Perfis
Escuchar
Pause
Play
Stop

Sonhar em grande e trabalhar por isso em equipe

Para : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



05 Novembro, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.25.e025

""A Cinthya Uzcátegui faz parte da Secretaria Executiva da PANLAR e busca diariamente um novo desafio para afrontar, mas sempre apoiada eno seu ambiente mais próximo." "

Visualizações 227Visualizações

“Extraordinariamente comum”, é assim que a Cinthya Uzcátegui se define. Não apenas ela, mas define a um grupo de trabalho, pois se algo deixa claro ao longo de toda a conversa é que "não sou só eu, é toda uma equipe de pessoas" por trás da Secretaria Executiva da PANLAR.

Mas, para saber como ela é, é preciso voltar aos sonhos que ela tinha desde que decidiu estudar Economia na Universidad de los Andes, em Mérida, na Venezuela, e fazer um MBA em administração e gestão empresarial. “O meu sonho era tornar-me um executivo de gestão da bolsa. A realidade da Venezuela na época nos atingiu e sabíamos que o futuro das finanças e da negociação no mercado de ações era limitado”.

Ela veio para o Panamá "por amor", como ela define, porque o seu marido foi transferido pela empresa para a qual trabalhava na época. “E no projeto de vir ao Panamá formalizamos o casamento e formamos uma família”, diz ela.

Depois foi a vez da Congrex Americas, outro sonho de quatro sócios, entre o marido e ela. “É quando eu inicio o processo do que seria uma carreira de organização de eventos, e depois a gestão de associações internacionais”, explica, lembrando também que sempre teve gosto pela multicultura e pelo encontro com pessoas em meio à sua diversidade”, uma habilidade mole que sempre esteve comigo”, garante.

Ela descobriu que as associações sem fins lucrativos representam nela um desejo de legado, “Gosto de acompanhá-las no seu desenvolvimento, superar cada uma das dificuldades e aprender com os grandes profissionais que as direcionam. É por isso que ao longo do tempo me preparei para entender as suas necessidades operacionais, jurídicas e fiscais e assim apoiá-los no seu desenvolvimento e sustentabilidade ao longo do tempo”.

“Foi muito interessante”, é a primeira coisa que ela diz quando começa a falar sobre a sua história com a PANLAR. Foi por meio do Dr. Beto Noguera, reumatologista venezuelano e padrinho, ele compartilhou a sua experiência e imediatamente se identificou como um potencial cliente. “Vários anos passaram até que recebemos uma chamada do Comitê Organizador da PANLAR 2016, liderado pelo Dr. Ramón Pérez Acuña, para apresentar uma proposta como empresa organizadora do congresso. "Depois de várias propostas fomos selecionados".

Sobre isso, lembra, “foi um longo processo com uma comissão que passava por transformações do ponto de vista de governança. Isto nos fez enfrentar muitos desafios interessantes, dos quais foram obtidos resultados positivos ”.

Em seguida, a presidência da PANLAR passa a ser assumida pelo Dr. Carlo Vinicio Caballero e é ele quem propõe que a Congrex Americas se candidate à Secretaria Executiva, “considerando que havíamos realizado o congresso e seríamos um potencial aliado para a execução do plano de desenvolvimento. É aí que entramos na fase de avaliação, entender como funcionava. Essa curva de aprendizado demorou um pouco, mas a transformação foi imediata com toda a nossa disposição para acompanhá-los no processo", diz ela, explicando também que eles tiveram que estudar muito para entender a natureza da associação e tudo o que ela deve fazer e executar desde a ciência e a educação à responsabilidade.

Ela não gosta de dizer que é ela quem está na Secretaria Executiva, “Cinthya faz parte de uma equipe, embora para muitos seja o rosto visível”, destaca, e cita ao Ferney, à Susana, à Isolde e ao Javier.

“Estamos muito orgulhosos do que conquistamos com a PANLAR e é um trabalho em equipe com uma gestão que tem sido incrível”, afirma. E é neste ponto que para a analisar cada presidente, a sua personalidade e a contribuição para o crescimento de ter pouca documentação e processos estabelecidos para formalizar cada elemento da operação.

 

NO SEU LAR

Voltando à sua descrição de "extraordinariamente comum", ela diz que é uma pessoa comum e graças a uma equipe consegue coisas extraordinárias. “Sou uma trabalhadora esforçada, gosto de dizer isso. Mãe de duas lindas meninas, muito familiar. Tenho a alegria de viver em um país que me deu muitas oportunidades e está alinhado à minha filosofia de vida, o Panamá é a ponte do mundo e sinto que posso ser a ponte entre pessoas ou organizações”, afirma.

“Gosto de liderar com determinação, mas com muita humanidade”, completa.

Ela é mãe da María Victoria (10) e da María Paula (5), esposa do Javier Montilla. “As crianças são a nossa maior lição. A María Victoria é suave, doce e firme nos seus ideais, adoro a forma como os defende. Quando ela está na quadra, ela é uma guerreira. A María Paula me ensinou a tolerância, me faz respirar fundo e é muito divertida. Me deixa desesperada e feliz na mesma proporção”, diz ela, rindo e o seu tom muda. É, talvez, o de uma mãe que gosta do crescimento das filhas, que aprende diariamente com este processo.

“O meu mantra sempre foi proteger à minha família, a nossa saúde mental. Para ser esse suporte para aqueles que amamos e aqueles que nos amam. E sempre buscamos ser bons seres humanos e é isso que procuro transmitir às minhas filhas ”, afirma.

Estabelece limites entre o trabalho e a casa. “As estruturas de apoio são, enfim, o sucesso”, explica, referindo-se ao seu ambiente familiar, e destaca que os domingos são dias de festa. “Fazemos esses momentos valerem a pena e serem muito especiais com os amigos e a família”.

Ela tem 15 anos no Panamá e as suas memórias são baseadas em afetos, “e esses estão sempre comigo”, embora confesse ter saudades da casa da avó em Mérida, Las Margaritas e da infância.

“Sempre digo às minhas filhas para serem autênticas e felizes, que nada lhes tire a calma. Ser feliz exige disciplina, tem que tentar e se esforçar”, afirma.

 

DESAFÍOS PANLAR

“Estamos em 2020 e em uma pandemia. Então os aprendizados são infinitos, mas o maior é, sem dúvida, ter a mente aberta e avaliar os múltiplos cenários e essa é uma das nossas principais virtudes como equipe”, afirma, destacando o objetivo de estar “sempre atento às mudanças. O que representa uma boa característica para as organizações sem fins lucrativos e garante a sustentabilidade ao longo do tempo”.

O seu aprendizado pessoal vai de mãos dadas com a capacidade de adaptação com base em retrospectivas, análises e estudos. Ela também tem um blog. Nisso, ela diz, "desabafa" com questões não relacionadas ao trabalho, mas há uma entrada chamada de "Gratidão" que é a exceção à regra.

“Trabalhar com associações tem representado para mim o maior desafio profissional até agora… bom, e para não perder o hábito, também a pandemia. Ela exigiu de mim em todos os sentidos; até fisicamente e emocionalmente, mas como todo grande esforço, também traz recompensa. As associações, os seus eventos, conquistas e sustentabilidade são uma grande recompensa”, escreve no seu último post.

“Após 6 meses de pandemia e uma montanha-russa de emoções, associações como a PANLAR e os seus membros (como os médicos que mencionei) têm sido o ímpeto para não deixarmos duvidar do valor do nosso trabalho, da contribuição para o nosso sindicato, a necessidade de empresas como a nossa apoiarem o crescimento de qualquer organização e acompanhá-la no seu caminho para o desenvolvimento que todos queremos ”.

Além disso, ao olhar para as suas realizações, ela prefere dividi-las por áreas. Governança é regulamentar procedimentos por meio de acordos de entendimento, regulamentos e códigos de ética. “Ao nível administrativo e contábil, o controle e independência da gestão das contas, o processo financeiro através de fechamentos mensais, orçamentos e acesso a um escritório de contadores experientes. Na ciência e na educação as conquistas são múltiplas, mas coordenar todas as iniciativas é uma grande conquista”, e neste último ponto ela foca nos programas de educação e grupos de estudos, cada um muito ativo.

Ela também destaca o aspecto da comunicação, afirmando que “temos um site e redes com números espetaculares”, e o fato de poder acompanhar a PANLAR na realização do sonho da Reumatologia Global. Tudo se resume em "uma grande satisfação".

Para ela, o crescimento e o desenvolvimento de associações lembra às crianças. “Você tem que vê-los crescer e se tornarem grandes pessoas. Nas associações você os acompanha pelo caminho e os vê caminhando por conta própria”.

Ela destaca que “com a PANLAR o crescimento continua. Existem muitos planos para o futuro e continuamos a desenvolver as nossas iniciativas. Ganhar espaço, para que as pessoas participem, para que todos vivam dentro das nossas iniciativas e projetos”.

“Eu olho para trás e rio de como alguém aprende ao longo dos anos e como poderia ser ingênuo o meu planejamento ou visão de como seria o meu futuro profissional. Queria estar ligada à bolsa e hoje dou risada e digo que estava perdida. Agora sinto que é uma atividade muito diferente do que posso ser como ser humano e como profissional. Definitivamente estamos felizes com o que conquistamos, temos desafios e fome de aprender e continuar evoluindo”, finaliza.

enviar Envía un artículo