desta especialidade."

Visualizações 499Visualizações

A tradição indica que o contato físico gera maior confiança. Ou pelo menos foi o que muitos profissionais de saúde aprenderam durante a graduação. Mas o que fazer quando o contato físico se torna um risco? Essa questão surgiu em decorrência da crise de saúde gerada por um minúsculo vírus que veio mudar a dinâmica, as rotinas e também os encontros médico-paciente. O SARS-CoV-2 chegou com uma coroa, talvez por causa das espículas que possui, ou porque "reina" na maioria daS nossas conversas e ações diárias.

Consultas remarcadas, pacientes com dúvidas, médicos apoiando em enfermarias de UTI, e um vírus que não deu trégua para se adaptar à nova realidade - ou nova normalidade, como muitos decidiram chamá-la - foi o panorama generalizado no mundo durante a vigência de 2020 e o que temos em 2021. Sem dúvida, foram tempos difíceis que implicaram a reorganização da prática médica e a busca de suporte na tecnologia, que por muitos anos mantivemos a uma distância prudente, mas que agora constitui nosso aliado.

Com efeito, a tecnologia tem sido uma aliada para o desenvolvimento de vacinas, para o compartilhamento de descobertas entre os países, para a realização de conferências, congressos e seminários virtuais, mas o mais importante: uma aliada para que, em meio à maior crise sanitária da segunda década século XXI, médicos e pacientes não interromperam o contato. E como não sentir que “abandonamos” aos nossos pacientes, transferindo os encontros para a virtualidade?

 

A esse respeito, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indica para a situação de pandemia de COVID-19 que “as unidades de saúde podem estar sobrecarregadas e ter capacidade insuficiente para fornecer tratamento adequado aos que mais precisam. As teleconsultas são uma forma segura e eficaz de avaliar os casos suspeitos e orientar o diagnóstico e tratamento do paciente, minimizando o risco de transmissão da doença. Estas teleconsultas permitem que muitos dos principais serviços clínicos continuem a funcionar regularmente e sem interrupção, tanto na preparação como no decurso de uma emergência de saúde pública”. (1)

“As teleconsultas são uma abordagem útil para avaliar os pacientes e reduzir as visitas desnecessárias aos serviços de emergência. As teleconsultas programadas permitem a avaliação, monitoramento e acompanhamento de pacientes ambulatoriais que não requerem avaliação presencial. No entanto, de acordo com a infraestrutura tecnológica disponível, ainda pode haver serviços que não podem ser substituídos pela telepresença, por isso é importante determinar quando a telepresença é uma opção e quando não é”, diz a OPAS. (1)

 

A aceitação da nova situação pelos pacientes, em geral, tem sido positiva, embora dependa de diferentes variáveis. Em um estudo conduzido pelo reumatologista Michael George, professor assistente de medicina no Hospital da Universidade da Pensilvânia, 1.517 pacientes nos Estados Unidos com doenças reumáticas autoimunes foram pesquisados ​​a partir do registro Arthritis Power; os diagnósticos incluíram artrite reumatoide, artrite psoriática, espondiloartrite axial e lúpus eritematoso sistêmico. Os resultados desta pesquisa indicam que durante o pico mais alto da pandemia, 57% dos pacientes relataram evitar ir ao consultório médico; 42% evitaram exames laboratoriais e 30% relataram ter feito teleconsulta. Além disso, verificou-se que pacientes em áreas urbanas utilizaram telessaúde com mais frequência durante o período do estudo do que aqueles em áreas rurais. (2)

 

Na América Latina ainda são poucos os dados publicados, mas sabemos que em alguns países os registros são mantidos; Na Colômbia, por exemplo, o Ministério da Saúde e Proteção Social informou que 63,1 milhões de ligações telefônicas e virtuais foram realizadas entre março de 2020 e 31 de março de 2021. Do total, 20,7 milhões corresponderam às ligações telefônicas e 42,4 milhões a teleconsultas. (3)

 

Dos mais de 42,4 milhões de teleconsultas realizadas, 30% responderam às necessidades com médicos especialistas; entre 40 e 50% eram para pacientes com doenças comuns e, entre 20 e 30% eram para pacientes crônicos.

 

No contexto de uma pandemia como a atual COVID-19, cercada por múltiplas ferramentas tecnológicas, os centros médicos já estão respondendo ao vírus por meio da rápida adoção de aplicações digitais e tecnologias como a telemedicina e atendimento virtual, "que se referem ao fornecimento de serviços de saúde digitais ou remotos por meio do uso de tecnologias de informação e comunicação (TIC) para o tratamento de pacientes. Espera-se que a telemedicina forneça cuidados oportunos, minimizando a exposição para proteger médicos e pacientes".

 

A Priscila Torres, jornalista e presidente da Associação Pan-Americana de Pacientes com Doenças Reumáticas (Asopan), destaca que no processo de atendimento “podemos falar de pacientes vinculados aos sistemas públicos de saúde. Quando a pandemia começou, houve dificuldades em localizá-los, porque os seus dados estavam desatualizados ou porque não havia contato por telefone, correio ou até mesmo via WhatsApp. Lá as associações de pacientes ajudam graças à rede que temos”.

Quanto aos pacientes mais velhos, “ao falar de telemedicina, tínhamos que abordar questões como acesso à Internet, infraestrutura e, principalmente, educação do paciente em tecnologia”, afirma o representante da Asopan.

A reflexão anterior deixa no ambiente a necessidade de educar as pessoas no uso destas ferramentas digitais, mas também de entender que a presença de muitos é necessária devido ao contexto em que vivem alguns pacientes.

A teleconsulta veio como um suporte para a prática médica. Veio porque existe um risco na presença do médico e do paciente; chegou porque era necessário cumprir as medidas de confinamento; isso aconteceu porque os sistemas de saúde foram submetidos a situações estressantes. Ela veio e ficou.

 

Diante de todo esse panorama, quão complexa foi a abordagem das novas tecnologias de comunicação para a prática da reumatologia? Para responder a esta e outras questões, na Global Rheumatology decidimos indagar sobre o presente, a adaptação e o que virá para o futuro desta especialidade em um ambiente de virtualização, sabendo que os profissionais da reumatologia da nossa região têm como diferencial o cuidado próximo de cada paciente.

Levando em consideração que uma das características da PANLAR é a diversidade, para a elaboração deste artigo entrevistamos diversos especialistas e tomamos como critério de seleção a representação de diferentes regiões geográficas, idade e tipo de prática. Desta forma, apresentamos a seguir um amplo panorama do processo de adaptação à virtualidade no atendimento, pesquisa e ensino ao paciente, durante o contexto da pandemia.

 

Que desafios a pandemia COVID-19 representou na prática da reumatologia?

 

Dr. Miguel Albanese, reumatologista uruguaio, ex-presidente da Sociedade Uruguaia de Reumatologia, eleito presidente da PANLAR e membro do seu Comitê Executivo.

A reumatologia é uma ciência médica que se baseia, como tal, na relação humana médico-paciente. De repente, fomos ameaçados por uma epidemia com mortalidade e transmissibilidade muito aumentadas, e na qual o grande vetor são os humanos. Diante disso, a primeira coisa que você sente é a alteração da relação humana, médico-paciente. A primeira coisa que sinto como reumatologista, como médico prático, são distúrbios de comunicação, distúrbios de empatia. Então tivemos que repensar de repente como nos relacionar na pandemia, nos isolar, e daí surgiu toda a metodologia de como nos acomodar a esta realidade.

 

Dra. Deshiré Alpízar Rodríguez, MD-PhD, coordenadora da Unidade de Pesquisa, Faculdade Mexicana de Reumatologia.

Os desafios foram levantados na prática pública e privada. No setor público, muitos hospitais foram reconvertidos e as consultas de reumatologia foram canceladas por meses. No setor privado, as visitas dos pacientes tinham que ser espaçadas e as consultas reduzidas em número e frequência.

 

Dr. Carlos Toro, interno e reumatologista, mestre em Autoimunidade, secretário geral da PANLAR e diretor geral do Centro de Referência em Osteoporose, Reumatologia e Dermatologia, Cali, Colômbia.

O maior desafio era dar continuidade ao atendimento ao paciente por meio de teleconsultas. Adaptar-se a ela, não só em relação ao uso da tecnologia, mas também com o desenvolvimento de habilidades para substituir as informações obtidas no exame físico.

 

Dra. Vianna Khoury, interna reumatologista dominicana, professora universitária e especialista da Clínica Unión Médica.

O primeiro desafio era pensar em como eu poderia proteger aos meus pacientes da melhor maneira possível para evitar que contraiam o vírus e, então, encontrar uma maneira de acompanhar a sua patologia com o mínimo de exposição.

 

Dra. Annelise Goecke, reumatologista, MSc, professora associada da Universidade do Chile, chefe da Seção de Reumatologia do Hospital Clínico Universidad de Chile, ex-presidente da Sociedade Chilena de Reumatologia.

Durante o pico da pandemia, em 2020, alguns pacientes ficaram muito tempo sem controle e chegaram posteriormente com graves descompensações das doenças de base. Nesse período, migrou para atendimento remoto, com limitações na capacidade de realizar o exame físico completo. Muitos pacientes tiveram longos períodos de isolamento e um estilo de vida sedentário. Uma alta taxa de depressão, ansiedade e dor difusa têm sido associadas à demanda usual por consultas de reumatologia e impactam gravemente a qualidade de vida. Nos pacientes mais velhos, a sarcopenia e a depressão são problemas difíceis de reverter, ainda mais quando existe o medo de se infectar.

 

Qual foi a principal mudança no seu relacionamento com os seus pacientes?

 

Dr. Miguel Albanese

Tenho um exercício de carreira de aproximadamente 40 anos. Uma das coisas que foram proibidas durante a minha formação médica foi o contato telefônico; você não podia ver os pacientes ao telefone. Este obedeceu ao cumprimento de algumas normas estabelecidas pela cultura de onde venho; dogmaticamente, na faculdade de medicina onde fui treinado, foi apontado que somente na consulta presencial eu deveria obter informações de primeira mão e da visão do paciente. A presença foi quase obrigatória no exercício da minha carreira.

 

Atualmente, a prática da medicina inclui outros métodos que permitem o atendimento à distância e o uso de teleconsultas. Devido à pandemia, tivemos que nos distanciar e manter contato com os pacientes; uma das coisas que foi implementado foi o uso da tecnologia a serviço da comunicação. Ou seja, conseguimos quebrar aquela primeira lacuna, a insegurança produzida pelo encontro mediado pela tecnologia, e tivemos que "tentar disfarçar" essa insegurança e encontrar elementos que pudessem dar a oportunidade de corrigir ou orientar o paciente da melhor forma possível, por meio eletrônico.

 

Nesta pandemia, uma das coisas que me aconteceram foi que eu tive que ver apenas 10% dos meus pacientes pessoalmente, os 90% restantes tiveram que ser tratados por outros meios.

 

Dra. Deshiré Alpízar

Em relação à atividade da doença, vários pacientes estavam descontrolados, pois as consultas eram espaçadas ou eles próprios não compareciam por medo de contágio. Também havia escassez de tratamentos.

 

Outro aspecto importante, tanto para a relação médico-paciente quanto para a pesquisa médica e formação de consultores, é o uso das redes sociais. Os pacientes estão se adaptando e atentos às informações que nelas encontram, sendo também notável a maior presença nas redes de profissionais da saúde especializados em reumatologia, que individualmente, ou por meio de diferentes associações, fornecem informações aos pacientes, sociedades de pacientes e clínicos gerais.

 

Dr. Carlos Toro

A falta do exame físico leva você a ampliar o questionamento, a desenvolver habilidades para substituir aquela revisão tangível, por meio da teleconsulta, e também - infelizmente - à necessidade de solicitar mais exames laboratoriais ou imagens. Outro aspecto que tenho notado, e que considero um tanto negativo, é que no início da pandemia os pacientes eram muito gratos à equipe médica e ao desenvolvimento da teleconsulta, mas agora a situação é outra: muitos sentem exaustos devido ao prolongamento da situação atual e recebem com menos satisfação as consultas não presenciais.

 

Dra. Vianna Khoury

O relacionamento íntimo tem sido comum nas minhas consultas com os pacientes; tratá-los com aquele carinho afetivo que nos caracteriza, latinos, não é mais possível ... pelo menos agora. Ter que manter esse distanciamento emocional torna a relação médico-paciente mais fria.

 

Dra. Annelise Goecke

Na minha prática, há algum tempo voltamos ao atendimento presencial e mantendo apenas o atendimento remoto para gerenciamento de documentos. Por esse motivo, no meu caso, a mudança se refere especificamente à perda da proximidade física usual na saudação e instâncias semelhantes.

 

Como tem sido o manejo da tecnologia e o processo de aceitação dos profissionais de saúde e pacientes a esta nova forma de consulta?

 

Dr. Miguel Albanese

A tecnologia é obviamente uma coisa nova. Venho de um lugar onde o uso de tecnologias de comunicação era proibido na minha formação médica; mas a necessidade faz o homem. Hoje digo que, felizmente, temos ferramentas tecnológicas que nos permitem comunicar. Os meus pacientes são geralmente idosos e parcialmente adaptados à tecnologia durante a pandemia; alguns saíram muito bem, e o uso do telefone celular e as videochamadas me deram bons resultados. Outros desconfiavam da tecnologia. Apesar disso, fui capaz de me adaptar a todos eles.

 

Dra. Deshiré Alpízar

Pacientes e médicos estão abertos ao uso de plataformas online para consultas no México. No entanto, as plataformas e a abordagem variam muito.

 

Dr. Carlos Toro

No meu caso, me adaptei rapidamente ao processo de teleconsulta e consegui manter o mesmo volume de atendimento ao paciente que tinha antes da pandemia, mas definitivamente percebi as dificuldades de adaptação que os pacientes, e mesmo as equipes de trabalho, tinham. Percebemos, de um dia para o outro, que, como equipes de trabalho em saúde, deveríamos ter uma infraestrutura melhor para nos conectar e poder realizar nosso trabalho da melhor forma.

 

Dra. Vianna Khoury

Para mim, o processo foi um pouco difícil. Alguns pacientes solicitam teleconsultas e sentem-se confortáveis ​​em serem tratados dessa forma, pois se sentem mais protegidos; no entanto, outros solicitam a consulta virtual pela primeira vez, mas depois passam para a consulta presencial; e outros, definitivamente, não se sentem à vontade com a virtualidade, por isso solicitam o atendimento presencial. Quanto à minha percepção como profissional de saúde, vejo no uso da tecnologia uma opção devido à situação atual do vírus. Porém, não é uma prática muito satisfatória para mim, pois, como reumatologistas, não devemos apenas ouvir aos nossos pacientes, mas sentir suas articulações, seus pontos doloridos, entre outras coisas.

 

Dra. Annelise Goecke

No meu hospital, já retornamos ao atendimento presencial. A tecnologia é um suporte, mas a utilizamos para consultas relacionadas a controles de exames ou solicitação de documentos. Tínhamos esse sistema em funcionamento antes da pandemia e ele tem sido favorável, mas atualmente a consulta usual é presencial.

 

Você acha que depois da pandemia tudo voltará a ser como era antes ou essas mudanças permanecerão na prática da medicina?

 

Dr. Miguel Albanese

Tivemos um evento traumático. Graças à tecnologia, fomos capazes de manter essa atividade basal; eu tive contato com os pacientes, embora tardiamente, o meu trabalho ficou em um 80% e perdi 20% de presença. Ou seja, a tecnologia foi a ferramenta que me permitiu permanecer ativo, tanto no ensino quanto no cuidado, viva a tecnologia! Devo também reconhecer que o uso de tecnologias me permitiu participar de eventos científicos anuais e desenvolver o trabalho n PANLAR. Embora seja claro que nada substitui o encontro pessoal.

 

Acredito que, a partir de agora, a nossa prática profissional será um modelo híbrido. Muitas consultas serão presenciais, pois o encontro presencial com o paciente continuará sendo importante. Eu, pessoalmente, estou planejando que as consultas ímpares, ou seja, a primeira e a terceira sejam presenciais, mas a consulta par pode ser mediada pela tecnologia. Isso porque na primeira eu conheço o paciente, examino, solicito a análise; na segunda, posso falar e dar retorno pelo telefone, a tecnologia está implantada; no terceiro, eu o controlo, olho para ele e assim por diante.

Eu me sinto confortável e acho que os pacientes também se sentem confortáveis; economizam viagens, aguardam na consulta e há uma comunicação fluida. A tecnología veio para ficar.

 

Dra. Deshiré Alpízar

Acho que continuaremos com este sistema por vários anos. Provavelmente será configurado um modelo híbrido, com consultas de acompanhamento por teleconsultas e consultas presenciais na primeira vez.

 

Dr. Carlos Toro

Não creio que tudo volte a ser como era antes. No presente e no futuro, devemos nos adaptar às consultas em que as consultas presenciais e não presenciais se misturam. As vantagens da teleconsulta são muitas, pois se aplicada com parâmetros claros e critérios de seleção que sempre respeitem a vontade do paciente, ela trará muitos benefícios para a sociedade e para a relação médico-paciente. Para citar alguns benefícios: 1) Maior acesso e possibilidade de acompanhamento da população; 2) menor custo nas idas às consultas médicas; e 3) otimização do tempo.

 

Dra. Vianna Khoury

Tenho a impressão de que assim que o vírus e o seu grau de contágio forem controlados, tudo voltará a ser como era antes. Sem ir mais longe, já estamos vendo: no início da pandemia, no final de 2019 e início de 2020, os meus pacientes estavam com medo e 70% preferiam a consulta virtual. Atualmente, há 2 ou 3 meses, o número de pacientes atendidos na consulta presencial é quase o mesmo de antes da pandemia e muito poucos solicitam a consulta virtual, ou seja, pode ser inferior a um 5%.

 

Dra. Annelise Goecke

Acredito que a telemedicina tenha um papel fundamental de coadjuvante em certas ocasiões em que o exame físico não é tão importante, como o controle da toxicidade na mudança das doses dos medicamentos. Ou em outras áreas, por exemplo, o psicólogo que trabalha conosco migrou para consultas remotas; Da mesma forma, parte das sessões de formação do nosso enfermeiro e as sessões de exercícios orientados pelos nossos cinesiologistas também são feitas à distância, mas em muitos casos a consulta de reumatologia presencial deve ser mantida.

 

Em um nível pessoal, que desafios a pandemia representou na gestão do tempo de trabalho e da vida pessoal?

 

Dr. Miguel Albanese

Sim, agora são os mesmos espaços. Pessoalmente, tenho uma casa com espaços interiores e exteriores que me permitem dividir o meu tempo. No início da pandemia montei um escritório nos fundos da minha casa, onde tenho um ambiente externo e também posso rodar com o escritório menor que tenho dentro de casa. Também dosei as minhas horas de trabalho com horas de lazer. Eu tive que fazer uma equação inteira para que o trabalho e o pessoal não se encontrassem, porque sou uma pessoa que, antes da pandemia, trabalhava 12 horas fora de casa. Hoje estou 24 horas nele e às vezes vou ao hospital, então foi necessário dosar espaços e pontos de encontro com a minha família para recreação, para assistir filmes ou séries, para fazer um curso de culinária ou aprender a fazer alguma coisa. Em outras palavras, eu reinventei o entretenimento e os espaços de trabalho. Reinventei todo o meu mundo em casa.

 

Dra. Deshiré Alpízar

A nível pessoal, mudei praticamente todas as minhas atividades online. Grande parte da minha prática profissional é pesquisa clínica e isso também está mudando, pois o uso de ferramentas eletrônicas para obter informações tem se intensificado. Quanto à minha prática clínica, o acompanhamento da maioria dos meus pacientes foi online.

 

Dr. Carlos Toro

A nível pessoal, o desafio era saber manter o horário de trabalho, aproveitando esse tempo de forma eficiente, de forma a não prejudicar o descanso e o tempo em família. Manter a privacidade no trabalho também é importante, por isso foi necessário designar “áreas de trabalho” dentro de casa. No meu caso, mantive a ordem, e cada um dos membros da minha família também, pelo que fomos capazes - como grupo - de lidar com a situação de forma adequada. Uma grande vantagem do teletrabalho é que você termina o dia e "imediatamente" está em casa, economizando muito tempo.

 

Dra. Vianna Khoury

Para mim, o início da pandemia foi bastante difícil, pois eu dava aulas de Reumatologia na universidade e tínhamos que começar de um momento para o outro com as aulas virtuais, e o desenvolvimento dos exames no PVA. Portanto, era para entrar totalmente em um novo contexto para professores e alunos. Em relação à consulta ambulatorial, embora tenha sido suspensa por vários meses, os pacientes permaneceram em contato por telefone, relatando os seus sintomas, dúvidas e medos.

 

Por outro lado, como faço parte da diretoria do centro de saúde onde trabalho, dia a dia tive que enfrentar desafios e atender eventualidades relacionadas ao manejo de uma doença sobre a qual pouco se sabia na época. Ou seja, fiquei atenta aos funcionários, pois alguns não quiseram continuar prestando os seus serviços por medo do contágio; trabalhar em conjunto com enfermeiras, médicos e demais profissionais da saúde e apoio, oferecendo-lhes todas as medidas de proteção; além disso, cuidando para que não faltasse suprimentos que, como se sabe, na época eram bem escassos... Foi uma odisseia.

 

E se somarmos a isso que, como mãe, esposa e avó recém-liberadas, eu tinha que fazer todas as tarefas domésticas - embora, aliás, pudesse contar com a ajuda dos outros membros da minha família - as horas do dia eram poucas. Porém, a satisfação de poder cumprir cada uma das tarefas que assumia, superava o cansaço e o sentimento de desamparo que às vezes surgia, não podendo fazer mais para ajudar aos pacientes que frequentavam o centro em busca daquele bem tão precioso: a saúde.

 

Dra. Annelise Goecke

Durante esse período de pandemia, além de minha prática como reumatologista, apoiei o cuidado de pacientes cobiçosos na enfermaria e também fiz turnos em enfermarias de cuidados intermediários. Eu não pratiquei a medicina intensiva por muitos anos. O estresse de um exercício para o qual não me sentia profissionalmente preparada era grande; eu estava preocupada em me tornar um vetor de contágio para a minha família, mas por outro lado, como médica, sabia que o meu dever é apoiar aos pacientes quando eles precisassem, e também apoiar os jovens colegas que estavam sobrecarregados. Por tudo isso, era impensável para mim não estar lá com eles.

 

Por fim, a carga emocional de ver muitos pacientes gravemente enfermos, muitos deles falecidos, muitos com todo o grupo familiar doente, sem a possibilidade de serem visitados pelols seus entes queridos, foi um fator que se somou às dificuldades daqueles momentos.

 

No entanto, nem tudo foi negativo; voltei à medicina interna, voltei a ser o "interno" dos seus jovens colegas colocando-se à disposição deles; ter momentos de conversa descontraída nos turnos que geraram laços de afeto e camaradagem, que mais uma vez me mostraram o quão bonito é o trabalho do médico e da equipe de saúde. Além disso, ver como os grupos foram criados para possibilitar o contato à distância entre os pacientes e os seus familiares; vê-los se conectar novamente, tentando conversar com eles para diminuir a solidão... Enfim, como tudo na vida, foram tempos difíceis, mas com alguma doçura e azedume.

 

Como você vê o seu exercício em um ano e em cinco anos?

 

Dr. Miguel Albanese

A mudança é voltar à normalidade que tínhamos antes. Mas com essa injeção de tecnologia que tivemos durante a pandemia, me declaro um grande amigo das ferramentas de comunicação digital; mas também mantenho a validade do presencial, ou seja, vamos nos mover em um mundo híbrido de consultas presenciais e diferidas, bem como aulas presenciais e diferidas, um mundo 50/50.

 

Em relação aos próximos cinco anos, obviamente a pandemia estabeleceu um marco para a humanidade, uma ameaça, mas estamos começando a ver um mundo cada vez mais globalizado e verdadeiramente conectado. Portanto, não importa onde estamos no mundo, existem pontos em comum; não pensamos mais em termos de um só país, mas –no nosso caso– na região e globalmente. Quando é o problema de alguém é problema de todos, e a solução de alguém é a solução de todos. Portanto, temos que nos adaptar a um mundo global, a um mais integrado, para conhecer culturas diferentes. Estamos caminhando em direção a uma aldeia global.

 

Dra. Deshiré Alpízar

No futuro, visualizo minha prática profissional como um híbrido, ou seja, utilizando recursos online para acompanhamento e contato com os pacientes, mas continuo atendendo pessoalmente aqueles que precisam. Também imagino que mais ferramentas, como e-health apps, serão usadas, que podem ser gradualmente adaptadas para funcionar como suportes essenciais para pesquisas clínicas nas quais medimos os resultados relatados pelos pacientes.

 

Dr. Carlos Toro

Em um ano, vejo a situação semelhante a como está se desenvolvendo hoje; ou seja, a maioria dos pacientes atendidos por teleconsulta e alguns pessoalmente. Em cinco anos, acredito que a maioria será atendida presencialmente, mas um percentual significativo, próximo a 20%, poderá ser examinado por teleconsulta. Também acredito que em alguns anos estaremos melhor preparados em termos de infraestrutura e alfabetização digital.

 

Dra. Vianna Khoury

Digo de antemão que sou uma pessoa otimista. Na minha prática profissional, daqui a um ano a vejo bem e melhorando, pretendo continuar com as tarefas habituais que me ocupam no momento e sei que vão melhorar, já estou vivendo isso. Em cinco anos, me vejo um pouco mais tranquila, com menos carga acadêmica e administrativa, mais focada na parte profissional com o paciente e com mais tempo para a minha diversão pessoal e familiar.

 

Dra. Annelise Goecke

Acredito que a pandemia não vai desaparecer rapidamente; será necessário nos adaptarmos, incorporando alguns cuidados à prática rotineira, para que continuemos evitando aglomerações na sala de espera e isso implicará em maiores intervalos entre paciente e paciente, entre outros aspectos.

 

No meu caso, a consulta presencial continuará sendo o meu forte; o atendimento à distância é uma ajuda, mas para atividades específicas, controles de baixa complexidade, entre consultas presenciais ou revisão de exames e tarefas educacionais.

 

QUE DESAFIOS PERMANECEM?

 

O COVID-19 mudou o nosso mundo. Para os reumatologistas, a pandemia transformou a maneira como aprendemos, ensinamos, nos comunicamos e cuidamos de nossos pacientes. Um artigo recente sobre o futuro papel do reumatologista fez as seguintes perguntas: Quem de nós sabia há alguns anos o que significava zoom ou telessaúde? Como fazemos ou ensinamos um exame reumatológico ou a arte das injeções por meio da telessaúde? Como integraremos razoavelmente a telessaúde a um menu de cuidados mais amplo do que antes? (4-6)

 

No aspecto mais complexo, os entrevistados concordam que essa situação gerou uma modificação na relação médico-paciente como a conhecíamos, bem como a interrupção de atendimentos e tratamentos médicos (por carências), problemas de adaptação à tecnologia e isolamento de pacientes.

 

Por outro lado, enquanto em todo o mundo os governos tomam decisões sobre quarentenas, com base no número de infecções e mortes, é claro que esta pandemia trouxe consigo uma mudança de vida para todos (médicos e pacientes) e a reorganização de muitos aspectos, como educação, trabalho e convivência em casa. No que diz respeito à prática da medicina, a pandemia do COVID-19 fraturou a tradição do treinamento presencial dos profissionais de saúde e do exame físico como o santo graal da relação médico-paciente.

 

Mas nem tudo é negativo. Reinvenção foi a palavra-chave desta pandemia. No campo da saúde, abriu a oportunidade de explorar massivamente a telemedicina como tecnologia e, uma vez conhecidos, especialistas e seus pacientes, sentindo-se mais confortáveis, reconheceram a utilidade desta ferramenta e identificaram estilos de cuidado que podem dar continuidade a essa dinâmica.

 

Além disso, isto levará a uma adaptação progressiva aos avanços tecnológicos e à descoberta das vantagens da telemedicina que, com o tempo, se tornarão mais importantes, assim como o uso das redes sociais para a educação de médicos e pacientes.

 

Muitos consideram que o futuro imediato será uma combinação de telemedicina e visitas ao consultório. A telemedicina deve permanecer uma opção desejável para aqueles que têm uma doença estável ou não podem viajar para o escritório. Espera-se que as conferências e reuniões sejam realizadas novamente presencialmente e sejam complementadas com atendimento virtual. O dia de trabalho do futuro pode ser drasticamente diferente do que hoje. (6)

 

A telemedicina, sem dúvida, conecta a conveniência, o baixo custo e o fácil acesso às informações e comunicações relacionadas à saúde por meio da Internet e tecnologias associadas. Durante a epidemia do coronavírus, a telemedicina foi a primeira linha de defesa dos profissionais de saúde para conter a propagação de infecções, prestando serviços por meio de ligações telefônicas ou videoconferências para atendimento personalizado nos casos leves e limitando os recursos de saúde para os casos mais urgentes (7).

 

Além disso, e não menos importante, a prática da medicina - seja ela virtual ou presencial - deve ser enquadrada para o benefício de todos e em sistemas de saúde que sejam equitativos com todas as populações. A preocupação com os pacientes vulneráveis ​​que têm pouco acesso à Internet ou conhecimento digital limitado é relevante, assim como os benefícios que muitos trariam para evitar, por exemplo, longas jornadas graças ao uso da tecnologia, mas não é um segredo que enfrentamos uma população e sociedades em que existem barreiras digitais.

 

Neste sentido, um grupo de pesquisadores apontou os desafios que o exercício da teleconsulta pode representar e que devem ser levados em consideração. Para garantir que a implementação atual da telemedicina não exacerbe as disparidades de saúde, os autores propõem quatro ações principais para médicos e líderes do sistema de saúde (7):

 

  • Explorar proativamente as disparidades potenciais no acesso à telemedicina.
  • Desenvolver soluções para mitigar barreiras à alfabetização digital e os recursos necessários para participar de visitas de vídeo.
  • Eliminar as barreiras criadas pelo sistema de saúde para acessar as visitas de vídeo.
  • Defender políticas e infraestrutura que facilitem o acesso equitativo à telemedicina.

 

A evolução da reumatologia, a curto, médio e longo prazo, será sem dúvida influenciada por esses novos e mutantes paradigmas. Em vez de permanecer passivo diante destes avanços, é necessário se preparar para os desafios de mudança que o futuro traz (8).

 

Neste sentido, a PANLAR vem preparando um curso online a ser lançado em breve sobre "Telessaúde como ferramenta para o diagnóstico e monitoramento da artrite reumatoide", que visa fornecer aos reumatologistas informações completas sobre os pontos fortes e fracos da telemedicina para o tratamento da doença da artrite reumatoide, incluindo ferramentas tecnológicas para o diagnóstico, avaliação e registo de dados, implicações jurídicas e segurança do paciente, que permitirão avaliar as experiências da região no contexto da pandemia.

 

2020 foi um ano difícil e, além de cifras, softwares, tecnologias, o aspecto fundamental que todos os entrevistados apontaram em relação à teleconsulta é não perder o caráter humano da relação médico-paciente, tanto presencial quanto virtual. Sem dúvida, a pandemia COVID-19, à qual todos estávamos radicalmente expostos, levanta questões para o futuro: como melhorar a telemedicina? Como nos adaptamos a um futuro "híbrido"? Que barreiras existem? Todas essas questões serão respondidas com o tempo, ao mesmo tempo que nos permitiu repensar a nossa atenção após a chegada de um vírus.

 

Por tudo isso, ratificamos que, mesmo em momentos difíceis, a proximidade e o exercício da profissão devem ter ao paciente e à sua proteção como centro. Um desafio que, sem dúvida, vai além de um vírus que chegou sem avisar e que mudou todas as rotinas e práticas.

 

REFERÊNCIAS

 

  1. Teleconsulta durante una pandemia - Hoja Informativa. OPS. 2021: 2. Disponível em: https://www3.paho.org/ish/images/docs/covid-19-teleconsultas-es.pdf 
  2. Sistema de Salud ha realizado 63,1 millones de atenciones virtuales y telefónicas. Ministerio de Salud y Protección Social. República de Colombia. Boletín de prensa 590; 2021. Disponível em: https://www.minsalud.gov.co/Paginas/Sistema-de-Salud-ha-realizado-63.1-millones-de-atenciones-virtuales-y-telefonicas.aspx 
  3. Gelman L. How Did the COVID-19 Pandemic Affect Medication Choices and Doctor Visits? What Data on 10,000+ Rheumatic and Musculoskeletal Disease Patients Shows. Creaky Joints. 2021. Disponível em: https://creakyjoints.org/living-with-arthritis/coronavirus/patient-perspectives/covid-19-pandemic-impact-rheumatic-disease-medication-doctor-visits/ 
  4. Lim, N., Wise, L. & Panush, R.S. Challenging Issues in Rheumatology: Thoughts and Perspectives. Clin Rheumatol 2021;40:1669–1672. https://doi.org/10.1007/s10067-021-05709-4
  5. New Way of Treating Patients (Podcast/Spanish) Global Rheumatology Disponível em https://globalrheumpanlar.org/podcast/la-nueva-forma-de-atender-pacientes-429?language=en&page=2&title= DOI : https://doi.org/10.46856/grp.232.e039
  6. Lim N, Wise L, Panush R. Challenging Issues in Rheumatology: Thoughts and Perspectives. Clinical Rheumatology 2021; 40:1669-1672. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10067-021-05709-4 
  7. Jancin B. Telerheumatology will Thrive Post Pandemic.  Medscape. 2021. Disponível em: https://www.medscape.com/viewarticle/947628 
  8. Nouri S, Khoon E, Lyles C, Karliner L. Addressing Equity in Telemedicine for Chronic Disease Management during the COVID-19 Pandemic. NEJM Catalyst. 2020; 1-13. Disponível em: DOI: 10.1056/CAT.20.0123



 

enviar Envía un artículo