Perfis
Escuchar
Pause
Play
Stop

A paixão por servir, o motor do Bernardo A. Pons-Estel

Por : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



12 Junho, 2020

https://doi.org/10.46856/grp.25.e027

""Ele nasceu em San Justo, na província de Santa Fé, na Argentina, admirava ao Dr. Macera, por quem se motivou a estudar medicina com o compromisso de ajudar pacientes como a sua avó Rosário. “Anedotas que ficarão gravadas na história” é como ele descreve as memórias escritas em alguns parágrafos que buscam resumir a sua vida, conquistas e desafios." "

Visualizações 1465Visualizações

“Ele dizia que ia estudar medicina para ajudar à avó”, conta o Bernardo A. Pons-Estel, da Argentina. Esse foi o incentivo para ser reumatologista.

Ele não hesita em dizer o motivo pelo qual decidiu estudar medicina porque tem o seu próprio nome: Rosario Romero. Ela era a sua avó materna, de quem ele lembra "com imenso carinho".

Cortesía Dr. Bernardo A. Pons-Estel

Fotografía de Rosario Romero. / Cortesía del Dr. Bernardo A. Pons-Estel

Ela tinha artrite reumatoide, "ela era uma pessoa muito deficiente", conta. As afetações eram principalmente das mãos, daquelas que faziam o arroz-doce do que gostava tanto quando criança e que ainda guarda na memória.

 

Foi assim que tudo começou.

“Sempre gostei de acompanhar às pessoas, de ajudar aos outros”, confessa. Para ele era algo que ia de mãos dadas com a educação familiar, “é preciso ajudar ou apoiar às pessoas que estão em situações mais críticas ... ser solidário”.

Mas a sua avó não foi a sua única motivação para se decidir por esta profissão. Havia algo a mais. Tratava-se de alguém que já era médico que com as suas ações o conduziu ao caminho da medicina. Era aquele homem da sua cidade natal, San Justo, na província de Santa Fé, que, segundo ele, "admirava muito". Tratara-se do Dr. Macera.

Ele era o médico da cidade que “sempre que era chamado, estava lá, na casa de quem fosse e a qualquer hora, tendo ou não uma situação financeira confortável. Lembro-me muito dele porque quando era criança sofria da falsa garupa, que é algo que surge de madrugada - ressalta - o Dr. Macera era como o meu salvador, aquele que me deixava respirar”, lembra. E assim foi. Ele é médico desde 1978, não é um Dr. Macera, ele é o Dr. Pons-Estel.

Essas são o que ele chama de anedotas que permanecem gravadas na história pessoal.

É filho do Guillermo Pons-Estel e da Rosario Ruiz, marido da Adriana Silvestre, que, ao dizer o que faz, ressalta que ela é "graduada e mestre em enfermagem, mas principalmente a sua companheira de caminhada", pai do também reumatologista o Guillermo J. Pons- Estel. Ele também é avô, o Alejandro é o seu neto de quatro anos e a Rosa Serrano, de Almería, Espanha, a sua nora. Ela também é médica e especialista em doenças autoimunes, atualmente com sede em Rosário, Argentina.

 

OS SEUS COMEÇOS

No começo ele queria fazer imunologia. Estava entre essa especialidade e a reumatologia. “No final das contas acabou sendo as dois”, diz ele.

Já na sua carreira, teve alguns professores muito importantes dos quais lembra com especial carinho: o Carlos Battagliotti e o Norberto Quagliato. “Eles me fizeram gostar muito da especialidade, principalmente do lúpus. Eles foram os meus mentores na decisão de definir-me pela reumatologia, sem esquecer a história da minha avó”, destaca.

A partir daí, a investigação passou a fazer parte da sua vida. “Eu tenho muito com que me divertir”, conta entre risadas.

 

Ele se formou como médico pela Universidade Nacional de Rosário. A sua especialização foi na Universidade de Columbia, em Missouri e na Universidade de New York, nos Estados Unidos, onde aprendeu fundamentalmente a pesquisar.

Quando não está no escritório, ele continua o seu trabalho no "bunker", como é chamado pela família o escritório onde ele trabalha em algum projeto de pesquisa. “Tenho seis ou sete horas no escritório por dia. Acordo às 5 ou 6 da manhã porque começo a consulta às 9, nestas quatro horas me dedico à pesquisa epidemiológica ”.

-Como você tira tempo de tudo? É a questão

-Roubamos tempo de outras necessidades ou dedicatórias como à família ... Admito que roubo muito tempo mesmo. Nos fins de semana encerrado ou atividades e passeios adiados.

“O meu filho é médico, a minha nora é médica e a minha mulher é licenciada em enfermagem. O mais inteligente de tudo isso foi envolver toda a família na mesma paixão”, seguida desta afirmação, as risadas estão presentes. Não se esquece do amor familiar, e que este esteja acompanhado da paixão por servir aos outros através da medicina torna o seu lar ainda mais especial.

 

TEMPO DE INVESTIGAÇÃO

Há muitos anos, em meados da década de 1980, ele desenvolveu um projeto com um grupo de amigos. Todos eles voltaram de terem sido formados em diferentes países, mas o desejo de investigar os uniu. Assim começou este capítulo da sua vida.

“Quando voltamos ao país nos conhecemos e começamos a trabalhar juntos. Naquela época tudo o que se fazia era com lápis e papel, um, dois, três, quatro e o quinto era cruzado. É assim que íamos contando aos pacientes”.

Dos bastões eles foram à tecnologia. A computação começou a aparecer e juntos desenvolveram um programa chamado Arthros.

Vale lembrar que em um congresso nacional da Sociedade Argentina de Reumatologia, eles foram selecionados entre os primeiros trabalhos. Foi um programa desenvolvido para a realização de estudos epidemiológicos. “Chegou um professor mexicano, o Dr. Donato Alarcón-Segovia, que se interessou pelo projeto e queria nos entrevistar e foi assim que nos propusemos trabalhar juntos”. É aqui que o GLADEL começa.

O GLADEL é o Grupo Latino-Americano para o Estudo do Lúpus, criado em 1997 com o professor Donato Alarcón-Segovia, do México. Desde o início, os dois coordenaram o projeto no qual foram incluídos 34 centros de 9 países.

Assim começou o primeiro estudo epidemiológico latino-americano. “Foi uma das obras mais exaltadas sobre o lúpus da América Latina, onde houve poucas pesquisas”, destaca com notável orgulho.

Seguiu o GLADAR, Grupo Latino-Americano de Estudo da Artrite Reumatoide, do qual também foi fundador e coordenador geral. Este reúne 43 centros de 14 países.

Outro dos seus projetos é o GLADERPO, Grupo Latino-Americano de Estudo de Doenças Reumáticas em Povos Indígenas. "Estudamos mais de 10 grupos étnicos indígenas da Argentina, México e Venezuela e, mais recentemente, do Equador e da Colômbia."

Neste também é fundador e coordenador geral junto com as doutoras Ingris Peláez, do México, a Ysabel Granados, da Venezuela e a Rosana Quintana, da Argentina.

“Sabíamos o que estava acontecendo com os brancos na Europa e na América do Norte, com asiáticos e afro-americanos, mas nada sobre a nossa população. Hoje temos entre as publicações e colaborações do GLADEL mais de 80 trabalhos publicados mundialmente com referência a este tema”, garante.

O mais importante, acrescenta, “é que detectamos que os mestiços têm uma doença muito mais grave do que os brancos e até se comportam de forma muito semelhante aos afro-americanos. A nossa população é diferente, então uma abordagem diferente deve ser feita ”.

E, por fim, dentro dos grupos de pesquisa estão o GLA-GENLES e o GLA-GENAR, Grupos Latino-americanos de estudos do Genoma do Lúpus Eritematoso Sistêmico e da Artrite Reumatoide, respectivamente. Aqui é coordenador com a Dra. Marta Alarcón-Riquelme, do México / Espanha.

O bônus vem com o GLADEL 2.0, criado há cinco anos. "Isso significa trazer à nova geração, aqueles com menos de 40 anos que são apaixonados pelo lúpus"... "Um deles é meu filho", diz ele com orgulho.

São eles que acompanham tudo isto, “são o futuro e a nossa garantia de continuidade”.

Essa paixão por gerar conhecimento para a nossa própria população, as nossas etnias, as nossas culturas e o nosso povo é o que o move. Para ele é fundamental não importar conhecimento de fora, mas criá-lo aqui, para o seu povo, aquele que desde criança quis ajudar e que com o passar dos anos intensifica o desejo. “Isso nos une como paixão”, afirma.

 

SEM BATA E SEM ESTÚDIOS

Foi presidente da Sociedade Argentina de Reumatologia (2011-2013), presidente do X Congresso Mundial de Lúpus (2013), presidente do congresso PANLAR 2018, presidente da Lupus Academy 2019 (Varsóvia, Polônia) e atualmente é membro do Comitê de Ciência e educação PANLAR.

Fora do escritório, da pesquisa, das conferências e deveres profissionais, as suas paixões são diferentes.

Embora tenha claro que a Medicina ocupa o primeiro lugar, ela é seguida pelo cinema, pela leitura, pela música e pelo esporte.

Desfruta de filmes "testemunhais e tradicionais". Na mesma linha, ele faz a sua seleção de livros. Ele se volta para a literatura latino-americana e os seus autores preferidos são García Márquez, Cortazar, Neruda, Benedetti e Galeano. E se falarmos de música, o dele é a Mercedes Sosa, León Gieco, Pink Floyd, Beatles e Rollings.

-Na comida?

- Todo... Exceto o pepino.

-E no futebol?

- Torcedor da Seleção Argentina, Boca Juniors e Barcelona que tem ao Leo Messi, do Rosário. Também gosto do tênis, basquete e rugby.

 

PANORAMA

A plataforma de lançamento para pesquisas em reumatologia na América Latina está crescendo significativamente, diz o especialista. “Isto não é obra do acaso nem responde ao acaso, mas ao crescente interesse das sociedades científicas como a PANLAR e as Sociedades Nacionais de Reumatologia que reagem a um novo paradigma e estimulam aos seus atores, preparando-os para serem os protagonistas deste desafio”.

Tudo isto, acrescenta, ocorre nos nossos países com um ambiente de transição epidemiológica, “onde o desafio continua a ser o de enfrentar os problemas de saúde ligados à pobreza, mas ao mesmo tempo tendo que enfrentar o desafio das patologias inerentes ao desenvolvimento, incluindo patologias crônico-degenerativas, e neste contexto doenças autoimunes e reumáticas ”.

É aqui que entra o fator de uma composição étnica muito heterogênea na América Latina, ao mesmo tempo em que está atrelada a um ambiente geográfico, econômico e social de grandes iniquidades e desafios.

Para ele, “esta alquimia nos torna, tão diferentes quanto únicos, portanto devemos reconhecer a nossa realidade e assim conscientizar às novas gerações de reumatologistas de que gerar autoconhecimento é essencial”.

Neste sentido, as evidências mostram que um salto qualitativo quântico está ocorrendo na produção científica na América Latina. “Estamos observando, acompanhamos a sua evolução, convencidos de que o seu crescimento será exponencial”, e afirma que é tanto que gostaria “de responder a esta pergunta novamente em cinco anos”.

A criação do GLADEL em 1997 significou a incorporação de uma nova geração de especialistas motivados a continuar gerando pesquisas e processos que permitem que a região seja atualizada e reconhecida mundialmente.

“Com base nas publicações e no trabalho contínuo de mais de 20 anos, ficou demonstrado que o lúpus na América Latina é diferente e, portanto, devemos estar preparados para enfrentar esta situação”, afirma.

Em novembro de 2014, durante o Congresso ACR em Boston, reuniram-se com o objetivo estratégico de começar a gerar uma mudança geracional e desenvolver redes colaborativas. Foi assim que surgiu o GLADEL 2.0, que envolve uma nova geração de jovens reumatologistas, a que chama de “viveiro”.

“O coletivo GLADEL já estava em movimento, então a tarefa era simples e também muito encorajadora. Muitos jovens aderiram e hoje estamos dando mais um grande salto, a criação de uma nova coorte latino-americana para o estudo de pacientes com nefrite lúpica, da qual participam 43 centros de 10 países latino-americanos”, afirma.

Portanto, e com base no compromisso compartilhado entre o GLADELES original e o GLADELES 2.0 (jovens), "o futuro é incrivelmente encorajador", diz ele.

 

EM FAMILIA

Possui mais de 10 livros na especialidade e mais de 130 publicações em periódicos indexados no PubMed. A sua vida é pesquisar para gerar conhecimento ao serviço do próximo, e ele anima-se um pouco mais quando o assunto é local. Algo que ele também faz em família.

Participa junto com os seus discípulos, entre os quais o seu filho e nora, do Centro Regional de Doenças Autoimunes e Reumáticas (CREAR), em Rosário, Argentina, e com a sua esposa, especialista em Saúde Pública, no estudo de cidades originais (GLADERPO).

-Uma missão familiar?

"É um luxo fazer isso", ele responde com notável emoção.

Agora, diz com saudade que, cada vez que consegue uma conquista importante, lembra da avó, do pai, dos professores e da família da que há anos “tem roubado um tempinho” para contribuir com o conhecimento e a ajuda aos demais.

-O melhor ensino de medicina?

-A paixão, o serviço e o trabalho para gerar o próprio conhecimento nesta parte do continente- conclui.

enviar Envía un artículo