Artigos e reportagens especiais
Escuchar
Pause
Play
Stop

Thomas Sydenham, o primeiro reumatologista?

Para : Antonio Iglesias
Historiador/investigador. Profesor titular de Medicina. Universidad Nacional. Bogotá, Colombia



19 Novembro, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.26.e030

"As personagens são propostas à revista por reumatologistas com interesse na área de História da Medicina, chefiados pelo Dr. Antonio Iglesias Gamarra, que tem uma longa experiência no assunto. As suas obras incluem a história do lúpus, a história da vitamina D, a história da esclerodermia, entre muitos outras. "

Visualizações 1000Visualizações

As personagens são propostas à revista por reumatologistas com interesse na área de História da Medicina, chefiados pelo Dr. Antonio Iglesias Gamarra, que tem uma longa experiência no assunto. As suas obras incluem a história do lúpus, a história da vitamina D, a história da esclerodermia, entre muitos outras.

 

Na primeira 'Entrevista com a história', o Dr. Antonio Iglesias entra na pele do Thomas de Sydenham e responde a questões sobre a sua carreira e a sua rebelião contra a medicina da época e responde porque muitos o consideram o primeiro reumatologista.

Ele nasceu no dia 10 de setembro de 1624 em Wynford Eagle, no Reino Unido (Imagem 1). A sua morte ocorreu no 29 de dezembro de 1689. Estudou Medicina, embora a Guerra Civil tenha interrompido a sua formação. Amigo de reis, filósofos e rebeldes da medicina da sua época. É assim que o Thomas Sydenham pode ser descrito hoje, 396 anos após o seu nascimento.

 

É importante analisar a época do Sydenham, pois até o final do século XVI e início do século XVII prevalecia a velha teoria dos humores e era necessária uma nova concepção do conceito de doença, já que tudo o que predominava era o produto desta concepção.

 

Ele foi um rebelde da medicina no seu tempo. Para ele, mais do que teoria, a medicina se baseava na observação e, posteriormente, na descrição.

 

Como um botânico faz com as espécies, o mesmo faria com as doenças. Para ele, essa classificação corresponde às "espécies mórbidas" e são "regularidades da natureza", evidentemente deixando de lado a linha filosófica para analisar o curso de uma doença. Um ato de rebelião sem dúvida que marcou o futuro da Medicina.

  

Aqui está um diálogo para compreender os ideais, percepções e propostas desta personagem.

 

Como você viveu e quem foram os referentes do seu tempo?

 

No final do século XVI, surgiram figuras extraordinárias como o Jan Baptista von Helmont (1579-1644), que mudou o conceito de constituição humoral para a de doença individual e causa de um agente específico e, portanto, a perspectiva de uma etiologia foi aberta, uma anatomia patológica e o diagnóstico de uma doença.

 

Mais tarde, surge a figura do Franz de le Boe (Sylvius) (1614-1672), um seguidor das teorias de Harvey sobre a circulação; o desenvolvimento da anatomia pelo dinamarquês Thomas Bartholin e o surgimento de outros conceitos como a iatroquímica; empirismo clínico, e racionalismo destacando-se na época o Hermann Boerhaave (1668-1738). Com esse pano de fundo que vive o mundo médico do século XVII, surge o meu nome, Thomas Sydenham.

  

Introduzi o conceito de espécie mórbida moderna ao descrever a clínica das doenças, como forma de explicar o compromisso entre experiência e razão (1,3). Cheguei a ser considerado o inglês Hipócrates e um dos médicos mais importantes do século XVII.

 

Falemos um pouco sobre você. Em que ambiente você se desenvolveu e como foi sua passagem pela Medicina?

  

Wynford Eagle, onde nasci em 1624, é uma vila perto de Dorchester. As condições de saúde eram péssimas para falar a verdade e ali, devido às condições meteorológicas, predominavam doenças ósseas como raquitismo, tuberculose, sarampo e outras doenças infecciosas; e do ponto de vista político, a doutrina calvinista predominou.

  

O estado da medicina era caótico e a cirurgia era praticada por barbeiros cirurgiões e herbalistas; a falta de cirurgiões e a falta de higiene eram o ambiente do início do século XVII, influenciado pelo racionalismo de Paracelso, a miasma e o fanatismo religioso. Ou seja, o mundo médico era desconhecido.

  

Sou considerado o pai da medicina inglesa. Eu me formei em Oxford como bacharel em medicina em 1648 e recebi a minha licença do Westminster em 1665. Em 1687, recebi o doutorado pela Universidade de Cambridge, onde um dos meus filhos havia estudado. Sim, depois de quase 30 anos de prática da medicina.

  

Já na minha relação direta com a Medicina posso dizer que utilizei o método hipocrático, o que é observação e a sua vivência. Analisei o paciente à beira do leito, como na escola de Leiden. Me dediquei a estudar cada doença e separá-la uma da outra. A razão? Achava que cada um era diferente e assim consegui distinguir pela história natural o conceito de doença aguda e crônica.

  

O meu livro Observationes Medicae foi o livro clássico por 200 anos. Ele é creditado por descrever algumas doenças como gota, escarlatina, malária, disenteria, sarampo, histeria. Além disso, posso dizer que uma das minhas grandes obras é o tratado sobre a gota. Foi descrito em 1676, no início do meu trabalho (Imagem 2), embora tenha alguns detratores, apesar das excelentes descrições que fiz. Porém, no final do século XVII recebi todos os prêmios.

 


 

Ele também descreveu epidemias e fez amizade com grandes médicos ...

 

Quando me mudei para Londres, pude conhecer ao Robert Hooke, ao Robert Boyle, ao John Locke, ao Thomas Willis, médicos e pensadores extraordinários da sua época. (1.8). Em 1666 publiquei Methodus curandi febres, este o escrevi após a epidemia de Londres em 1665 e acompanhei as observações médicas, onde se descreve a importância da observação médica e individualização de cada uma das doenças e a explicação da sua metodologia médica. Propus uma nosografia e uma nosotaxia que fossem empíricas e atendessem exclusivamente ao que os sentidos do observador podiam perceber no corpo do paciente.

 

Além disso, hoje sou considerado um epidemiologista ao escrever sobre as febres intermitentes em 1661-1664; a praga da época em 1665-1666; sarampo em 1667-1669; disenteria e cólera em 1669-1672; influenza em 1673-1676 e por analisar as estações, e a nutrição como o causal.

 

E como ele chega à reumatologia então?

 

Estudei doenças reumáticas e provavelmente fui o primeiro a identificar e descrever algumas delas. Naquela época, o termo gota era usado genericamente para descrever dor e inflamação nas articulações. Durante 39 anos sofri de gota clássica e fiz a descrição da doença como é conhecida hoje, também tive nefro litíase. Distingui e descrevi a poliartrite aguda, possivelmente febre reumática e artrite deformante crônica, como a artrite reumatoide. Também a coréia reumática ou menor para distinguir o mal ou dança de San Vito, como era chamada na Idade Média.

 

Por fim, como é o Hipócrates inglês?

 

No tratado da Medicina do século XVII na Inglaterra, o meu perfil foi analisado e é aí que a minha importância começou a ser reconhecida e fui comparado com Hipócrates por usar a observação como metodologia para o estudo das doenças nos meus pacientes. Esta denominação foi mantida pela faculdade de medicina da Inglaterra. Embora não faltem detratores que dizem que isso se deveu à minha amizade com Locke e outros influenciadores da época.

  

Da minha prática médica, dizem eles, foi mágica e ainda é aceita. O Dr. John Brown chamou-me de Príncipe dos Médicos Ingleses “Prince of English Physicians” e tratei ao Rei Carlos II. Posteriormente, o William Osler, o extraordinário interno, escreveria: "O Sydenham tem o grande mérito da profissão médica em usar o método hipocrático, devido à observação cuidadosa dos seus pacientes e da sua prática à beira do leito".

 

“Tive muito cuidado para não escrever nada que não fosse produto de fiel observação, por isso, quando o escândalo que causou o meu trabalho for posto de lado - e estiver na minha sepultura - verão que não sofri por ser enganado por especulações vagas e complacentes, nem enganei aos outros impondo-lhes algo que não fosse um fato absoluto. "

 

REFERÊNCIAS 

 

1. Albarracin-Teulon A. Syndenham. La historia universal de la medicina. Editado pelo Pedro Lain Entralgo. Salvat, pp 297-307,1972. 

2. Trail RR. Sydenham’s Impact on English Medicine. Medical History 1965 Oct;9(4):356-64. doi: 10.1017/s0025727300031008.  

3. Meynell GG. the two Sydenham societies: A History and Bibliography of the Medical Classes. Published Sydenham society and the new Sydenham society (1844-1911), Acrise: Winterdown Book, 1985. 

4. Newmann G. Thomas Sydenham: Reforme of English Medicine (New York: Book for Libraries Press, 1924), 32. 

5. Sydenham to Boyle. In Hunter Clericuzio and Principe (eds) 1968. pp 56. 6. Anstey P. The creation of the English Hippocrates Medical history 2011;55:547-478. 7. Dehurst K. An Oxford Medical Quartet Sydenham, Willis, Locke, and Lower. Bri Med J 1963;2:857-860. 

8. Carter HS. Thomas Sydenham. Scott Med J 1956;1:401-404. 

9. Sydenham T. Tractatus de podagra et Hydrope. Londres, 1683. 

10. Sydenham T. Opera Medica. Editio Novissima Venetiis. Ex typographia. Balleoniana MDCCXXV. 

11. Fever. The making of modern medicine. BBC series Disponível en https://www.bbc.co.uk/sounds/play/b0077453 

 

Imagens  

 

Imagem 1 tirada de Wikimedia 

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Portrait_of_Thomas_Sydenham._Wellcome_ M0012099.jpg 

 

Imagem 2 tirada de Wikimedia 

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:T._Sydenham,_Opera_Medica_Wellcome_L 0007696.jpg

 

enviar Envía un artículo