Editorial
Escuchar
Pause
Play
Stop

O ecossistema de publicações científicas e o seu impacto na produção científica na América Latina

Por : Carlo V Caballero Uribe MD
Editor en Jefe Global Rheumatology by PANLAR



20 Setembro, 2022

https://doi.org/10.46856/grp.11.ept141

"Estamos comemorando dois anos do lançamento oficial da Global Rheumatology, uma nova revista científica da PANLAR. Neste período, a nascente publicação consolidou a sua política editorial com características diferenciadas que atendem às necessidades de promoção e difusão do conhecimento da comunidade reumatológica mundial e, em especial, da América Latina."

Visualizações 290Visualizações

O ecossistema de publicações científicas e o seu impacto na produção científica na América Latina

 

Carlo V Caballero-Uribe  MD 

Orcid https://orcid.org/0000-0002-9845-8620

Editor-chefe GRP 

Cite as: Caballero Uribe CV. O ecossistema de publicações científicas e o seu impacto na produção científica na América Latina [Internet]. Global Rheumatology. Pan American League of Associations of Rheumatology (PANLAR); 2022.. Available from: https://doi.org/10.46856/grp.11.ept141

Os periódicos científicos vêm migrando o seu modelo de negócios de pagamento de assinaturas à oferta de acesso aberto para publicação de artigos por meio de uma taxa de processamento de artigos (APC) (1). Os principais beneficiários desta migração foram os editoriais que publicam a maioria das revistas científicas do mundo. Um estudo recente (2) mostra que dos 505.903 artigos de acesso aberto (OA) analisados, 60,9% foram publicados em revistas de acesso ouro (Gold OA), no qual os autores pagam pelo processamento do artigo; apenas 8,6% em acesso diamante (não pagam APC), e 30,5% em revistas híbridas (devem pagar também pela publicação se quiserem que seja em AA). Os ingressos dos editoriais AA ouro acrescentou-se aos US$ 612,5 milhões, enquanto US$ 448,3 milhões foram ganhos com a publicação de AA em periódicos híbridos, pelos quais os editores já cobram taxas de assinatura.

Entre as cinco editoras, a Springer-Nature teve o maior ingresso de AA (US$ 589,7 milhões), seguida pela Elsevier (US$ 221,4 milhões), Wiley (US$ 114,3 milhões), Taylor & Francis (US$ 76,8 milhões) e Sage (US$ 31,6 milhões).

Neste contexto, optar por produzir e distribuir um periódico independente de acesso aberto diamante, o que significa não cobrar dos autores da APC e dos seus leitores pela leitura do conteúdo, não é uma decisão menor devido ao alto custo de manutenção de uma publicação científica (1,2).

Os APC constituem uma barreira muito importante na visibilidade da ciência que é produzida globalmente e que, em princípio, beneficia mais os interesses comerciais do que a divulgação científica (2).

Isto contrasta amplamente com uma realidade muitas vezes subvalorizada e mostra o potencial da América Latina, pois difere do que acontece no ecossistema de publicações científicas no nível global. Na região temos uma tradição sólida e profundamente enraizada, ou seja, as publicações pertencem principalmente às universidades e sociedades e não a editoras com fins lucrativos, pois visam divulgar a ciência e dar visibilidade à produção científica sobre interesses puramente comerciais (3).

Atualmente, a infraestrutura construída na América Latina por sistemas como a Redalyc (Rede de Revistas Científicas da América Latina e Caribe, Espanha e Portugal) ou SciELO (Scientific Electronic Library Online) coloca a região latino-americana na vanguarda da pesquisa mundial  com acesso aberto não comercial ou diamante, como esta prática está sendo chamada.

Uma análise detalhada das publicações científicas da América Latina e do Caribe, com base na consolidação dos registros das bases de dados dos periódicos indexados na SciELO e Redalyc para o período 1909-2019, mostra que existem 1.720 periódicos científicos na região, um acervo que constitui quase 800.000 artigos e mais de 2.500.000 autores para consulta gratuita. O trabalho destaca a predominância das universidades e instituições públicas neste circuito regional de publicação e detalha os periódicos que trabalham com o modelo APC na região, o que confirma que correspondem a um número bem inferior ao registrado em outros continentes, e o Brasil é o país com maior peso desta prática (3).

O reverso desta moeda é que essa escolha muitas vezes não é representada ou percebida como uma maior visibilidade da pesquisa científica. No entanto, os números mostram que, entre as várias regiões em desenvolvimento, a pesquisa está crescendo e se tornando mais visível.

A América Latina (no período 2000-2010) teve um crescimento de mais de 9% ao ano na sua produção científica, o que se traduziu em um aumento de quase 70% na sua participação nos manuscritos mundiais. Isso corresponde a pouco menos de 4,4% da produção mundial anual de artigos acadêmicos. O impacto da citação para a América Latina melhorou 1,6% ao ano, mas ainda está abaixo da média mundial (4).

A Clarivate, proprietária da Thomson Reuters, empresa que publica os conhecidos rankings que medem o fator de impacto, no seu relatório global (5) destaca que o número de pesquisas acadêmicas e "artigos" (artigos e resenhas) da região indexados na Web of Science (WoS) cresceu mais rápido do que na maior parte do resto do mundo. De 2016 a 2020, cinco países da região (Brasil, Argentina, México, Colômbia e Chile) publicaram mais de 25.000 artigos registrados na Web of Science (WoS), a maior base de dados de artigos do mundo. Outros 12 publicaram entre 1.000 e 10.000 artigos, e os outros 17 países da região publicaram em média menos de 200 artigos por ano. O Brasil é de longe o maior produtor de pesquisa e 10 dos 34 países, incluindo Cuba e México, representado mais de três quartos da produção regional.

Estes dados desafiam o conceito de "continente invisível", como de pouca visibilidade na ciência, em uma luta contínua para obter citações "globais". Esta produção, que é verificável, é muitas vezes subestimada por insiders e outsiders, pois muitas publicações são encontradas justamente em periódicos que pertencem a um forte ecossistema regional, mas não estão indexados nas principais bases de dados comerciais, como WoS ou Scopus (6). A contribuição da América Latina ao arsenal da ciência mundial está aumentando e está mais ou menos no meio da escala internacional em termos de produção e visibilidade.

A reumatologia não está isenta dessas tendências (7), sendo marcante a predominância de publicações nesta especialidade no hemisfério norte, com menor representação do hemisfério sul, talvez com a possível exceção do Brasil e da Índia.

 

As principais limitações identificadas foram –além da pouca colaboração internacional entre os países da região e a baixa visibilidade devido aos efeitos do idioma e do local de publicação (4)–, o escasso financiamento para investigar e publicar, tendo melhores programas de mentoria para jovens pesquisadores com mais tempo dedicado à pesquisa, além de apoio para melhorar a edição de documentos, entre outros fatores (8,9).

Esses achados apontam a necessidade de continuar investigando os padrões de comunicação científica nesta região para chegar a recomendações mais específicas que possam ser úteis para a formulação de políticas de pesquisa e publicação na América Latina. (10,11)

Há vários anos, por meio da PANLAR, grupos de estudos vêm se consolidando em diversas doenças reumáticas; alguns conseguiram mostrar as nossas diferenças e a necessidade de fortalecer a nossa própria pesquisa (12). Espera-se que com a nova Unidade de Investigação e com o lançamento preliminar de diferentes orientações de prática clínica, a organização (13) entre em uma nova fase em que será muito importante reconhecer os pontos fortes no trabalho colaborativo multinacional, na comunicação da ciência com padrões internacionais de qualidade exigidos pela comunidade científica, mas com a consciência de contribuir cientificamente para o continente, os seus pacientes e as suas próprias organizações, que é a única ação que garante o crescimento futuro.

A comunidade científica, por sua vez, deve avaliar estes dados para gerar uma estratégia comum que permita avançar na visibilidade desejada e consolidar um ecossistema de produção de ciência e publicações mais adequado e valorizado para a nossa região.

Na Global Rheumatology estamos fazendo todos os esforços para garantir, com artigos de qualidade, um espaço importante no ecossistema de publicações científicas na América Latina e no mundo, como foi comprovado por avaliações internacionais para entrar em índices como DOAJ (14) ou Latindex.

Atualmente, autores, revisores e leitores podem navegar em uma sólida plataforma editorial construída no Drupal, um sistema de gerenciamento de conteúdo multifuncional, modular, gratuito e com amplas capacidades de customização que permite a integração de identificadores de autores como ORCID, identificadores de artigos como o uso de DOIs fornecidos pela Cross Ref. e todos os elementos técnicos para a optimização de metadados que tornem adequadamente visíveis todas as investigações publicadas na Revista credenciem devidamente estes trabalhos e tornem visível a sua produção científica.

Estamos cientes de que após estes dois anos de intenso trabalho, grandes desafios continuam no processo de consolidação da Global Rheumatology, revista científica que alcançou conquistas notáveis em tão pouco tempo. Temos certeza de que com a visão definida e a orientação e colaboração crescente de toda a comunidade reumatológica pan-americana e o apoio da comunidade mundial interessada em ter informações adequadas e válidas sobre doenças reumáticas em todas as regiões do mundo, mas especialmente na América Latina, a revista científica da PANLAR continuará a crescer e aumentar o seu impacto como um veículo de comunicação cada vez mais importante no concerto global de reumatologia.

 

Referências 

  1. Vervoort D, Ma X, Bookholane H. Equitable open access publishing: changing the financial power dynamics in academia. Glob Health Sci Pract. 2021;9(4):733-736. https://doi.org/10.9745/GHSP-D-21-00145 
  2. Butler, L, Matthias, L, Simard, M A, Mongeon, Ph, Haustein, S. (2022). The Oligopoly's Shift to Open Access. How For-Profit Publishers Benefit from Article Processing Charges (Version v1). Zenodo. https://doi.org/10.5281/zenodo.7057144
  3. Beigel, F., Packer, A. L., Gallardo, O., & Salatino, M. (2022). OLIVA: a transversal analysis of indexed scientific production in Latin America. Disciplinary diversity, institutional collaboration, and multilingualism in SciELO and Redalyc. In SciELO Preprints. https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.2653 
  4. Nundy, S., Kakar, A., Bhutta, Z.A. (2022). The Status of Biomedical Research in some Developing Countries. In: How to Practice Academic Medicine and Publish from Developing Countries? Springer, Singapore. https://doi.org/10.1007/978-981-16-5248-6_6
  5. Latin America: South and Central America, Mexico and the Caribbean - Clarivate Available from https://clarivate.com/lp/latin-america-south-and-central-america-mexico-and-the-caribbean/
  6. Van Noorden, R. The impact gap: South America by the numbers. Nature 510, 202–203 (2014). https://doi.org/10.1038/510202a
  7. Cheng T, Zhang G, Worldwide research productivity in the field of rheumatology from 1996 to 2010: a bibliometric analysis, Rheumatology, Volume 52, Issue 9, September 2013, Pages 1630–1634, https://doi.org/10.1093/rheumatology/ket008
  8. Bilsborrow JB, Peláez‐Ballestas I, Pons‐Estel B, Scott C, Tian X, Alarcon GS, et al. Global Rheumatology Research: Frontiers, Challenges, and Opportunities [Internet]. Vol. 74, Arthritis & Rheumatology. Wiley; 2021. p. 1–4. Disponível em: https://doi.org/10.1002/art.41980
  9. Valenzuela-Toro AM, Viglino M. How Latin American researchers suffer in science [Internet]. Vol. 598, Nature. Springer Science and Business Media LLC; 2021. p. 374–5. Disponível em: https://doi.org/10.1038/d41586-021-02601-8
  10. Morales E, McKiernan EC, Niles MT, Schimanski L, Alperin JP (2021). How faculty define quality, prestige, and impact of academic journals. PLoS ONE 16(10): e0257340. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0257340
  11. Arellano-Rojas P, Calisto-Breiding C, Peña-Pallauta P. Evaluación de la investigación científica: mejorando las políticas científicas en Latinoamérica. revespdoccient [Internet]. 6 de julio de 2022 [citado 13 de septiembre de 2022];45(3):e336. Disponível em: https://redc.revistas.csic.es/index.php/redc/article/view/1369
  12. PANLAR a través de su historia. PANLAR 2018 (Libro), Capítulo 4 pp. 93-105 ISBN 978-958-59277-7-3 Disponível em http://www.panlar.org/sites/default/files/historia_de_panlar_75_anos_digital.pd
  13. Fajardo E. Introduction to PANLAR Guidelines. Pan American League of Associations of Rheumatology (PANLAR); 2022. Disponível em: https://doi.org/10.46856/grp.27.e138
  14.  Caballero Uribe CV. UNESCO, Ciencia abierta, acceso abierto y publicaciones científicas Global Rheumatology. Pan American League of Associations of Rheumatology (PANLAR); 2022. Disponível em: https://doi.org/10.46856/grp.11.e118

 

enviar Envía un artículo