Coluna
Escuchar
Pause
Play
Stop

Ser reumatologista

Para : Elias Forero Illera
Internista reumatólogo 



01 Junho, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.22.e023

"“Rarologista”, “freqüentologista” ou especialista na dor, o reumatologista é o médico com a formação necessária para a realização do estudo, diagnóstico e tratamento de patologias musculoesqueléticas inflamatórias e mecânicas, autoimunes e auto inflamatórias, muitas delas de comportamento crônico, capazes de impactar significativamente na morbimortalidade e a qualidade de vida das pessoas afetadas por estas condições"

Visualizações 534Visualizações

No dia a dia, o reumatologista não é um “rarologista”, ele é, na verdade, um "freqüentologista" e "especialista na dor".

Há poucos dias, enquanto estudávamos os possíveis diagnósticos levantados por um caso inusitado, o residente de medicina interna de plantão comentou que os demais especialistas percebem o reumatologista como um “rarologista”. “Se você não souber o que o seu paciente tem, mande-o para um reumatologista” é o slogan. Embora tenha considerado o comentário um elogio, ignorei a referência e decidi investigar a veracidade desta afirmação.

Como os nossos pacientes, comecei perguntando ao Google se existiam os médicos "rarologistas". Como vocês devem supor, o Google pensou que eu estava diante de uma dúvida de outro desempregado e me encaminhou para outras opções não relacionadas à minha pesquisa.

Depois de várias tentativas, encontrei uma nota elegante postada no Medscape pelo Dr. Stephen Paget intitulada, Por que eu entrei na reumatologia?

Na sua exposição de motivos, o Dr. Paget mencionou o choque produzido por um professor reumatologista que, ao estilo do Sherlock Holmes, descobriu os raros casos que se apresentaram no hospital.

No momento me senti identificado, a mesma experiência que tive quando era discípulo do Antônio Iglesias Gamarra. Eu também queria ser um detetive de doenças raras. Duas referências adicionais, uma dos Estados Unidos e outra da literatura alemã, corroboraram o comentário rotativo, confirmando que o conceito foi generalizado.

Porém, no dia a dia, o reumatologista não é um “rarologista”, ele é, na verdade, um "freqüentologista" e um "analista". A nossa prática diária está repleta de pacientes afetados por patologias inflamatórias, mecânicas e dos tecidos moles que produzem dores crônicas incapacitantes. A sociedade espanhola de reumatologia publicou uma monografia interessante em 2017, intitulada “Avaliação da dor na reumatologia”. Nele, dados obtidos em 34 centros de reumatologia mostram que a dor está presente em um 95 por cento dos pacientes que procuram as consultas. É, na maioria dos casos, o principal motivo da consulta e em um 80 por cento é de evolução crônica.

O reumatologista estuda as características da dor, a sua distribuição, intensidade, repercussão e manifestações adicionais, como sinais inflamatórios e sinais extra-articulares e de outros órgãos. Tudo isto com o objetivo de estabelecer o diagnóstico diferencial e preciso das diferentes patologias e estruturas do aparelho locomotor afetadas. Os diagnósticos mais frequentes que causam a dor dominante são as artropatias inflamatórias (30%) e a osteoartrite (27%), seguidas de reumatismo das partes moles (17%, a tendinite, a bursite, a síndrome miofascial) e queixas vertebrais inespecíficas (8 %). Além disso, identifica-se que 4,1% apresentam dores de origem neuropática, o que amplia o espectro de atendimento do paciente.

“Rarologista”, “freqüentologista” ou analgésico, o reumatologista é o médico com a formação necessária para a realização do estudo, diagnóstico e tratamento de patologias musculoesqueléticas inflamatórias e mecânicas, autoimunes e autoinflamatórias, muitas delas de comportamento crônico, capazes de impactar significativamente na morbimortalidade e a qualidade de vida das pessoas afetadas por estas condições.

"Você só vê o que sabe." JW von Goethe

 

BIBLIOGRAFIA.

Paget S. COMMENTARY. 'Why I Went Into Rheumatology' Medscape. February 07, 2017

Manger B, Swoboda B. Rare rheumatic diseases. Z Rheumatol. 2016 Mar;75(2):133. doi: 10.1007/s00393-016-0055-9.

Kay J. Rheum Dis Clin North Am. 2013 May;39(2):xv-xvi. doi: 10.1016/j.rdc.2013.03.008.

Plana Veret C, Seoane Mato D, Gobbo Montoya M, Vidal Fuentes J. Evaluación del dolor en Reumatología. Estudio EVADOR.

Madrid: Sociedad Española de Reumatología; 2017.

enviar Envía un artículo