Cobertura PANLAR 2021
Escuchar
Pause
Play
Stop

O caminho a seguir para uma publicação científica

Para : Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.



10 Agosto, 2021

"O Dr. Mario Cardiel abordará em dois momentos do PANLAR 2021 a importância da publicação científica nos periódicos, bem como mensagens para os jovens médicos sobre a tolerância ao fracasso e o apoio de um mentor. "

Visualizações 99Visualizações

O Mario Cardiel é Internista e Reumatologista, mestre em Ciências. Além disso, é membro titular da Academia Nacional de Medicina e investigador principal do Centro de Pesquisa Clínica Morelia, além de mestre na Reumatologia Mexicana.

Até o momento, possui cento e sessenta e duas publicações em revistas indexadas e 18.578 citações, é coordenador das diretrizes terapêuticas para a artrite reumatóide do México e da PANLAR e tem uma participação ativa nas diretrizes de AR da EULAR, e membro do grupo coordenador das Guias Latino-Americanas de Lúpus do GLADEL e da PANLAR.

Este ano ele estará no Congresso PANLAR 2021 e terá cinco participações. “Duas palestras estão intimamente relacionadas entre si, estarei no Simpósio da PANLAR Jovem, intitulada  'Da recepção do artigo à sua publicação' então nesta palestra conduzo aos jovens reumatologistas pela mão através deste processo de revisão por pares de revistas científicas, a grande responsabilidade que isto acarreta, como também a tremenda oportunidade de aprender no processo”, afirma.

“Informei os pontos importantes a avaliar e como esta atividade pode ser muito enriquecedora. Por isso é uma palestra prática e altamente recomendada para o público que com certeza começa a receber convites para artigos de revisão, aos quais dou algumas orientações úteis para o fazer da melhor forma ”, acrescenta.

A outra palestra que ele tem é sobre ‘Publicações científicas: tornando a pesquisa científica visível. Métricas tradicionais versus alternativas: inimigos ou complementos?', conjuntamente o Dr. Carlo Vinicio Caballero.

“O Dr. Caballero falará sobre as métricas de divulgação científica através das redes sociais da internet de diferentes plataformas eletrônicas e o Dr. Loreto Carmona, da Espanha, sobre as métricas tradicionais. Da minha parte, falarei sobre onde publicar o meu trabalho científico. Por isso, novamente, é transmitir uma série de dicas que os jovens acharam úteis, selecionar com muito cuidado a revista científica para onde enviaram os seus trabalhos e o que acarreta esse árduo caminho, as dificuldades que encontrarão, mas também as recompensas, o fim de conseguir a publicação da sua obra”.

Ele também será o coordenador do grupo de trabalho de espondiloartropatias onde o projeto ESPALDA e alguns avanços do grupo de estudo de espondiloartropatias da PANLAR serão abordados. “Vou moderar esta mesa, tentando mantê-los na hora certa e na elaboração ou transmissão das perguntas”.

Outra das suas participações é com o Lupus. “Três pessoas muito valiosas na nossa área participarão da Starla Hairston, ela é uma educadora formal no American College of Rheumatology e irá nos dar a experiência do que eles estão fazendo para atingir aos médicos de primeiro contato. A Dra. Cristina Drenkard, de Atlanta, que é a fundadora da página Vamos Falar sobre Lúpus, e o Dr. Guillermo Pons-Estel, da Argentina, que mencionará a abordagem que está planejada para chegar a muitos médicos de primeiro contato com informações úteis e práticas para que o encaminhamento ao reumatologista não seja tão tardio quanto atualmente ”.

 

SOBRE A SUA EXPERIÊNCIA

“Sou um pesquisador clínico com uma longa trajetória nesta área e, por isso, fui convidado para ser revisor de estudos científicos e, no passado, também fui editor associado para a América Latina do Journal of Clinical Rheumatology", indica o Dr. Cardiel.

Em relação ao tema da investigação, defende, “é um factor que distingue, a longo prazo, dois perfis profissionais que parecem semelhantes, quando se analisa os trabalhos publicados pode-se mesmo estar muito convencido de que os que publicam têm vasta experiência em determinado assunto e, entre outros atributos, esta pessoa é certamente persistente ”.

E, com certeza, “é alguém que busca e tem tolerância com o fracasso e busca atingir a meta, por isso é um fator distintivo muito apreciado no meio acadêmico e que infelizmente jovens médicos aprendem ao longo do caminho, pois os programas educacionais no hoje na América Latina não dão a ênfase como deveriam”.

Daí, provavelmente, o convite e a ideia de motivar às pessoas a publicarem. “Aqui está um pouco de um problema de paciência e persistência. As revistas científicas hoje recebem muito mais trabalho do que podem publicar, de forma que cabe ao editor separar o joio do trigo e, muitas vezes, as primeiras tentativas não são aceitas”.

“Destaco em algumas das minhas palestras a importância nos estágios iniciais de abordar um mentor que tem experiência, que vai nos mostrar o caminho, deixando claro que esses primeiros trabalhos são os mais difíceis de publicar, mas os seguintes são mais simples, por isso é muito provável que tenhamos uma rejeição nas primeiras tentativas”.

Alternativas do que fazer se rejeitarem naquela primeira revista também são dadas, "Eu mostro a eles um caminho a seguir e também o valor de dizer em algum momento "não, acho que vou salvar o trabalho, este tem falhas que não podem ser corrigidas e no próximo vou fazer melhor”, também falo disso lá”.

Para um jovem médico que leva um trabalho ou uma apresentação oral a um Congresso, pode ser a forma de transformá-lo em uma publicação científica ou, a outra forma de abordar essa primeira publicação, é a conversão da tese de graduação. Reduzir, seguir as orientações de uma revista e poder publicá-la “e quem seria o nosso mentor aí? O médico com quem trabalhamos aquela tese, que nos direcionou aquele esforço ou com quem trabalhamos aquele pôster ou esta apresentação oral que levamos ao Congresso. Essas pessoas costumam ter mais conhecimento e podem nos ajudar”.

“É um processo formativo longo e difícil, e às vezes as pessoas acham tão difícil que guardam na gaveta, então é justamente o que eu não quero, que as pessoas façam isso e procuro estimulá-las, preparo eles com algumas recomendações para que também tenham tolerância à frustração”, pontua.

Por fim, afirma que esses convites geram grande satisfação. “É um compromisso estar na PANLAR, em cada um dos seus congressos, sinto que é uma forma de contribuir com o meu conhecimento e experiência para o desenvolvimento, e também uma forma de mostrar esse entusiasmo para que a PANLAR continue a crescer”, salienta.

enviar Envía un artículo