Cobertura PANLAR 2021
Escuchar
Pause
Play
Stop

Apresentações orais para fazer parte do PANLAR 2021 - Parte 1

Para : Richard Aguirre
Periodista científico de Global Rheumatology by PANLAR.



12 Agosto, 2021

"Nesta primeira parte, veremos cinco dos trabalhos de pesquisa selecionados para o Congresso PANLAR 2021. "

Visualizações 183Visualizações

  1. Doença inflamatória intestinal

A pesquisa aborda os critérios de triagem para doença inflamatória intestinal: aplicação em pacientes com espondiloartrite para encaminhamento entre reumatologia e gastrenterologia em um grupo de pacientes colombianos.

O objetivo era aplicar critérios clínicos para testes diagnósticos (triagem) de doença inflamatória intestinal (DII) em pacientes com AEs, com sintomas gastrointestinais e sua associação com a atividade e função da doença.

Foi realizado um estudo transversal em 82 pacientes com EA de acordo com os critérios de classificação ASAS sem diagnóstico de IBD, com avaliação clínica por um reumatologista e em pacientes com sintomas gastrointestinais clínicos. Também incluiu avaliação por um gastroenterologista e critérios de triagem IBD, que foram analisados por cromoendoscopia, colonoscopia de ampliação, histologia, CRP, ESR, ferritina e transferrina.

Os resultados mostraram que dos 82 indivíduos avaliados, 41 foram encaminhados à gastrenterologia com indicação de colonoscopia com cromoendoscopia e os critérios de triagem do IBD foram aplicados.

Também foi constatado que 100% da população tinha algum sintoma gastrointestinal, sendo o mais frequente a diarreia com mais de 4 semanas em 61%; 68,3% tinha pelo menos um dos três critérios principais. Além disso, 70,8% dos pacientes tinham pelo menos um dos menores critérios de triagem associados aos níveis mais altos da BASFI.

Nenhum paciente com anemia por deficiência de ferro positiva foi encontrado entre os achados; entretanto, foi observada alteração da ferritina em 22,0%, associada à inflamação crônica do cólon. Não houve casos de febre ou histórico familiar de IBD no estudo.

Observou-se uma diminuição nos níveis de vitamina B12 em 17,1% dos casos, associada com a presença de úlceras e inflamação aguda no íleo. A perda de peso também foi encontrada em 31,7% dos casos e foi associada a um histórico de tabagismo.

A pesquisa conclui que a aplicação do critério de triagem IBD em SpA sem IBD reflete uma alta frequência de sintomas de intensidade suficiente para afetar a qualidade de vida e a atividade da doença. O engajamento permite que os pacientes se beneficiem de um tratamento abrangente da doença em seus estágios iniciais.

 

  1. Síndrome metabólica em pacientes com artrite psoriática

A fim de estudar a prevalência da síndrome metabólica em pacientes com artrite psoriática e a correlação entre a obesidade e o escore PsAID 12, o pesquisador Rodrigo Garcia Salinas e sua equipe realizaram um estudo transversal multicêntrico com um total de 160 pacientes que preenchiam os critérios da Classificação de Artrite Psoriática (CASPAR), que foram recrutados em seis centros brasileiros de reumatologia.

A síndrome metabólica (MS) foi definida de acordo com os critérios do Programa Nacional de Educação sobre o Colesterol (NCEP) Painel de Tratamento de Adultos III (ATP III) e obesidade de acordo com o Índice de Massa Corporal (IMC). A associação do IMC com o PsAID-12 foi avaliada usando o coeficiente de correlação de Spearman e o nível de significância adotado foi de 5%.

Quanto ao método, o pesquisador aponta que dos 160 pacientes incluídos, 50% eram mulheres, com idade média de 54,0 ± 11,2 anos. Quanto à doença psoriática, 68% tinham apenas artrite periférica e 32% tinham envolvimento axial puro ou misto. A prevalência da EM foi de 62,5% e a obesidade estava presente em 34,4% de todos os pacientes.

Neste caso, houve uma associação positiva estatisticamente significativa entre o IMC e a pontuação total da PsAID-12: quanto maior o grau de obesidade, como definido pelo IMC, maior será a pontuação da PsAID-12.

Entre os resultados, García Salinas relata que, na experiência do grupo de pesquisa, a EM estava presente em mais de 60% dos pacientes e o escore PsAID-12 correlacionado com a obesidade: pacientes obesos tiveram um impacto significativamente maior da artrite psoriática, conforme medido pelo escore PsAID-12.

 

  1. Covid-19 em pacientes com espondiloartrose na Argentina

O objetivo do grupo de pesquisa, representado por María Victoria Martire, é descrever a incidência e gravidade da doença causada pela covid-19 em pacientes com espondiloartrose na Argentina.

Para este fim, incluíram pacientes com espondiloartrite axial (AxSpA) radiológica (EA) e não radiológica (AxSpA-nr) e espondiloartrite periférica (de acordo com os critérios ASAS) e artrite psoriática (PsA) (de acordo com os critérios CASPAR). Os pacientes eram seguidos por telefone ou pessoalmente, mensalmente. Os dados foram coletados de 1 de abril a 20 de setembro de 2020 e as estatísticas descritivas com média e desvio padrão (DP) e mediana e percentil 25º-75º de acordo com a distribuição foram realizadas e a incidência acumulada (IC) da doença foi calculada.

Um total de 320 pacientes foi incluído no estudo, dos quais 55% eram homens, com uma idade média de 50 anos, 21,6% tinham um diagnóstico de AD, 6,9% SpAax-nr, 6,9% SpAp e 64,7% AP.

Foram relatados 14 pacientes com um diagnóstico de covid-19 (4,4%), dos quais 10 diagnosticados por PCR positiva e quatro por sintomas associados a contato próximo positivo.

Neste caso, 13 dos pacientes, equivalentes a 93% dos casos, eram da Província de Buenos Aires e da Cidade Autônoma de Buenos Aires (CABA), enquanto apenas um era de Santiago del Estero.

Dos 14 pacientes com covid-19, 50% eram homens; 4 tinham um diagnóstico de AD, 1 SpAax-nr e 9 (64,3%) AP.

Os investigadores encontraram uma incidência de 4,4% de covid-19 nesta população de EA com sintomas leves e nenhuma morte foi relatada.

 

  1. Preditores de doenças em pacientes com AR

Rocío Gamboa-Cárdenas e sua equipe de pesquisa, com o objetivo de identificar os preditores de doenças clinicamente ativas em pacientes com artrite reumatoide, realizaram um estudo de quatro anos em uma coorte do mundo real.

Além disso, destacam que a remissão clínica é o objetivo atual no tratamento da artrite reumatoide (AR); no entanto, na prática clínica isto pode ser difícil de ser alcançado, especialmente na América Latina.

Para isso, foi realizado um estudo de coorte longitudinal real entre janeiro de 2016 e 2020, definido utilizando os critérios ACR/EULAR 2010 e excluindo síndromes de sobreposição (exceto Sjögren).

Para este caso, os preditores examinados na linha de base e em cada visita subsequente foram sexo, idade no diagnóstico, duração da doença, status socioeconômico de acordo com o método Graffar, tabagismo, anticorpos anticíclicos peptídeos cítricos (anti-CCP), título do fator reumatoide, doença ativa (índice simples de atividade da doença: SDAI), deficiência (MDHAQ), qualidade de vida relacionada à saúde [SF-36, relatada como sumário de componentes físicos (PCS) e sumário de componentes mentais (MCS)] medidas, glucocorticosteróides (GC, uso e dose), b FAME/ moléculas sintéticas e todas as drogas imunossupressoras, incluindo cDMARDs.

Um modelo univariável e um modelo multivariável de estimativa generalizada foram realizados para determinar os preditores de doença clinicamente persistente ativa em cada visita. Todos os preditores potenciais foram avaliados na mesma visita e a atividade da doença (SDAI>3,3) foi definida na visita subsequente.

Quinhentos e cinquenta pacientes de AR foram incluídos no estudo (2009 - anos de acompanhamento de pacientes); na linha de base 91,8% eram do sexo feminino e a idade média era de 44,4 anos. O SDAI era de 28,8, apenas 94 pacientes estavam em remissão e os demais estavam em atividade de doença persistente.

Dos achados, doença ativa, incapacidade e má qualidade de vida dos pacientes são preditores de doença ativa clinicamente persistente em pacientes com AR.

 

  1. Tenossinovite detectada por Power Doppler sonografia

Com o objetivo de estimar a frequência da artrite reumatoide (AR) em uma coorte de pacientes que consultaram para poliartralgia, incluindo a artralgia da mão, e para identificar características diferenciais entre pacientes com AR soropositiva e soronegativa, Rodrigo García Salinas e sua equipe de pesquisa conduziram um estudo de coorte que incluiu pacientes maiores de 18 anos, que foram admitidos para poliartralgia no programa ¨Reuma-check¨ (2017-2020).

Neste programa, foram realizados estudos de laboratório (incluindo reagentes de fase aguda, RF e anti-CCP), radiografias, ultrassom de mão com técnica Power Doppler (22 articulações: carpal, MCF e IFP na forma de tendões bilaterais e 20 tendões: 6 compartimentos extensores do carpo e tendões flexores do 2º ao 5º dedos bilateralmente) e entrevista (sócio demográfica, clínica e clinimétrica) na primeira visita.

Cada avaliador, neste caso laboratório, imagem e clínica, não tinha conhecimento dos dados dos outros estudos realizados. Nas visitas posteriores, nas quais foram incluídos apenas pacientes que completaram pelo menos 2 visitas, os resultados foram avaliados e o diagnóstico definitivo da AR foi estabelecido de acordo com os critérios de classificação da ACR / EULAR 2010.

Para este fim, a AR foi considerada soronegativa quando os pacientes eram negativos tanto para RF quanto para anti-CCP e, através de análise estatística descritiva, foram realizados o teste Chi2, o teste exato de Fisher, o teste t de Student e o teste Mann Whitney.

O estudo incluiu 746 pacientes com poliartralgia, dos quais 128 acabaram com um diagnóstico final de AR. Destes, 87 (67,9%) eram soropositivos, enquanto 41 (32%) eram soronegativos.

A única característica que mostrou diferenças significativas foi a presença de tenossinovite detectada por ultrassom com sinal Doppler de potência positiva, 13,7% dos pacientes com AR soropositiva contra 41,6% dos pacientes com AR soronegativa.

Entre os achados, a frequência da AR na coorte de pacientes com poliartralgia foi de 17,1% e a única característica distintiva dos pacientes soronegativos de AR foi a maior proporção de tenossinovite detectada por ultrassom com sinal Doppler de potência positiva em comparação com os pacientes soropositivos de AR.

enviar Envía un artículo