Coluna
Escuchar
Pause
Play
Stop

Covid-19, vencedores e perdedores

Por : Elias Forero Illera
Internista reumatólogo 



01 Agosto, 2022

https://doi.org/10.46856/grp.22.ept129

"Publicações recentes mostram outros vencedores inesperados nesta luta contra os vírus: são as misturas preparadas pelas avós desde tempos imemoriais à base de frutas cítricas."

Visualizações 251Visualizações

Covid-19, vencedores e perdedores

Dr. Elías Forero MD

Orcid 0000-0001-8064-8621

 

Recebido em 6 de julho / Aceito em 27 de julho / Publicado em 1º de agosto 2022

Cite as:  Forero Illera E. Covid-19, ganadores y perdedores . Global Rheumatology ; (5) 2022.. Available from: https://doi.org/10.46856/grp.22.e129

 

Após três anos de pandemia, milhões de mortos e muitos milhões de dólares investidos no combate da Covid e os seus congêneres, quais são as conclusões às que podemos chegar? Quem pode ser creditado com sucesso nesta batalha contra o SARS-CoV-2 e as suas variantes?

A verdade é que vamos precisar de muito tempo e tecnologia para estudar toda a informação obtida durante estes anos. O verdadeiro sucesso será controlar as ameaças futuras de forma rápida e eficaz.

Mas vamos ao ponto de interesse. Quem ganha e quem perde nesta rodada com a natureza? Os primeiros perdedores foram aqueles que acreditavam que as coisas seriam fáceis tentando demonstrar a eficácia de medicamentos antigos com alguma propriedade antiviral previamente demonstrada.

As teorias dos efeitos antivirais de medicamentos como hidroxicloquina, ivermectina e azitromicina venderam estes medicamentos nas prateleiras das farmácias, mas não corresponderam às expectativas no mundo real (1). Outros perdedores, embora não queiram aceitar, são os grupos antivacinas. Eles usaram todo tipo de informações falsas e teorias de conspiração para demonstrar os perigos do uso das vacinas e, embora sempre haja um grupo de pessoas ingênuas, a verdade é que eles não conseguiram impedir o avanço da ciência.

Hoje, em termos de vacinação, o mundo é diferente. 66,7% da população mundial recebeu pelo menos uma dose de uma vacina contra o covid-19. 12,13 bilhões de doses foram administradas em todo o mundo e 5,92 milhões agora são administradas a cada dia (2). Esses números deixam como claros vencedores aos cientistas que apostam no desenvolvimento destes medicamentos como método de controle da pandemia. A técnica utilizada para a síntese das novas vacinas não importava. Uma vez aprovados, todos os biológicos cumpriram o seu papel, reduzindo o número de casos graves, ou seja, diminuindo a mortalidade, e conseguiram fazê-lo realmente.

Podemos incluir no grupo vencedor a indústria farmacêutica que, em tempo recorde, conseguiu demonstrar a eficácia antiviral de outras estratégias farmacológicas. Paxlovid, um medicamento oral que combina nirmatrelvir e ritonavir, reduz o risco de hospitalização ou morte em 89%, em comparação com o placebo, em adultos não hospitalizados, mas com um alto risco de desfecho ruim.

Em maio de 2021, a FDA aprovou o uso do medicamento biológico sotrovimabe. Este é um anticorpo monoclonal humanizado (IgG) de tecnologia recombinante que se liga com alta afinidade a um epítopo altamente conservado no domínio de ligação ao receptor da proteína S do SARS-CoV-2. O seu mecanismo de ação exato não é bem compreendido, mas parece impedir a fusão após o vírus se ligar ao receptor humano da enzima conversora de angiotensina 2. O uso do sotrovimabe foi associado a uma redução de 85% no risco relativo de progressão para doença grave ou crítica e até 79% de redução no risco de hospitalização por qualquer causa ou morte até o dia 29. Além disso, nenhum problema foi identificado que comprometesse o tratamento (3).

No campo da epidemiologia e saúde pública, uma divisão de honras poderia ser considerada. Embora tenham sido observados erros na previsão e reação ao anúncio do vírus (4), também é verdade que, uma vez organizados, conseguiram prever com relativa precisão a evolução da pandemia e identificaram a primeira forma de controle do vírus, ou seja, o uso generalizado das medidas de biossegurança.

A lavagem das mãos, o uso de máscaras faciais e o distanciamento social se mostraram medidas eficazes no controle da pandemia com uma vantagem adicional: são baratas. Vacinas, antivirais, anticorpos e todas as tecnologias mencionadas têm um pequeno problema, o custo de produção. Este problema, que afeta todo o mundo e afeta em maior medida toda a nossa área latino-americana, nos obriga a buscar outros remédios baratos e amplamente disponíveis.

Publicações recentes mostram outros vencedores inesperados nesta luta contra os vírus. São as bebidas preparadas pelas avós desde tempos imemoriais à base de frutas cítricas. Lemonelo e Naringenina (5.6), entre outras substâncias, possuem propriedades antivirais interessantes, o que explica o sucesso das avós no tratamento das síndromes virais.

Temos exemplos em todo o mundo, na Colômbia a liderança é tomada pela água quente de panela com limão. No México, um simpático correspondente nos conta que o suco de limão adoçado com mel e tomado em colheres de chá é o remédio caseiro que não falta no tratamento destas condições de etiologia viral. No Brasil, água de sabugueiro ou água de flor de camomila ou folhas de erbabuena adoçadas com rapadura são as infusões usadas para combater os sintomas do resfriado. No meu caso, foi necessário recorrer ao gengibre com água de rapadura. Essa infusão serviu para aliviar a tosse incômoda que acompanha esta síndrome viral.

Outra medida muito utilizada em algumas regiões do país é tomar banho com água morna e folhas de eucalipto. Não tenho experiência com este tratamento, mas sei que um sinal inequívoco de recuperação é encontrar o paciente saindo do banheiro barbeado e vestido de pijama limpo depois de tomar um banho exorcizante com água quente. O banho reconfortante traz outros sintomas de recuperação como a vontade de ler os jornais e tomar um bom café da manhã.

Confiemos então nas vacinas, na última tecnologia utilizada para o desenvolvimento de novos medicamentos e nas infusões com frutas cítricas preparadas pelas avós. Desta forma conseguiremos controlar esta e qualquer outra pandemia que afete o nosso planeta.

 

Referências

  1. Fiolet T, Guihur A, Rebeaud ME, Mulot M, Peiffer-Smadja N, Mahamat-Saleh Y. Effect of hydroxychloroquine with or without azithromycin on the mortality of coronavirus disease 2019 (COVID-19) patients: a systematic review and meta-analysis. Clin Microbiol Infect. 2021;27(1):19-27. doi:10.1016/j.cmi.2020.08.022.
  2. https://ourworldindata.org/covid-vaccinations?country=OWID_WRL
  3. García-Lledó A, Gómez-Pavón J, González Del Castillo J, et al. Pharmacological treatment of COVID-19: an opinion paper. Rev Esp Quimioter. 2022;35(2):115-130. doi:10.37201/req/158.2021.
  4. www.realinstitutoelcano.org/wps/portal/rielcano_es/contenido?WCM_GLOBAL_CONTEXT=/elcano/elcano_es/zonas_es/documento-espana-y-la-crisis-del-coronavirus.
  5. Senthil Kumar KJ, Gokila Vani M, Wang CS, et al. Geranium and Lemon Essential Oils and Their Active Compounds Downregulate Angiotensin-Converting Enzyme 2 (ACE2), a SARS-CoV-2 Spike Receptor-Binding Domain, in Epithelial Cells. Plants (Basel). 2020;9(6):770. Published 2020 Jun 19. doi:10.3390/plants9060770.
  6. Alberca RW, Teixeira FME, Beserra DR, et al. Perspective: The Potential Effects of Naringenin in COVID-19. Front Immunol. 2020;11:570919. Published 2020 Sep 25. doi:10.3389/fimmu.2020.570919

 

 

 

enviar Envía un artículo