Perfis
Escuchar
Pause
Play
Stop

Julio Mazzoleni, um reumatologista de multiplas facetas

Para : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



17 Março, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.25.e071

"O trabalho dos ministros da saúde de todo o continente diante da pandemia covid-19 tem sido titânico devido às características da doença, à incidência nos países, bem como aos diversos problemas nos sistemas de saúde. as pressões e estar, de uma forma ou de outra, no olho do furacão. Neste mês destacamos o perfil do Dr. Julio Mazzoleni, até poucos dias atrás Ministro da Saúde do Paraguai, e reumatologista de profissão"

Visualizações 1393Visualizações

"Eu estava esperando a sua ligação", diz ele ao atender o telefone. Foi uma reunião marcada no meio da sua então agenda ministerial, mas da qual não hesitou um segundo em aceitar e abrir espaço. Do outro lado da linha está o Julio Daniel Mazzoleni, até poucos dias Ministro da Saúde do Paraguai, reumatologista de profissão e, como diz, com vocação de serviço que o acompanhou ao longo dos seus 49 anos.

Possui várias “facetas” e quando as lembra, não o faz como capítulos independentes, mas como um todo, o que lhe permitiu direcionar a saúde do seu país “depois da pior epidemia de dengue”.

Ele é médico, é reumatologista, é professor, é comandante de Corveta Sanitário, é ministro, marido, pai, colega ... Ele é tudo que ele construiu, e se orgulha de tudo. “A vida foi generosa comigo e permitiu-me ter muitas facetas e tenho gostado de cada uma delas, todas elas foram desafiadoras, mas também bastante enriquecedoras.

Doutor em Medicina, formado no quadro de honra da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nacional de Assunção. Além disso, ele completou uma residência em Medicina Interna, bem como uma especialização em Reumatologia, na Emory University, Atlanta. “Uma perspectiva bastante variada”, diz ele, listando os seus diferentes empregos.

 O Julio Mazzoleni é paraguaio, nascido em Assunção, no dia19 de dezembro de 1971, é casado e pai de dois filhos.

 Antes de assumir o cargo de ministro, foi chefe do serviço de Reumatologia do Hospital Central do Instituto da Segurança Social. Também fez parte da equipe médica do Hospital Sanitário da Marinha do Paraguai e, após servir como Médico Militar da Saúde por 18 anos, aposentou-se voluntariamente com o posto de Comandante de Corveta Sanitário. Além disso, ele atuou como reumatologista no seu consultório particular por 15 anos e duas vezes como presidente da Sociedade Paraguaia de Reumatologia.

 

 DESAFIOS DIANTE DA PANDÊMICA

 “É uma situação desafiadora. Eles são desafios um após o outro. Estávamos saindo da maior epidemia de dengue das últimas duas décadas no Paraguai e tínhamos que enfrentá-la com um sistema de saúde frágil e um quadro de funcionários cansado”, conta dessa experiência como ministro.

 Abrigos obrigatórios para quem chega na zona da fronteira, eventos sociais fechados, posteriormente a incorporação de medidas de distanciamento físico e lavagem das mãos e a quarentena.

 Uma das suas decisões mais difíceis, ele destaca, é o fechamento do país com dois casos de covid-19. “Isso, produto de uma análise honesta das nossas limitações, do dengue recente e de não podermos descartar uma circulação comunitária. Posteriormente, como quase todos os países da região e do mundo, acesso a insumos, dificuldades de compra e, na chegada, problemas com alguns que não atendiam às especificações técnicas. São momentos difíceis que devem ser administrados”.


VOCAÇÃO

 “Na verdade, a minha nunca foi específica da Medicina”, conta a história da sua vida. Com o passar do tempo, com o desafio que significavam os acadêmicos, mas acima de tudo a vocação de serviço, o caminho ficou claro. “Isso acabou me levando a isso, à Medicina”, completa.

 Com a reumatologia, disse ele, é um pouco sobre "as coincidências da vida". E nos Estados Unidos ele o descobriu em meio a "tantos segredos, letras raras e minúsculas". “Fiquei cativado por esta especialidade e enquanto fazia Medicina Interna já sabia o que queria ser”, destaca.

 Na sua vida pública e política ele traz um imenso ensino da Reumatologia. “Sempre se baseie em evidências, mas aprenda a conviver com um certo grau de incerteza. Lute por tudo que pode ser mudado e aceite as realidades que não podem ser mudadas. Esta é uma prática diária para nós que somos reumatologistas, lidando com doenças complexas, algumas sem tratamento específico. Esta é a magia da reumatologia, sempre se baseia em evidências, mas diante de doenças pouco conhecidas vive-se com uma certa incerteza”, afirmou.

Ao retornar ao Paraguai, diz ele, “havia poucos reumatologistas”, portanto o campo de ação era bastante amplo. "Embora eu tenha áreas de interesse como artrite reumatóide, lúpus, doenças inflamatórias, também tive que ver crianças porque quando cheguei não havia reumatologistas pediátricos."

 “Tive também a oportunidade de montar um serviço de Reumatologia no Instituto da Segurança Social, por isso tenho a satisfação de formar várias gerações de discípulos”, diz, e deste último, acrescenta “é uma das maiores satisfações na minha carreira profissional. O nível do programa tem crescido exponencialmente e muitos destes discípulos são melhores que o professor”, indica.

 Diante disso, ele lembra que no primeiro dia de aula mandou aos seus alunos questionarem tudo, principalmente ele. E no último dia, diz ele, o conselho foi “sempre compartilhe o conhecimento com quem quer que seja. Você não precisa guardar nada do que aprende, essa é a essência da Medicina e do ensino”.

“Todos esses aspectos da minha vida me ajudam muito. No aspecto militar, me orienta para a disciplina, para soluções e cursos de ação. No aspecto científico, procuro sempre estar à sombra das evidências para todas as ações que realizamos, além disso, a parte didática nos permite ter a inteligência emocional que nos conecta com as pessoas e colegas de trabalho”, e a essa análise acrescenta o seu papel de ex-assessor da indústria, o que lhe permite conhecer todo o cenário de forma periférica e a possibilidade de articular alianças em circunstâncias como esta.

 Em relação aos seus colegas e à equipe médica que estão na linha de frente no tratamento da pandemia, ele tem apenas palavras de agradecimento. “O que digo sempre que tenho a oportunidade é que estou profundamente orgulhoso de ser a face visível de um exército de branco no Paraguai. Nas nossas trincheiras em torno de terapias e emergências, que se estende a todo o setor de saúde. Essa situação valorizou mais a contribuição dos trabalhadores da saúde e colocou em perspectiva para o país a necessidade de fortalecer o sistema de saúde, o que ainda é um desafio permanente”, afirma.

 

PANLAR

Ele se declara "crente convicto" na necessidade de fortalecer à PANLAR. “Sempre me senti parte disso e quando fui duas vezes presidente da Sociedade Paraguaia de Reumatologia fizemos todo o possível pelo crescimento que ela tem hoje e que foi muito importante na última década”, afirma.

Acrescenta que do Paraguai o trabalho dos seus bolsistas foi orientado para que pudessem publicar, que sempre estiveram a par das ações da PANLAR, participando ativamente, além da possibilidade de ingressar em outras organizações e conexões com a ACR e EULAR.

“Estou muito feliz com o desenvolvimento da organização e acredito muito na força e no futuro que ela tem”, diz ele.

 

VIDA FAMILIAR

Os horários, diz ele, não mudaram muito como médico, professor ou ministro, “mas sim o nível de responsabilidade e, sobretudo, o nível de exposição na mídia. E às vezes é difícil administrar com a minha família, mas tenho o apoio”. A crítica está na ordem do dia, diz ele, "uma realidade que certamente existe em todos os países" e por isso que o apoio familiar é essencial.

A sua esposa também é colega, a Shantal Agüero, flebóloga, mãe dos seus dois filhos, o Lucca e o Nicola, de 19 e 18 anos, respectivamente. O Lucca é voltado para a economia, enquanto o mais novo vai para o lado das artes liberais "e provavelmente algo do reino da psicologia".

A vida familiar, ele admite, tem sido desafiadora. “A minha esposa tem conseguido espaços nos quais compartilhamos momentos de qualidade. À noite ou no fim de semana a gente se conecta, almejamos essa interação de qualidade e ela é quem faz isso”, admite.

Ele também sente falta de servir aos pacientes e de ser professor. “A oportunidade que tive de impactar um número maior de pessoas é bastante sedutora. Acho que gostaria de ter uma função gerencial, talvez na diplomacia da saúde, me preparar para uma organização internacional ou continuar a exercer uma função de serviço dentro do meu país”, indica.

“Sinto muita falta da proximidade, do debate científico, da integração. Um pouco daquela interação mais próxima com cada um dos meus pacientes. O reumatologista tem a particularidade de manter um relacionamento por anos com os nossos pacientes, uma ligação muito tênue se estabelece, e esses laços são difíceis de romper e sinto saudade disso”, diz.

 Ele fala da sua infância que foi muito feliz. Sem grandes circunstâncias particulares. “Eu era um menino bastante aplicado, apaixonado pelos esportes, gosto muito do futebol e continuo praticando, então fiquei muito conectado a essa cultura. Isso marcou a minha vida. E no ambiente universitário me arrisquei na parte sindical”.

 “Sou torcedor de um time muito pequeno, o Nacional, é modesto na popularidade. Sou filho de um líder do futebol e é daí que vem a influência, assim como de alguém que já fez política”, afirma.

 DECISÕES

 “Tenho tomado muitas decisões que parecem que vão me definir ou me restringir e a vida tem tomado rumos diferentes. Tive a oportunidade de me dedicar à parte acadêmica, no campo militar, nunca pensei que fosse me aventurar no campo político. Eu não mudaria nada, acho que tenho a grande bênção de poder ter me envolvido em quase todas as facetas que um médico pode ter e me considero muito sortudo por isso. Tem sido muito enriquecedor e estou muito satisfeito com isso”, reflete o Dr. Mazzoleni.

 Quando lhe pediram para ser ministro, confessa, pareceu "um pouco surreal".

 “Eu vinha colaborando com o presidente do meu país, que conhecia desde sempre, e parecia bastante informal, embora o fizesse com muita responsabilidade. Então, quando ele escolheu uma pessoa do meu perfil, bastante técnica, conhecedora do sistema, mas sem ativismo político, senti realmente o peso da responsabilidade, mas também que era o momento certo da minha vida para assumir um desafio dessa magnitude, para sair da zona de conforto. Foi quase irresistível e foram uma mistura de sentimentos de enorme responsabilidade e uma situação pessoal que me preparou e para o desafio”, afirma.

 Na América Latina, reflete ele, o principal desafio é financiar "doenças de baixa prevalência e medicamentos de alto custo". Ele acrescenta que “a reumatologia está avançando a passos largos, mas muitas vezes as terapias complexas que oferecemos nos nossos países são um pouco heterogêneas”.

 

Fotos tiradas das contas do Dr Mazzoleni no twitter e no instagram.

enviar Envía un artículo