Coluna
Escuchar
Pause
Play
Stop

Pseudo-covid

Para : Elias Forero Illera
Internista reumatólogo 



14 Abril, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.22.e078

"Estamos diante de um inimigo difícil de enfrentar. Por isso, enquanto as vacinas chegam e também depois delas, o chamado é manter a calma e não esquecer as medidas de autocuidado”"

Visualizações 1005Visualizações

Contra a nossa vontade e apesar dos esforços científicos, a pandemia não para. O SARS-CoV-2 e as suas variantes produzem outro pico de infecções, mortes, medo, o marcador é avassalador: vírus 3, humanidade 0.

O impacto não é observado apenas nas já conhecidas manifestações pulmonares, articulares, renais, cerebrovasculares, cutâneas e de outros órgãos. Agora, como consequência da ansiedade produzida pelo medo ao contágio, outra doença começa a ser descrita, não tão mortal quanto p covid-19, mas quase tão prejudicial, é a pseudo-covid.

Essa nova manifestação ocorre quando as pessoas ficam sabendo do contágio de um conhecido, com quem repentinamente tiveram contato recente. Também ocorre quando a mídia alerta para o aumento das infecções e do número de mortes.

 Assim que a má notícia é ouvida, a pessoa afetada começa a perceber os sintomas que são atribuídos ao contágio com o maldito vírus. Sensação de febre e dispnéia, dor de garganta, dores no corpo, dor de cabeça e até perda da apetite. Todas as manifestações acima são percebidas com tal plausibilidade que as pessoas se sentem realmente doentes.

Desencadeia-se então uma cascata de situações improváveis, a angústia apodera-se da pessoa afetada, a falta de cuidado é censurada e o descumprimento rigoroso das medidas de prevenção. Em vez de consultar o médico, procuram-se amigos que já tiveram a doença ou no Google ou qualquer pessoa que se atreva a recomendar alguma coisa. Sem pensar muito, compram tudo o que recomenda um do outro na farmácia, corticosteróides, antibióticos, ivermectina, aspirina, anticoagulante, colchicina. Fazem toda a automedicação que o paciente jamais tomaria em outra ocasião. Testes de esfregaço são feitos, raios-X são feitos, exames uns dos outros, um caos total.

Os médicos não são estranhos a esta situação. Devido à nossa exposição natural à patologia, é muito comum pensar que estamos infectados e, como qualquer ser humano normal, caímos na mesma angústia sofrida pelos nossos pacientes. Com a mesma ansiedade aguardamos os resultados laboratoriais, que quando são negativos nos tranquilizam, mas ao mesmo tempo nos perguntamos: sou um falso negativo? Será que estou no período da janela?

Também acontece que confundimos outras condições virais com covid-19. Para não ir muito longe, neste ano de pandemia tive dois episódios virais que confundi com uma infecção de SARS-CoV-2, cheguei até a aplicar enoxaparina. Claro, também compramos todos os tipos de medicamentos, desde a já esquecida hidroxicloroquina até os mais vendidos Redoxon (vitamina C) e vitamina D, que já faltam nas farmácias por causa do vírus e agora por causa do pseudo-COVID. Sem mencionar o dinheiro gasto em oxímetros de pulso, termômetros infravermelhos e qualquer outra coisa que criarmos possa resolver o problema.

No último número da revista da National University School of Medicine, o Dr. Franklin Escobar e o seu grupo trouxeram um interessante editorial que alerta sobre essa manifestação mental da pandemia SARS-COV-2 (1). Algumas manifestações, personalidades propensas são descritas e algumas orientações são propostas para o seu tratamento. Por fim, os autores lembram, quando a epidemia do AIDS também foi observada, essas complicações mentais associadas à ansiedade produzida pelo ataque violento da infecção pelo HIV.

Todos estes fatos são compreensíveis, estamos diante de um inimigo difícil de enfrentar. Por isso, enquanto chegam mais vacinas e também depois delas, o apelo é manter a calma e não esquecer que o mais seguro é cumprir todos os mandamentos anticovid:

• Você usará a máscara o tempo todo

• Você vai lavar as mãos a cada 2 horas

• Você manterá o distanciamento social acima de todas as coisas.

• Você não vai conhecer muitas pessoas

• Você obedecerá às quarentenas quando solicitado.

 

1. Escobar-Córdoba F, de Borba Telles LE, Hernández-Yasno M. Pseudo-COVID-19 ¿hacia un nuevo trastorno mental?. Rev. Fac. Med. [Internet]. 2020Nov.17 [cited 2021Apr.12];69(1). Disponível em: https://revistas.unal.edu.co/index.php/revfacmed/article/view/91032

 

enviar Envía un artículo