Artigos e reportagens especiais
Escuchar
Pause
Play
Stop

Alfred Baring Garrod e o começo da reumatologia moderna

Por : Antonio Iglesias
Historiador/investigador. Profesor titular de Medicina. Universidad Nacional. Bogotá, Colombia


Estefanía Fajardo
Periodista científica de Global Rheumatology by PANLAR.


Carlo V Caballero Uribe MD
Editor en Jefe Global Rheumatology by PANLAR



06 Dezembro, 2021

https://doi.org/10.46856/grp.26.ept105

"Nesta Entrevista con la Historia falaremos com o Alfred B. Garrod, que fez importantes contribuições para o estudo da gota e da nomenclatura das doenças reumáticas, introduzindo o termo artrite reumatóide hoje utilizado, entre outras contribuições para a medicina, sendo um dos precursores da reumatologia moderna."

Visualizações 525Visualizações

                                                                        Alfred Baring Garrod 

O Alfred Baring Garrod (1819-1907) (Foto 1) nasceu em Ipswich. Filho do Robert Garrod, um conhecido fazendeiro da região. O Alfred decidiu estudar Medicina e foi aprendiz do Charles Chambers Hammond no Hospital da sua cidade; posteriormente, ele se mudou para o University College Hospital, onde se qualificou para M.B em 1842 e M.D em 1843. Em 1845 ele se casou com Elizabeth Ann, filha do Henry Colchester de Ipswich, com quem teve quatro filhos e duas filhas. Um dos seus filhos era o Archibald Garrod, também médico. (1,2)

Tornou-se professor e médico reconhecido pela sua importante contribuição para o nosso conhecimento das causas da gota e por ter contribuído para redefinir várias doenças reumatológicas, sendo quem cunhou o termo "artrite reumatóide" para a doença que conhecemos hoje.

Nesta Entrevista con la Historia abordaremos o seu legado e as pesquisas que o levaram a ser considerado um dos pais da reumatologia moderna.

Como foi o seu começo?

Comecei a minha carreira como assistente clínico no departamento de química do University College Hospital, em Londres, aos 28 anos. As minhas funções incluíam a análise de fluidos corporais e outras amostras enviadas para o laboratório.

Mais tarde, em 1847, fui nomeado médico assistente, seguido em 1851 como Professor de Terapêutica e Medicina Clínica no University College Hospital, em Londres. Estive ativamente envolvido nos assuntos do hospital e no estabelecimento do museu da Matéria Médica.

Em 1862, deixei o University College Hospital e ingressei no King's College Hospital como médico e professor. Deixei o trabalho ativo do hospital em 1874, mas continuei como médico consultor no mesmo hospital. (1,2)

Vamos falar sobre o seu legado ...

Eu acho que é amplo. Foi justamente em 1847, como médico assistente, quando fiz a descoberta da presença do ácido úrico no sangue de pacientes gotosos, e apresentei os achados em uma conferência no dia 8 de fevereiro de 1848, demonstrando um aumento do ácido úrico nos pacientes com gota que não é observada no reumatismo agudo ou na doença de Bright (como era geralmente chamada de glomerulonefrite) (3,4).

A história o lembra assim (4): “Foram retirados 1.000 grãos de soro para o exame e foram evaporados à secura em camadas finas em banho-maria. Posteriormente, foi pulverizado e tratado com álcool retificado, fervido por cerca de dez a quinze minutos, tratado novamente da mesma maneira, e as soluções de álcool foram preservadas para o exame. Depois de ser novamente lavado com álcool, o soro seco é drenado por água destilada fervendo, sendo a operação repetida duas ou três vezes e misturando as soluções aquosas. Quando uma pequena quantidade deste fluido foi evaporada com a adição de ácido nítrico, e então mantida no vapor de amônia, a evidência clara da existência do ácido úrico foi dada pela produção do belo corante púrpura de murexide ou púrpura de amônia. A solução aquosa foi evaporada até ficar ligeiramente espessa e, uma vez fria, acidificada com ácido clorídrico puro. Em repouso por algumas horas, cristais de ácido úrico foram depositados, os quais foram coletados, lavados com álcool e pesados.

Por outro lado, também consegui desenvolver um teste, o "Thread Test", um método semiquantitativo para medir o ácido úrico no soro ou na urina. Eu mostrei que havia pequenas quantidades de ácido úrico ao redor do fio no soro de pessoas normais e pacientes com gota e também demonstrei depósitos de urato na cartilagem articular dos pacientes com gota (3,4). E comentei que o ácido úrico foi encontrado em pessoas saudáveis, como em pacientes com gota e espéculos na presença de ácido úrico na urina, em pacientes com gota tofácea crônica e consegui levantar o papel dos rins na excreção de ácido úrico e outros solutos. (3,4)

De fato, devo dizer que escrevi que “o soda urato depositado pode ser considerado a causa, e não o efeito, da inflamação gotosa”. Este foi o primeiro teste químico realizado para diagnosticar doenças reumáticas (5).

Estes experimentos foram negligenciados por mais de meio século, até a publicação de um artigo seminal do McCarty e Hollander (6), que mostrou que os cristais no líquido sinovial dos pacientes com gota eram compostos de urato monossódico.

E, por fim, na minha publicação de 1876, descrevo o uso da colchicina para o tratamento das crises agudas e o papel da sua profilaxia (4), observação extraordinária para a época.

Qual foi a sua contribuição em relação à artrite reumatóide?

A artrite reumatóide provavelmente está presente como doença há muito tempo, certamente desde a época de Sydenham (7), mas tinha sido confundida com termos como gota, reumatismo crônico, reumalgia, reumatismo escorbútico, etc.

Foi então quando escrevi sobre o termo "artrite reumatóide" no meu caderno no outono de 1858. Na época eu estava pensando "embora não esteja disposto a adicionar mais nomes, não posso deixar de expressar o desejo de que um pudesse ser encontrado para esta doença, não implica qualquer relação necessária entre ela e gota ou reumatismo. " Portanto, sugeri que era uma doença diferente: "Talvez a artrite reumatóide respondesse ao objeto pelo qual o termo implica uma condição inflamatória das articulações, não muito diferente do reumatismo (mas) em algumas das suas características eles diferem materialmente "

Foi em 1859 que propus o nome de artrite reumatoide para substituir definitivamente os vários nomes que tinha até então (gota reumática, reumatismo nodoso e artrite reumática crônica) (4,8), termo que foi aceito na Grã-Bretanha e em outros países europeus e com que a doença é conhecida hoje.

O nome "Artrite Reumatóide" que persiste até hoje é um ótimo

legado, embora não sem controvérsia. Rejeitei o reumatismo crônico de Heberden e a gota de Fuller naquela época e escolhi o nome "artrite reumatóide" para a doença e forneci ilustrações. Eu o dividi em formas agudas, crônicas e irregulares do tipo generalizado e localizado.

Você também publicou livros. Conte-nos sobre isso e o que está neles.

Essentials of Materia Medica and Therapeutics foi publicado em 1855, teve 13 edições (9) e meu livro clássico, The Nature and Treatment of Gout and Rheumatic Gout, publicado em 1859, no qual ele diferenciava pacientes com gota e artrite reumatóide. (10).

No capítulo XV do meu livro, descrevi com grande precisão a doença que conhecemos hoje, diferenciei-a da gota e da febre reumática (ver Figuras 2 e 3). Além disso, detalhei nas ilustrações as deformidades características e denotei a gravidade da doença em relação às demais, devido ao seu difícil controle e curso clínico incapacitante. No entanto, devo observar que, apesar da descrição clínica exaustiva da AR, não me referi ao envolvimento articular do ponto de vista histopatológico.

 

Figuras 2 e 3

Capa da The Nature and Treatment of Gout and Rheumatic Gout  e tabela com diagnóstico diferencial entre a gota e a artrite reumatóide no Capítulo 15 do mesmo.

imagen 2

imagen 3

Fonte

The nature and treatment of gout and rheumatic gout by Garrod, Alfred Baring, Sir, 1819-1907 Tomado de Digitized by the Internet Archive in 2011 with funding from Open Knowledge Commons and Harvard Medical School. Disponível em https://archive.org/details/naturetreatmento00garr

No seu tratado sobre artrite, você faz dez proposições. Podemos conversar sobre algumas?

- Níveis elevados de ácido úrico estão presentes (e são essenciais) antes, durante e entre os ataques de gota.

- Níveis elevados de ácido úrico podem ser assintomáticos

- Os rins estão envolvidos tanto nos estágios iniciais da doença com um defeito funcional específico de incapacidade de excretar ácido úrico quanto nos estágios finais da doença com o desenvolvimento de alterações estruturais. Ele postulou que a hiperuricemia era o resultado do aumento da produção ou da incapacidade dos rins de excretar ácido úrico com eficiência.

- Somente na gota verdadeira há deposição de urato de sódio nos tecidos inflamados.

Além dos já citados, que outros reconhecimentos você possui?

Tornei-me membro do Royal College of Physicians em 1856 e membro da Royal Society em 1858. Dei as famosas palestras 'Goulstonianas' em 1858 e as palestras 'Lumelianas' em 1883. Fui vice-presidente do Royal College of Physicians e servi em 1860 como presidente da London Medical Society.

Em 1887, fui nomeado cavaleiro pela Rainha Vitória por ocasião do meu primeiro jubileu. Fui o primeiro a receber uma medalha fundada em memória do Dr. Moxon pelo Royal College of Physicians. Além disso, fui membro honorário da Berliner Gesellschaft für Innere Medizin, em Berlim, e membro ativo do comitê da Farmacopeia Britânica.

E adicionalmente, há uma rua em Aixles Bains, em Londres, que leva o meu nome (11).

Por todas estas observações, descobertas e abordagens que discutimos, sou considerado um dos precursores da reumatologia moderna.

 

Figuras

Figura 1 : Alfred B Garrod. Disponível  em : Fotos De Desconocido - [1], Dominio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=33125820

Figuras 2 e 3

The nature and treatment of gout and rheumatic gout  by Garrod, Alfred Baring, Sir, 1819-1907 Tomado da Digitized by the Internet Archive in 2011 with funding from Open Knowledge Commons and Harvard Medical School. Disponível em https://archive.org/details/naturetreatmento00garr

 

REFERÊNCIAS

  1. G. D. Storey, Alfred Baring Garrod (1819–1907), Rheumatology, Volume 40, Issue 10, October 2001, Pages 1189–1190, https://doi.org/10.1093/rheumatology/40.10.1189
  2. Sir Alfred B Garrod . Royal College of Physicians Lancet, 1908; B.M.J., 1908; D.N.B., 2nd Suppl, ii, 84. Disponible en https://history.rcplondon.ac.uk/inspiring-physicians/sir-alfred-baring-garrod
  3. Garrod AB. On the Blood and Effused Fluids in Gout, Rheumatism, and Bright's Disease. Med Chir Trans. 1854;37:49-60.1. doi: 10.1177/095952875403700107.
  4. ALFRED BARING GARROD. JAMA. 1964;187(4):299–300. doi:10.1001/jama.1964.0306017005301745.
  5. Nuki G, Simkin PA. A concise history of gout and hyperuricemia and their treatment. Arthritis Res Ther. 2006;8 Suppl 1(Suppl 1):S1. doi: 10.1186/ar1906. Epub 2006 Apr 12
  6. McCarty DJ, Hollander JL. Identification of urate crystals in gouty synovial fluid. Ann Intern Med. 1961;54:452–460.  DOI: 10.7326/0003-4819-54-3-452
  7. Iglesias A . Thomas Syndenham . The first Rheumatologist . Global Rheumatology Nov 20 2020  . DOI https://doi.org/10.46856/grp.26.e030
  8. PARISH LC. An historical approach to the nomenclature of rheumatoid arthritis. Arthritis Rheum. 1963 Apr;6:138-58. doi: 10.1002/art.1780060206.
  9. Garrod, A. B.: The Essentials of Materia Medica, Therapeutica, and the Pharmacopoeias, London: Walton and Maberly, 1855.
  10. Garrod, A. B.: A Treatise on Gout and Rheumatic Gout (Rheumatoid Arthritis) 3rd ed, London: Longmans, Green, & Co., 1876.
  11. Sir Alfred Baring Garrod Joshi V, Poojary V . Disponível em https://japi.org/r2c4d494/sir-alfred-baring-garrod
enviar Envía un artículo